Estudantes ocupam escola em Sorocaba em protesto contra MP do Ensino Médio

Eduardo Schiavoni

Colaboração para o UOL, em Ribeirão Preto

  • Divulgação

    Faixa colocada pelos estudantes que ocupam a Escola Estadual Professora Ossis Salvestrini Mendes, em Sorocaba

    Faixa colocada pelos estudantes que ocupam a Escola Estadual Professora Ossis Salvestrini Mendes, em Sorocaba

Em protesto contra a medida provisória que muda a estrutura do ensino médio no país, um grupo de estudantes ocupa a Escola Estadual Professora Ossis Salvestrini Mendes, em Sorocaba (SP), desde a noite de quinta-feira (6). A medida provisória, anunciada pelo governo de Michel Temer (PMDB) , altera o currículo e o funcionamento do todo o ensino médio

Um boletim de ocorrência foi registrado pela direção da escola, mas os estudantes afirmam que não deixarão o local até que a medida seja revista.

A ocupação da unidade escolar foi a primeira no Estado de São Paulo para protestar contra as mudanças implementadas por Temer. Os estudantes que ocuparam o prédio da escola estadual fazem parte do Novo Comando Estudantil, grupo que também se manifesta contrário à reforma da previdência social e o projeto da escola sem partido. Os dois tópicos, segundo lideranças do grupo, também estão na pauta de reivindicações.

A partir da nova medida provisória, apenas três disciplinas seriam obrigatórias em todo o ensino médio - português, matemática e inglês. Todas as outras poderão ser escolhidas pelos estudantes, que deverão optar por percursos formativos diferentes, como linguagens, matemática, ciências da natureza, ciências humanas e ensino técnico. A intenção é também aumentar o número de escola com sete horas de aula por dia. O novo formato deve passar a valer somente em 2018, se o Congresso Nacional aprovar a MP.

Segundo Lucan Dantas, um dos líderes do movimento, os estudantes, acompanhados de lideranças de movimentos sociais, chegaram à escola por volta das 7h de quinta-feira. A diretoria da escola tentou impedir a entrada dos alunos, mas não houve acordo. Eles alegam que só vão sair se o governo federal rever as medidas anunciadas. "Estamos lutando pela qualidade na educação, para nós e para as gerações futuras. Estamos mobilizados e queremos discutir essa ação autoritária do governo", conta.

O grupo não descarta a possibilidade de outras escolas serem ocupadas. "Esse é um movimento que não é isolado e que pode ser expandido para outras escolas. Iremos avaliar conforme acontecer o andamento da ocupação", informa.

Outro lado

Por causa da ocupação, a escola informou que as aulas foram suspensas e todas as atividades que são realizadas na escola foram canceladas.  Procurada, a Diretoria Regional de Ensino informou que tem investido no diálogo com alunos, mas que eles rejeitaram as tentativas de negociação. A instituição informou ainda que "nenhuma das reivindicações do protesto são de responsabilidade" da Secretaria Estadual de Educação, tratando-se de questões ligadas ao governo federal.

A Diretoria de Ensino garantiu, ainda, que haverá o cumprimento dos 200 dias letivos previstos em lei e que o conteúdo das aulas perdidas será reposto.

Sobre as mudanças propostas pelo governo, a principal crítica feita é que o programa foi imposto por medida provisória, o que o ministro da Educação, Mendonça Filho, costuma rebater falando que as mudanças são "urgentes".

 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos