Entidades criticam aprovação de texto-base da reforma do ensino médio

Entidades ligadas à educação criticaram a aprovação do texto-base da Medida Provisória (MP) 746, que reformula o ensino médio no País. A preocupação dos especialistas é que a MP não é a melhor ferramenta para discutir o assunto e que faltou mais diálogo sobre as propostas.

A socióloga Fernanda Sobral, da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), declarou ao Jornal da Ciência, publicação da entidade, que é "preocupante" que as disciplinas de Filosofia e Sociologia não sejam mais obrigatórias e disse que elas "dão noção de humanismo". Ela destacou que a MP inviabiliza um "amplo debate sobre o assunto", ainda que a reforma já fosse defendida pelo governo anterior, por intermédio de projetos de lei.

Já a Conferência Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (Contee) destacou em nota que "reformas na educação são complexas e exigem muito debate e construção, sendo, portanto, inadmissível que se faça uma reforma educacional via medida provisória, um instrumento que tem como marca a pressa, o imediatismo e a falta de abertura ao diálogo". O texto critica ainda autorização para que profissionais com "notório saber" possam lecionar no ensino técnico, independentemente de sua formação.

À reportagem, a presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE) Carina Vitral lembrou que hoje há pelo menos 200 escolas ocupadas no País em diversos Estados e diz que os estudantes devem participar de atos pelo País na próxima terça, 13.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos