PUBLICIDADE
Topo

Com melhor Ideb, Minas Gerais e Paraná têm investimentos medianos

Juliana Doretto

Especial para o UOL Educação<br>Em Brasília

22/02/2011 05h00

Nem sempre mais recursos representam Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) maior. Minas Gerais ocupa o topo entre os índices dos Estados nas primeiras séries do fundamental, com índice de 5,8, mas o seu custo por aluno foi apenas o 13º mais alto do país em 2009, com R$ 1.707,01.


Em seguida vêm São Paulo e Distrito Federal, com 5,4 e custo por aluno acima de R$ 2.100 e Paraná, com nota 5,2, mas com investimento de R$ 1.580,84, R$ 230,75 a mais que o mínimo.

Maiores Idebs por séries iniciais (1ª à 4ª séries) do ensino fundamental em 2009

 Gasto aluno/ano em 2009 (em R$)Gasto aluno/ano em 2011 (em R$)Ideb 2009
Minas GeraisR$ 1.707,01R$ 1.903,065,8
Distrito FederalR$ 2.102,79R$ 2.284,835,4
São PauloR$ 2.263,05R$ 2.640,385,4
ParanáR$ 1.580,84R$ 1.780,975,2
Santa CatarinaR$ 1.796,48R$ 2.135,315


Daniel Cara, coordenador-geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, diz que, mesmo com a nota proporcionalmente alta, Minas Gerais e São Paulo deveriam ter um Ideb já na média da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico), na nota 6. “São Estados com grande capacidade de arrecadação. E seus municípios também. O dinheiro do Fundeb não é tudo o que é investido na educação. Mas há uma diversidade grande dentro dos Estados, sobretudo em Minas. Eles deveriam fazer muito mais pela educação.”


O caso do Paraná representa o oposto. O custo por aluno não está entre os mais altos, mas o Estado otimiza seus recursos, segundo Cara, investindo sobretudo em parcerias entre municípios e Estado para, por exemplo, dar cursos de formação de professores.


Paulo Corbucci, pesquisador da área de educação do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), aponta as condições externas à escola, nessas regiões, como importantes compensadores para a falta de recursos. “Uma escola com professores razoáveis, mas com alunos com condições melhores, tem mais probabilidade de ter um desempenho melhor do que o contrário”, diz.


“Uma criança, por exemplo, que mora em um morro em que um grupo criminoso fecha a escola é privada de educação diversos dias do ano, ainda que sua escola tenha qualidade. É preciso que haja condições de segurança para essa criança, que ela chegue bem alimentada, que ela não precise trabalhar, que os pais estejam empregados”, afirma.