Topo

Brasil tem 3ª maior taxa de evasão escolar entre 100 países, diz Pnud

Do UOL, em São Paulo

14/03/2013 17h07Atualizada em 14/03/2013 19h31

Um a cada quatro alunos que inicia o ensino fundamental no Brasil abandona a escola antes de completar a última série. É o que indica o Relatório de Desenvolvimento 2012, divulgado nesta quinta-feira (14) pelo Pnud (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento).

Com a taxa de 24,3%, o Brasil tem a terceira maior taxa de abandono escolar entre os 100 países com maior IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), só atrás da Bósnia Herzegovina (26,8%) e das ilhas de São Cristovam e Névis, no Caribe (26,5%).

Na América Latina, só Guatemala (35,2%) e Nicarágua (51,6%) tem taxas de evasão superiores. Não foi divulgado o índice do Haiti.

No relatório, o organismo da ONU sugere que o país adote “políticas educacionais ambiciosas” para mudar essa situação, por causa do envelhecimento da população brasileira, que deve se intensificar nas próximas décadas e reduzir o percentual de trabalhadores ativos.

O documento divulgado nesta quinta-feira (14) mostra que apesar de ter avançado nas últimas duas décadas, o Brasil ainda tem um IDH menor que a média dos países da América Latina e Caribe. O país está na posição 85ª do ranking, que leva em conta a expectativa de vida, o acesso ao conhecimento e a renda per capita.

Veja os dados relativos à Educação no relatório do Pnud

PaísPosição no rankingIDHPopulação alfabetizadaPopulação com pelo menos ensino médio completoTaxa de evasão escolar
Noruega0,955100%95,2%0,5%
Austrália0,938100%92,2%Não informada
Estados Unidos0,937100%94,5%6,9%
Holanda0,921100%88,9%Não informada
Alemanha0,920100%96,5%4,4%
Chile40º0,81998,6%74%2,6%
Argentina45º0,81197,8%56%6,2%
Uruguai51º0,79298,1%49,8%4,8%
México61º0,77593,1%53,9%6%
Brasil85º0,73090,3%49,5%24,3%
  • Fonte: Pnud/ONU

Anos de estudo

O relatório do Pnud também revelou que o Brasil tem a menor média de anos de estudo entre os países da América do Sul. Segundo dados de 2010, a escolaridade média do brasileiro era de 7,2 anos – mesma taxa do Suriname – enquanto são esperados 14,2 anos. No continente, quem lidera esse índice é o Chile, com 9,7 anos de estudo por habitante, seguido da Argentina, com 9,3 anos, e da Bolívia, com 9,2 anos.

Os dados de escolaridade são contestados pelo Ministério da Educação. Por meio de nota, o Inep (Instituto de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) afirmou que o censo do IBGE (Instituito Brasileiro de Geografia e Estatística) de 2011 aponta uma escolaridade média de 7,4 anos por habitante, o que deixaria o país à frente da Colômbia e do Suriname.

O instituto alega que o Pnud desconsidera 4,56 milhões de crianças de 5 anos matriculadas na pré-escola e em classes de alfabetização, o que elevaria a expectativa de anos estudados no país para 16,7.

Educação