Blitz da merenda: 89% das escolas não têm alvará da Vigilância Sanitária

Bruna Souza Cruz

Do UOL, em São Paulo

Das 200 escolas fiscalizadas pelo do TCE-SP (Tribunal de Contas do Estado São Paulo), 178 (89%) não possuem licença de funcionamento da Vigilância Sanitária dentro do prazo de validade. Durante inspeção realizada ontem (31), os fiscais encontraram escorpiões e um pombo no mesmo ambiente em que estavam armazenados os alimentos da merenda escolar. A operação também flagrou alimentos vencidos.

De acordo com o relatório final do Tribunal, divulgado hoje (1º), foram auditadas 114 escolas municipais, 55 estaduais e 31 técnicas, distribuídas em 180 municípios. 

Segundo o professor Joaquim Soares Neto, membro do Conselho Nacional de Educação e presidente da Abave (Associação Brasileira de Avaliação Educacional), a situação é preocupante. ,

"Esse alvará é um atestado de segurança para o aluno e demais membros da comunidade escolar. Ter qualidade na alimentação é essencial. Isso [a falta de higiene] pode aumentar o risco deles terem problemas de saúde", afirmou o docente.

Sem alvará do Corpo de Bombeiros

O Tribunal de Contas também apontou que 184 escolas avaliadas não possuem alvará expedido pelo Corpo de Bombeiros dentro do prazo de validade. O documento serve para assegurar que a infraestrutura da escola está adequada para seu funcionamento. 

Para Neto, é essencial que as escolas possuam essa certificação. "O aluno não pode frequentar um estabelecimento que tenha riscos", afirma Neto. "Infelizmente é quando acontece uma tragédia que as pessoas se dão conta de como poderiam ter evitado", acrescenta.

O professor ainda ressalta que é papel da comunidade ao entorno exigir do poder público que todas as questões referentes à segurança e condições de higiene sejam atendidas.

"A sociedade tem que pressionar para que esse direito seja assegurado. A educação deve ser colocada como prioridade máxima", destaca.

Outro lado

A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo informou que não teve acesso ao relatório de Tribunal e, por isso, ainda não vai se posicionar.

A assessoria de comunicação do Centro Paula Souza afirmou em nota que a amostra de 31 Etecs selecionadas pelo TCE não reflete a situação das 219 escolas técnicas administradas pela instituição.

A entidade ainda questionou possíveis inconsistências do documento: "como fazer perguntas sobre o preparo de alimentação para unidades que oferecem merenda seca, cujos produtos são industrializados, e questionar os funcionários da escola a respeito de assuntos que não são de responsabilidade da unidade, como adequação do transporte da merenda, certames licitatórios e avaliação de nutricionista sobre a alimentação oferecida."

De qualquer forma, o Centro Paula Souza informou que já está tomando as providências cabíveis para ajustar questões apontadas pelo relatório.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos