PUBLICIDADE
Topo

Colégio interno em Goiás é acusado de expulsar aluna por ela ser homossexual

Do UOL, em São Paulo

05/06/2012 19h54

Um internato da cidade goiana de Abadiânia (a 90 km de Goiânia) é acusado de ter expulsado uma aluna por ser homossexual. A estudante Ariane Pacheco, que hoje tem 19 anos e mora nos Estados Unidos, tinha aulas no Instituto Adventista Brasil Central e mantinha um relacionamento com outra aluna.

Segundo a advogada de Arianne, Darlene Liberato, o conselho disciplinar da unidade, após tomar conhecimento do relacionamento entre as duas, decidiu que não renovaria a matrícula da estudante por “postura homossexual reincidente”, termo que está em um documento enviado a ela. Dias depois, no entanto, a instituição teria decidido expulsá-la. O caso aconteceu em 2010.

Ariane pede R$ 50 mil de indenização. “É um valor simbólico”, diz Darlene, que entrou nesta terça-feira (5) com um pedido no Conselho Estadual de Educação para que o Brasil Central seja investigado. A escola pode ser fechada.

Em nota, a escola diz que o “contato físico no namoro entre dois alunos da escola é considerado falta grave pelas normas dela, acarretando a rescisão do contrato de prestação de serviços educacionais” e que isso independe da “opção sexual”.  Em entrevista à TV Globo, o diretor do Brasil Central, Wesley Zukowsky, disse que Arianne manteve “intimidade sexual” com a namorada, o que ela nega. Ainda na entrevista, Zukowsky disse que a informação sobre o relacionamento entre as duas chegou à direção da escola “por meio de amigas”.