Topo

Ensino a Distância


Noticiário alavanca estudo de língua estrangeira; veja 9 sites gratuitos

Cláudia Emi Izumi

Do UOL, em São Paulo

2013-04-19T06:00:00

2013-04-19T18:45:34

19/04/2013 06h00Atualizada em 19/04/2013 18h45

Para ajudar no aprendizado de idiomas, sites disponibilizam gratuitamente textos, áudios e vídeos de atualidades direcionados a estudantes de uma língua estrangeira. Neles, o noticiário é apresentado por nível de conhecimento do leitor e há exercícios para turbinar o aprendizado. 

O material, também usado em salas de aula, tem como vantagens melhorar o ouvido (listening) para a pronúncia original, ampliar o vocabulário e o contato com estruturas gramaticais complexas e, principalmente, tratar de temas que podem fazer a diferença em testes de admissão de universidades fora do país, entrevistas de emprego ou exames de proficiência.

 “O estudante precisa se preocupar em compreender a mensagem geral, e não se ater a palavras cujo significado não entende. Uma dica é trabalhar alguns trechos várias vezes, até dominá-lo”, afirma Marilena Fernandes, coordenadora do departamento de inglês da Alumni, que usa noticiários em suas aulas.

 

Há técnicas para tirar maior proveito de vídeos, áudios ou textos de noticiários, mas não há receita milagrosa: a dedicação regular faz diferença no curto prazo. Segundo Marilena Fernandes, da Alumni, a insegurança inicial ao rodar vídeos ou áudios dos quais se entende pouca coisa é normal.

Isso acontece porque o noticiário costuma ser narrado mais rápido, em tempo real de TV ou rádio, e mesmo um treino simples, como ouvir as passagens em outro idioma, já treina o ouvido para os sons ou um punhado de palavras novas.

“Não pode existir aquela expectativa de que vai entender tudo na primeira vez”, alerta Fernandes. “O estudante precisa se preocupar em compreender a mensagem geral, e não se ater a palavras cujo significado não entende. Uma dica é trabalhar alguns trechos várias vezes, até dominá-lo.”

Ler o texto original, que costuma acompanhar as lições online com vídeos e áudios, só é recomendando em uma segunda etapa. O dicionário mesmo só deve aparecer em último caso e, se for assim, preferencialmente em edições inglês-inglês.

“Olhar o significado em português não é bom. A melhor recomendação é o aluno entender o vocábulo segundo a explicação no próprio idioma que está estudando”, comenta Priscilla Generalli. Ela é coordenadora pedagógica da unidade do Itaim da rede de ensino Wall Street Institute, que usa conteúdo adaptado de artigos do jornal econômico “Financial Times”.

Os sites que disponibilizam as aulas de línguas com material didático baseado em noticiários, geralmente de emissoras de TV e de rádio de outros países, também dão sugestões para que seus alunos online rendam mais.

Além de ouvir os vídeos e os áudios repetidas vezes, escolha aquele cujo assunto lhe seja mais familiar para facilitar a compreensão. Se não gosta de política, vai ser difícil se apegar a uma narração sobre o conflito na Síria, por exemplo. 

Confira alguns sites:

 

Mais Ensino a Distância