Topo

Secretário de Educação de Haddad quer resultados já em 2013

O novo secretário municipal de Educação de SP, César Callegari, em escritório na capital paulista - Leonardo Soares/UOL
O novo secretário municipal de Educação de SP, César Callegari, em escritório na capital paulista Imagem: Leonardo Soares/UOL

Karina Yamamoto e Suellen Smosinski

Do UOL, em São Paulo

26/12/2012 06h00

O novo secretário municipal de Educação de São Paulo, César Callegari, quer que a cidade dê "exemplo [para o Brasil]" e espera os primeiros resultados já nas avaliações ao final de 2013 para as medidas que pretende colocar em prática assim que assumir a pasta, no início do próximo mês. 

Já está planejada uma série de ações para os primeiros meses. "Temos que dar agilidade [aos processos]", afirma o secretário. Segundo ele, "são todas prioridades, todas se casam [para atingir o resultado final]".

Dentre as resoluções estão a adesão ao Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (aos oito anos, segundo o programa federal), o começo de um "processo intensivo de diálogo" com a rede para "avaliação do que tem sido feito", a instituição de rotinas de trabalho com outras secretarias para elaboração de ações em conjunto, a formação de uma força tarefa para busca de terrenos em que serão construídas 172 creches e a revisão da EJA (Educação de Jovens e Adultos).

Foco na alfabetização e nos anos finais do fundamental

Callegari já está de olho na avaliação das políticas da nova gestão ao final de 2013 -- uma para diagnosticar como está a alfabetização das crianças e outra do governo federal, a Prova Brasil que fará parte da nota de São Paulo no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica).

"A cidade de São Paulo tem que dar o exemplo de que é possível [alfabetizar aos oito anos] e como fazer", afirma César Callegari, que era secretário de Educação Básica do MEC quando o programa federal foi lançado. Segundo ele, há 27% dos alunos de 5º ano que não estão plenamente alfabetizados. "Precisamos agir já, imediatamente", pondera o político.

Sobre o Ideb da cidade de São Paulo, cujas metas não foram atingidas nem em 2009 nem em 2011, Callegari diz, com firmeza, que o objetivo é superar os índices propostos. Ele adianta que serão colocados "esforços adicionais" nas turmas que farão o 9º ano em 2013. A intenção, segundo ele, é garantir a qualidade do aprendizado dos "meninos que vamos entregar para o ensino médio" de 2014.

Esse esforço nos anos finais do fundamental - que mostraram fragilidade na última divulgação do Ideb -- já será "capturado na prova [Prova Brasil] de 2013", garante o secretário. "O objetivo não é ir bem [na avaliação federal], o Ideb tem que ser tradução da qualidade [da educação oferecida]", explica.

Licitações e contratos renovados de última hora

Agitada, a transição na pasta da Educação deixa encaminhadas novas licitações para material escolar e uniformes, além da renovação de última hora do contrato com cerca de 700 professores temporários da rede. "É preciso dizer que o processo de transição tem sido elegante e cooperativo", afirma Callegari. 

Segundo Callegari, as equipes do prefeito Gilberto Kassab, que deixa a administração municipal, e do prefeito eleito Fernando Haddad, que assume a cidade no dia 1º de janeiro, estão trabalhando em conjunto para "identificar problemas e agir a tempo". Ele também pontuou que as "atitudes estão sendo imediatamente oficializadas".

Os contratos, segundo o secretário escolhido, foram interrompidos por desistência das empresas. No início do ano, também houve problemas com a entrega de material por atraso nas licitações que havia sido suspensas. Em 2009, a entrega dos kits com material escolar e uniformes começou em março.

"Não sei por que desistiram. Poderiam ter mil hipóteses, prefiro não dar nenhuma", responde Callegari ao ser indagado se desenhava hipóteses para o rompimento dos acordos.

"Um coisa importante a ser dita - e não quero que seja relacionado como se fosse resposta a essa pergunta -- é que todos conhecem a conduta de Fernando Haddad como gestor do MEC [Ministério da Educação] e a conduta de Callegari como gestor. Sabe-se que somos exigentes em relação à qualidade, à pontualidade e à observância das regras legais."

Educação