PUBLICIDADE
Topo

49% de alunos mais pobres estudam em celular dos pais; entre ricos, são 23%

Mais da metade dos entrevistados afirmaram que dificuldade ou ausência de internet impediram o total acesso às aulas remotas - Getty Images
Mais da metade dos entrevistados afirmaram que dificuldade ou ausência de internet impediram o total acesso às aulas remotas Imagem: Getty Images

Ana Paula Bimbati

Do UOL, em São Paulo

21/10/2021 08h00

Quase metade (49%) dos alunos das classes D e E afirmam que acompanharam as aulas remotas durante a pandemia usando um celular compartilhado, ou seja, de outra pessoa da família. Entre os estudantes mais ricos, esse número ficou em 23%.

Os dados foram divulgados hoje e fazem parte da pesquisa "Lições da Pandemia: Motivos para Reduzir as Distâncias na Educação", feita pelo Descomplica e pelo Instituto Locomotiva. As entrevistas foram realizadas com 800 famílias de alunos do ensino fundamental 2 e do ensino médio, entre os dias 22 e 30 de setembro deste ano.

Compartilhar o celular não foi o único desafio de alunos mais pobres: 55% deles também precisaram dividir o espaço de estudo com outra pessoa da família. Já com estudantes das classes A e B, essa situação aconteceu com 29%.

"Quando um aluno precisa compartilhar o aparelho com alguém, eventualmente ele acabará perdendo aulas por isso e prejudicará seu desempenho escolar", diz a diretora de marketing da Descomplica, Luciana Feres.

O objetivo do estudo, segundo ela, era "levantar as dificuldades enfrentadas ao longo da pandemia, mas também o legado deixado pela experimentação do ensino à distância nessas famílias".

O Instituto Locomotiva usa um critério próprio para classificação das faixas salariais. Para esse estudo, as classes sociais têm uma renda per capita por mês que varia:

  • Classe A: acima de R$ 4.058,70;
  • Classe B: de R$ 1.667,67 a R$ 4.058,69;
  • Classe C: de R$ 476,25 a R$ 1.667,66;
  • Classe D: de R$ 132,57 a R$ 476,24;
  • Classe E: até R$ 132,56.

A tecnologia foi uma forma, segundo Renato Meirelles, presidente do Instituto Locomotiva, de diminuir o "prejuízo educacional ocasionado pela pandemia". Por outro lado, ele ressalta que a desigualdade se refletiu no acesso à internet.

Muitos desistiram de estudar porque o seu pacote de dados era insuficiente, moravam numa zona onde o sinal era ruim ou não tinham um equipamento adequado. Já imaginou escrever uma redação no celular?"
Renato Meirelles, presidente do Instituto Locomotiva

Uma pesquisa do Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) mostrou que a falta de equipamentos adequados atinge 14% das famílias com renda salarial de 2 a 5 salários mínimos. Quando se observa o percentual de famílias com até um salário mínimo, o número é três vezes maior: 54%.

Além da falta de equipamento e espaço adequados, outros problemas impediram os alunos entrevistados de participar de todas as atividades remotas:

  • 55% afirmaram que tiveram dificuldade ou ausência de internet no momento da aula;
  • 35% informaram que não participaram de todas as aulas por ter dificuldades com plataformas ou aplicativos;
  • outros 17% justificaram que houve falta de interesse ou motivação.

Com o retorno presencial seguro, Meirelles afirma ver um "alívio emocional" aos pais e alunos. Mas diz que as desigualdades só diminuirão com um trabalho de mobilização por parte de toda a sociedade.

Dados de uma pesquisa feita pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) mostraram que mais de 6 milhões de alunos brasileiros não têm acesso à internet. Cerca de 3,2 milhões não têm nem ao menos sinal de rede móvel.

Participação da família, mas mais das mães

O fechamento das escolas e as medidas restritivas trouxeram ao menos um ponto positivo: a participação das famílias nos estudos ficou mais intensa. Segundo a pesquisa, 71% dos pais afirmaram que assistiram a aulas remotas com os filhos e 90% tiraram dúvidas dos estudantes.

"A presença da família parece ter sido um ingrediente determinante na manutenção da criança na escola", afirma Luciana Feres.

Em relação à ajuda oferecida pelas famílias, as mães foram mais presentes: 93% delas afirmaram ter motivado seus filhos nos estudos. Entre os pais, o índice ficou em 66%.

O estudo também captou quais foram as dificuldades emocionais vivenciadas pelas famílias. Cerca de 65% delas tiveram de lidar com questões emocionais ocasionadas pelo isolamento social e 63% pela falta de motivação das crianças e adolescentes em prestar atenção nas aulas.

"As barreiras emocionais foram igualmente distribuídas em todas as classes", ressalta a diretora de marketing.