PUBLICIDADE
Topo

"Achei que ele estivesse seguro na escola", diz mãe de aluno morto no PR

"Fui buscar meu filho vivo, achei que ele estivesse seguro dentro da escola. Perdi meu maior companheiro", diz a confeiteira Alexandra - Janaina Garcia/UOL
"Fui buscar meu filho vivo, achei que ele estivesse seguro dentro da escola. Perdi meu maior companheiro", diz a confeiteira Alexandra Imagem: Janaina Garcia/UOL

Janaina Garcia

Do UOL, em Curitiba

26/10/2016 06h00

"Fui buscar meu filho vivo, achei que ele estivesse seguro dentro da escola. Perdi meu maior companheiro".

O desabafo é da confeiteira Alexandra Nunes da Rosa, 36, mãe do estudante Lucas Eduardo Araújo da Mota, 16. O adolescente foi morto nessa segunda (24) por um colega de 17 anos, supostamente durante uma briga dentro do colégio estadual Safel, em Santa Felicidade, na zona sul de Curitiba. A unidade é uma das 850 escolas estaduais ocupadas no Paraná em protesto contra a MP (Medida Provisória) 746, que reforma o ensino médio, e a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 241, que impõe um teto de gastos à União pelo prazo de 20 anos.

O velório de Lucas aconteceu nesta terça-feira (25) em Curitiba em local não divulgado pela família. O enterro foi programado para esta quarta em um município da região metropolitana de Curitiba onde está sepultado o pai do menino, morto quando ele tinha 4 anos.

No velório, familiares, colegas e amigos oscilaram entre a incredulidade e a revolta com as afirmações feitas na véspera pelas autoridades de segurança do governo do Estado de que Lucas e o adolescente que o golpeou com uma faca na região da jugular estariam, ambos, sob efeito de drogas. As informações da Secretaria de Segurança Pública do Paraná são de que eles teriam consumido a substância ilícita fora da escola e brigado dentro do prédio.

Apesar das declarações, apenas os exames toxicológicos feitos no agressor, detido logo após o crime, e no corpo de Lucas poderão confirmar se houve, de fato, consumo de drogas pela dupla.

"Meu filho era uma pessoa tranquila, calma, não se envolvia em brigas e não tinha envolvimento com drogas. Fizeram exame toxicológico nele e estou aguardando", afirmou Alexandra em entrevista ao UOL.

Receosa de mostrar o rosto em imagens e fotos, a confeiteira admitiu que o filho e o agressor eram colegas, mas não amigos. “Não posso chamar de ‘amigo’; amigo não ia fazer isso, tirar a vida. Eles eram conhecidos, saíam juntos, andavam, ele frequentava minha casa”, disse a mãe, que afirma ter ouvido, no IML (Instituto Médico Legal), que o outro adolescente estava "transtornado", sob efeito de narcóticos. "Tanto que, quando ele foi preso, me disseram que não conseguia nem falar, de tanto que havia consumido".

Alexandra não se mostrou contrária à ocupação do colégio, que foi encerrada logo após o crime; mesmo porque, reconheceu, havia dado uma autorização por escrito ao filho para que ele permanecesse lá. Mesmo assim, Lucas não chegou a pernoitar na escola como outros colegas da ocupação.

"Espero justiça. Não tinha nenhum responsável lá dentro, só os alunos, nenhum maior. Eu assinei uma autorização para ele ficar lá achando que tinha algum responsável", justificou. Indagada sobre o fato de a morte do filho ter servido de argumento para que o governador Beto Richa (PSDB) voltasse a pedir a desocupação das escolas, a confeiteira resumiu: "Não deveriam ter esperado acontecer uma tragédia dessas", encerrou.

O corpo do menino foi velado sob comoção de familiares, professores e estudantes - Janaina Garcia/UOL - Janaina Garcia/UOL
O corpo do menino foi velado sob comoção de familiares, professores e estudantes
Imagem: Janaina Garcia/UOL

Parentes veem "uso político" contra ocupações

Entre os familiares de Lucas presentes ao velório, não faltaram críticas ao que eles consideraram uso político da morte do menino em relação às ocupações, que têm crescido em todo o Estado há pelo menos 20 dias. No próximo domingo, os eleitores curitibanos vão às urnas escolher entre Ney Leprevost (PSD) e Rafael Greca (PMN) para a prefeitura –candidatos que têm se atacado durante a campanha, inclusive a respeito das ocupações.

"Achei uma falta de respeito citarem a morte do Lucas na campanha. Isso é usar a dor do outro para se promover”, reclamou Ana, 30, prima do estudante assassinado. "Curioso é que tem político falando do crime contra meu irmão, mas ninguém, nenhum deles, veio ouvir a família para saber o que estamos sentindo, muito menos para tentar saber qual a verdadeira história em relação a isso", completou Jéssica, 26, irmã do estudante por parte de pai.

"Falaram só que ele usava drogas, mas como pode um menino tomar ônibus de madrugada todo dia para percorrer duas horas de percurso e estar na escola de que ele sempre gostou? Fiquei louco quando ouvi isso”, disse o marido de Ana, William. Era com ele e com Ana que Lucas parecia conversar mais –o menino é invariavelmente descrito por colegas e professores como "quieto, bom aluno, reservado". "Ele não gostava de futebol, mas gostava de videogame, de dobradura, tanto que era quem ajudava a enfeitar a casa quando era Natal. O sonho dele era fazer aqueles joguinhos por aplicativos", diz William.

"Vai ser difícil entrar na escola de novo e passar pelo corredor em que ele ficou"

Colegas do estudante choraram abraçados do lado de fora do velório e na área destinada ao caixão. "Ele era quietinho, mas um amigão –tinha sempre um conselho quando a gente precisava", contou uma estudante de 14 anos, aluna do 9º ano do fundamental 2. Lucas estava no 2º ano do ensino médio. "Foi uma surpresa quando a gente ouviu que ele teria usado drogas, porque o Lucas gostava mesmo era de rock e de hardcore; a gente sempre trocava ideia sobre isso", falou um aluno de 17 anos, do 3º ano. "Vai ser difícil entrar na escola de novo e passar pelo corredor em que ele ficou. Não vai ser uma coisa boa isso", lamentou a estudante. "A gente nunca o viu usando nada –mas, mesmo que estivesse, nada justifica o que aconteceu", definiu uma estudante de 16 anos do colégio.

De manhã, a mãe do menino e uma amiga foram até a escola cobrar ajuda para o velório. Funcionários, professores e amigos organizaram uma vaquinha para dividir os custos –desde o caixão às roupas escolhidas pela mãe para vestir o filho, o local e o traslado do corpo até o cemitério, fora de Curitiba.

"Não veio ninguém aqui de poder público nos perguntar se precisávamos de algo, tanto que nos cotizamos para arcar com os R$ 3,8 mil do velório e do enterro. Para muitos, afinal, esse menino é só mais um número", disse, sob anonimato, um funcionário do colégio estadual. Sobre a ausência de adultos na ocupação, a resposta: “Sabe como é adolescente em ocupação? Eles não aceitam adulto, não tem o que fazer. Vez ou outra ia um funcionário cuidar da horta e de algumas coisas, mas era o limite do que era possível”, completou.

Uma professora do colégio, porém, mostrou à reportagem fotos da ocupação que ela mesma tirou com cartazes indicando a organização das tarefas por meio de comissões e os aulões dados por profissionais da educação externos à escola.