Topo

Ciclo único não aumenta nota de alunos, mostra estudo

Karina Yamamoto

Do UOL, em São Paulo

21/12/2015 06h00Atualizada em 22/12/2015 19h03

Estudantes de escolas estaduais do Estado de São Paulo de ciclo único não têm notas maiores que aqueles de unidades mistas. Essa é a conclusão de uma análise realizada pelo economista Renan Pieri, coordenador acadêmico do Sinapse, uma consultoria de gestão educacional. 

O melhor desempenho de alunos de escolas de ciclo único em relação a instituições mistas era o principal argumento para a reorganização escolar da rede estadual de São Paulo.

Para chegar a essa conclusão, Pieri analisou as médias do Ideb (Índice de Desenvolvimento de Educação Básica) das escolas estaduais de São Paulo, de acordo com seu nível socioeconômico. Ambos os dados foram são fornecidos pelo Inep, autarquia do governo federal responsável por estatísticas nacionais.

No gráfico abaixo, é possível observar o comportamento das notas de escolas do fundamental 1 em relação ao Inse (Indicador de Nível Socioeconômico) -- a linha verde reúne as notas das escolas com mais de um ciclo de ensino (por exemplo, com fundamental 1 e fundamental 2) e apresenta resultados mais altos que as escolas com ciclo único (linha azul).

 

Nível socioeconômico

Há evidências de que o nível socioeconômico (renda familiar, escolaridade dos pais, entre outros fatores) seja responsável por cerca de 80% dos resultados nas notas dos alunos  em grandes avaliações, como a Prova Brasil que é aplicada em todo o país pelo governo federal e pelo Saresp, a avaliação do governo estadual.

Pieri desconfiou que a análise do governo estadual não levasse em conta o nível socioeconômico dos alunos -- foram anunciados índices acima de 14% de melhoria nas notas. Pela sua experiência com avaliação de impacto de políticas de educação, uma boa taxa de aumento estaria em torno de 5%.

Em mais um gráfico (abaixo), dessa vez com notas de escolas estaduais de São Paulo com ciclo único de fundamental 2 (do 6º ao 9º anos), o comportamento das notas se repete: as escolas de ciclo único (linha vermelha) têm notas mais baixas que aquelas que têm alunos de mais de um ciclo de ensino (linha verde).

Em seu site, a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo informa que o ciclo único proporcionou um aumento percentual nas notas dos alunos da ordem de 14,8% no ensino fundamental 1; de 15,2% no ensino fundamental 2 e de 28% no ensino médio. De fato o estudo da secretaria não considera a origem socioeconômica dos alunos.

Ao considerar essa variável, os resultados dos alunos de escolas com ciclo único não superaram as notas dos alunos em escolas mistas no ensino fundamental. Em ambos os casos, o desempenho dos alunos de escolas de ciclo único fica abaixo.

E se pode afirmar o contrário? É possível dizer que o ciclo misto nas escolas melhora o resultado dos alunos? Pieri faz questão de não entrar nessa linha de raciocínio uma vez que isso pode acontecer em algumas faixas de nível socioeconômico muito específicas.

Argumento técnico

Segundo o governo, alunos em escolas de ciclo único apresentavam melhor desempenho que aqueles em escolas com mais de um ciclo. Esse era um dos principais argumentos do governo Geraldo Alckmin (PSBD-SP) para implantar mudanças na rede estadual de ensino.

Desde que foi anunciada, a reorganização provocou passeatas e ocupações de escolas em protesto contra a medida.

"Mudar apenas o ciclo era muito pouco para todo esse efeito [divulgado pelo governo]", diz Pieri, que ficou incomodado com a implantação do projeto sem um estudo de impacto.

"Esse estudo reforça que não adianta buscar bala de prata na educação [ou seja, não há uma saída mágica, simplista]", afirma o cientista político Daniel Cara, que também é blogueiro do UOL coordenador da Campanha Nacional pelo Direito à Educação. "O governo estava buscando uma justificativa técnica para uma redução orçamentária."

Metodologia

Para chegar a esses gráficos, Pieri separou as escolas em dois grupos -- aquelas com apenas uma etapa de ensino (ciclo único) e aquelas com mais de um ciclo de ensino (ciclo conjunto) -- e comparou suas notas de acordo com o nível socioeconômico (Inse).

Foram utilizadas as notas das escolas estaduais de São Paulo referentes à Prova Brasil, avaliação federal aplicada em todo o território nacional para cálculo do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), que são publicadas pelo Inep - no seu estudo, o governo de São Paulo usa sua avaliação regional, o Saresp.

O pesquisador, que também é ligado ao CPJA (Centro de Pesquisa Jurídica Aplicada) da FGV (Fundação Getúlio Vargas), explica que os dados do Saresp não estavam acessíveis e que as provas tendem a apresentar um resultado bastante semelhante.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Educação