Investir no ensino mais cedo tem custo menor, aponta levantamento

Em São Paulo

Investir na correção de desigualdades durante o desenvolvimento infantil é mais eficaz e mais barato do que em outras etapas da vida. Se governos e famílias tentarem reverter déficits de aprendizado apenas a partir do ensino fundamental, terão de aplicar o dobro do dinheiro que gastariam na primeira infância, época de desenvolvimento do 0 aos 6 anos de idade.

Como cada conteúdo aprendido em um período da vida serve para o aprendizado na etapa seguinte, os déficits ou desigualdades têm de ser corrigidos o mais cedo possível, para que não se acumulem.

Isso é o que aponta um levantamento de pesquisas científicas sobre a primeira infância, produzido pelo Núcleo Ciência pela Infância (NCPI), iniciativa que reúne estudiosos de Harvard, da Fmusp (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo) e da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal.

O documento, intitulado O Impacto do Desenvolvimento na Primeira Infância sobre a Aprendizagem. mostra que o investimento nessa etapa não tem impacto somente no desempenho acadêmico, mas influencia toda a vida, gerando maior renda, melhor saúde e até menor criminalidade.

Os pesquisadores explicam que o desenvolvimento nessa fase é crucial. E o cérebro tem toda a participação nisso: quanto mais novo o indivíduo, mais conexões o órgão faz. No segundo ano de vida, chega a realizar 700 novas conexões por segundo.

Ely Harasawa, da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, explica que as grandes aquisições, como a linguagem e o raciocínio, são mais bem desenvolvidas exatamente na infância. "Não é que depois não recupera, mas demora mais, gasta mais dinheiro e mais esforço."

O pesquisador em educação Eduardo Marino ressalta que não adianta, no entanto, os pais relegarem a tarefa do desenvolvimento das crianças para a escola. "Os pais tendem a ter um maior envolvimento nessa fase, porque é a estreia da criança na escala. Mas é preciso ter proximidade com o educador, estabelecer um canal de diálogo e entender os desafios nessa etapa", afirma Marino.

A educadora Bianca Inês da Silva, de 27 anos, trabalhou em uma creche particular e, na hora de escolher uma instituição municipal para a filha, de 3 anos, se preocupou em conhecer o corpo docente da instituição. "Eu pergunto para as professoras como foi o dia da Maria Eduarda", explica. "Sei que, se não tivesse atividade lá, teria de compensar em casa."

Expansão

Governos também terão o desafio de expandir suas redes e com qualidade. De acordo com o novo PNE (Plano Nacional de Educação), o Brasil terá de universalizar o acesso à pré-escola até 2016 e ter 50% das crianças de zero a três anos na creche até 2024 - em 2012, 82,2% das crianças estavam na pré-escola e 23,5%, na creche. "Construir é o mais fácil. O custo de manutenção é a grande questão", diz Francisco Carbonari, do Conselho de Educação de São Paulo.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos