Topo

Vestibular


Enem 2015: 38 em cada 100 escolas são 'reprovadas' em teste do ensino médio

Arte UOL
Imagem: Arte UOL

Cristiane Capuchinho

Do UOL, em São Paulo

04/10/2016 11h00

Os resultados das provas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) por Escola 2015 indicam que 38% das instituições seriam "reprovadas" no teste do ensino médio, segundo os critérios do próprio MEC (Ministério da Educação) para a certificação do ensino médio. 

São 5.642 escolas que tiveram notas médias menores que 450 pontos em, ao menos, uma das quatro provas objetivas (linguagens, matemática, ciências humanas e ciências da natureza) ou não alcançaram a média de 500 pontos na redação do exame. Esses são os parâmetros mínimos usados pelo MEC para conceder a certificação do ensino médio a estudantes por meio do Enem. 

Das 14.998 escolas com informações divulgadas pelo ministério nesta terça-feira (4), 3,4 mil escolas reprovaram em duas ou mais provas do exame nacional --sendo que 507 escolas "bombaram" em quatro dos cinco testes. Nenhuma instituição foi "reprovada" em todas as provas. 

O retrato é uma das faces da crise do ensino médio, segundo educadores entrevistados pelo UOL. O baixo desempenho dos estudantes brasileiros é percebido em diversas avaliações. No início de 2016, um estudo da OCDE apontou o Brasil como segundo país com pior nível de aprendizado entre alunos de 15 anos

Matemática e redação são piores notas

Os exames que mais reprovaram escolas são o de matemática --que reprovou 4.899 instituições-- e a redação --que desqualificou 3.045 escolas. 

"Nem o sarrafo do Enem, que já não é essas coisas, estamos conseguindo alcançar. Isso mostra que precisamos mudar o ensino médio em uma direção que motive o jovem a estudar e a aprender", afirma Mozart Neves Ramos, diretor do Instituto Ayrton Senna.  

No final de setembro, o Ministério da Educação enviou para o Congresso uma medida provisória com proposta de reformulação do ensino médio. A MP prevê, entre outras coisas, a redução de disciplinas nesta etapa do ensino e o aumento, paulatino, da carga horária. A proposta, contudo, não altera o ensino de matemática, português ou inglês, que seriam matérias obrigatórias para todos os alunos. 

"O mau desempenho é algo que vem acumulando desde o ensino fundamental, o problema não está apenas no ensino médio", analisa Antonio Augusto Gomes Batista, coordenador do Cenpec.

Para Batista, a reforma do ensino médio proposta não deve ter resultados no quadro geral. "O ensino integral, tal como está colocado, vai atender a uma população muito reduzida. Vai criar mais desigualdades dentro da rede. Seria melhor ampliar uma hora por dia a proporcionar escolas de 7 horas para poucos." 

 

Distribuição geográfica

Entre as escolas reprovadas nos testes, 7 em cada 10 têm alunos com nível socioeconômico de muito baixo a médio (3.905 instituições).

"O nível socioeconômico da escola é o principal preditor de sucesso na escola. A escola pode fazer diferença, mas em países em que a educação não tem políticas públicas adequadas, o resultado depende muito disso", explica Batista. Um aluno com acesso a livros em casa, a computador e com pais letrados tem chances maiores de ter bom rendimento escolar.

A maior parte das unidades são públicas (5.266), no entanto, destacam-se 376 escolas particulares cujos alunos do terceiro ano não conseguem alcançar a nota mínima para serem diplomados no ensino médio.

Dentre as reprovadas, 2.114 escolas ficam no Nordeste. O Sudeste tem 1.581 instituições. Outras 682 escolas ficam no Centro-Oeste. A região Sul e a Norte têm o menor número de escolas: 662 e 603, respectivamente.

O MEC divulga apenas as notas médias das escolas em que ao menos 50% dos alunos do terceiro ano do ensino médio fizeram o Enem 2015 e que somam 10 participantes ou mais. Em 2015, os estudantes de 25.777 escolas prestaram o Enem. No entanto, as notas de 14.998 instituições foram divulgadas. 

Segundo o Censo Escolar, há 2,2 milhões de alunos matriculados no terceiro ano do ensino médio no Brasil. 

Mais Vestibular