Professores e outros servidores municipais voltam a protestar em São Paulo

Fabio de Castro

Professores e outros servidores municipais estão reunidos em frente à Câmara Municipal de São Paulo para protestar contra a reforma da previdência municipal. A manifestação desta quinta-feira, 15, toma conta de toda a extensão do viaduto Jacareí, que teve o trânsito interrompido pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) às 13h10, quando a PM chegou ao local. O clima é de tranquilidade, embora o protesto de quarta-feira, 14, tenha sido marcado por violência.

Dois carros de som estão diante da Câmara, que permanece com os portões fechados. Os manifestantes gritam as palavras de ordem "A casa é do povo", referindo-se à Câmara. Os manifestantes dizem que querem entrar, mas de forma pacífica, e afirmam que não deixarão o local nem mesmo sob "balas de borracha e bombas".

Nesta quinta, profissionais de outras áreas encorparam a manifestação. Além de professores em greve, o ato tem a participação de agentes da vigilância sanitária, farmacêuticos, médicos e enfermeiros que atuam na Prefeitura.

Para entender: Proposta prevê elevar alíquota

A reforma da previdência prevê elevar a alíquota de contribuição de 11% para 14% e criar um sistema complementar. Segundo a gestão Doria, isso é preciso para estancar o déficit do sistema, de R$ 4,7 bilhões em 2017. O novo regime define a alíquota de 14% somada a uma contribuição opcional, em que o servidor escolhe um porcentual, e a Prefeitura também contribui, até um limite. Esses valores ficarão em um fundo individual, com juros correntes.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos