Brasil tem 3,8 milhões de crianças e jovens fora da escola; inclusão deve acontecer até 2016

Do UOL, em São Paulo

No Brasil, 3,8 milhões de crianças e jovens de 4 a 17 anos estão fora da escola. A falta de atendimento escolar é mais acentuada entre crianças de 4 a 5 anos (1.156.846 estão fora da educação infantil) e jovens de 15 a 17 anos (1.728.015). Os dados, com base no resultado preliminar do Censo de 2010, foram trabalhados e divulgados nesta terça-feira (7), pelo movimento Todos pela Educação.

Segundo a Emenda Constitucional nº 59, do ano de 2009, o governo tem até 2016 para garantir educação básica obrigatória e gratuita dos 4 aos 17 anos de idade.

"Essas crianças e jovens que ainda estão fora da escola é a população mais difícil e complicada de atender e garantir [sua permanência]", afirmou Priscila Cruz, diretora executiva do Todos pela Educação.

Se forem observadas as taxas por Estado, percebem-se diferenças muito acentuadas. Enquanto o Piauí atende 93,8% da população entre 4 e 17 anos, o Acre atende apenas 85%. Para Priscila Cruz, "a desigualdade educacional talvez seja o problema sistêmico maior que temos no país".

Entre 2000 e 2010 houve um aumento de 9,2% nas taxas de acesso à escola. Entretanto, nenhum Estado brasileiro conseguiu atingir a meta intermediária de atendimento escolar para 2010, estipulada pelo movimento. Até 2022, 98% ou mais das crianças e jovens de 4 a 17 anos deverão estar matriculados e frequentando a escola.

Veja as taxas de atendimento escolar da população de 4 a 17 anos em 2000 e 2010 em todos os Estados brasileiros

Estado Taxa de atendimento de 2000 (%) Meta para 2010 (%) Taxa de atendimento de 2010 (%)
Acre 71,6 90,6 85
Alagoas 78,2 92,2 89,9
Amapá 82,2 92,6 88,9
Amazonas 71 92 85,5
Bahia 84 93,3 92,2
Ceará 87,1 94,3 92,7
Distrito Federal 88 94,4 93,2
Espírito Santo 83,1 93 91,2
Goiás 83,5 92,7 89,9
Maranhão 82,3 93,1 92,3
Mato Grosso 79,6 92,3 89,4
Mato Grosso do Sul 80,4 92,4 89,6
Minas Gerais 83,8 93,4 91,8
Pará 79,2 91,7 88,7
Paraíba 84,6 93,6 92,2
Paraná 81,7 92,6 90,5
Pernambuco 83 92,8 91,5
Piauí 84,4 93,9 93,8
Rio de Janeiro 87,9 95,1 93,2
Rio Grande do Norte 87,1 93,9 92,8
Rio Grande do Sul 82,5 91,9 89,1
Rondônia 73,9 90,3 87,3
Roraima 84,9 93,5 86,9
Santa Catarina 84,9 94,3 91,4
São Paulo 86,4 94,7 93
Sergipe 85 93,6 93,2
Tocantins 80,3 92,5 90,8

*Fonte: Todos pela Educação

Desigualdades

O Estado com maior número de alunos fora da escola é São Paulo, que também é o mais populoso – são mais de 607 mil potenciais estudantes fora das salas de aula. O Estado com menos crianças e jovens fora da escola é Roraima, com 18.286.

A região Norte registrou o maior aumento de frequência: 14,2%. O Sudeste teve a menor taxa de crescimento, 8%, e apresenta os maiores números absolutos de crianças e jovens de 4 a 17 anos fora da escola: mais de 1,2 milhão. Mesmo com o baixo crescimento, a maior taxa de atendimento é verificada no Sudeste (92,7%), e a menor, no Norte (87,8%).

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos