Topo

Professores listam HQs para ajudar nos estudos

Hugo Araújo

Do UOL, em São Paulo

29/06/2016 06h00

Se você está procurando por maneiras alternativas de aprender, uma ótima opção são as histórias em quadrinhos (HQs). Elas podem apresentar um processo histórico, por meio de relatos de pessoas que passaram por ele, ou até abordar conceitos importantes de biologia, durante uma narrativa de super-heróis. Você aprende sem a pressão de ter de memorizar datas, conceitos e números.

O UOL conversou com os professores Daniel Perry, do Anglo Vestibulares, Francisco Moreira Júnior, da Escola Dínamis, Luiz Rafael, do Colégio Mopi, e Rubens Oda, da plataforma Descomplica. Eles recomendaram HQs que podem ajudar nos estudos. Confira a lista abaixo:

  • Reprodução

    "Os Beats", vários autores

    Para conhecer o movimento beatnik e a contracultura, manifestação cultural de meados do século 20, Daniel Perry recomenda o livro "Os Beats". "É uma demonstração do que os beatniks contestavam: a família tradicional, o capitalismo, o conformismo norte-americano e o moralismo. É uma obra muito interessante sobre um movimento histórico que vai levar à revolução comportamental e à ascensão do poder jovem". Leia mais

  • Reprodução

    "Capitão América", de Joe Simon e Jack Kirby

    O Capitão América foi criado durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), um pouco antes do ataque à base naval Pearl Harbor. Segundo os professores Francisco Moreira Júnior e Luiz Rafael, por meio da obra, é possível entender o uso das HQs para orientar as posições políticas e ideológicas da população, no contexto de conflito da época. "Com os Estados Unidos ainda oficialmente neutros, o quadrinho mostrava o Capitão América socando, estapeando, humilhando e subjugando os líderes fascistas, especialmente Hitler. Naturalmente, podemos perceber a simpatia norte-americana direcionada para as potências aliadas", conta Francisco Moreira. "Com a entrada dos Estados Unidos na guerra, a HQ servia de estímulo aos soldados norte-americanos e era um recado: aqui nós produzimos supersoldados", conclui Luiz Rafael. Leia mais

  • Reprodução

    "Crônicas de Jerusalém", de Guy Delisle

    Nesta HQ, o autor Guy Delisle narra sua própria experiência vivendo em Jerusalém e aborda a questão árabe-israelense, um tema da atualidade. "Ele demonstra o cotidiano de tensões e atritos entre judeus e palestinos de uma forma muito sensível, muito engraçada em alguns momentos", explica o professor Daniel Perry. Leia mais

  • Reprodução

    "Maus", de Art Spiegelman

    Para estudar o que representou, na vida cotidiana, o nazismo na metade do século 20, o professor Daniel Perry recomenda a obra "Maus". A HQ trata do Holocausto, por meio da história de um judeu polonês, pai do autor Art Spielgeman. "De uma maneira brilhante, ele analisa o impacto desse processo no cotidiano de uma família e em todo o povo judeu. Ao mesmo tempo, faz uma reflexão sobre o indivíduo e as contradições dele. O pai do autor sobreviveu aos campos de concentração e tem uma série de defeitos e comportamentos considerados errados. Em nenhum momento, ele idealiza esta figura". Leia mais

  • Reprodução

    "X-Men", de Stan Lee e Jack Kirby

    O professor Rubens Oda conta que o enredo principal da série "X-Men" apresenta um assunto importante do conteúdo de biologia: evolução. Como demonstrado nas HQs, as mutações são alterações na sequência de bases nitrogenadas do DNA. Elas podem trazer vantagens evolutivas, como a rápida regeneração, "poder" do personagem Wolverine. "A série se baseia na teoria do Equilíbrio Pontuado, que afirma que em alguns períodos geológicos há maior surgimento de novidades evolutivas, alterando de maneira abrupta a composição de espécies do planeta", explica o professor.

Mais Educação