Enem

Ministro da Educação diz que vai cobrar "entidades" por adiamento do Enem

Do UOL, em São Paulo

  • Sérgio Bernardo/JC Imagem/Estadão Conteúdo

    O ministro da educação, Mendonça Filho

    O ministro da educação, Mendonça Filho

O ministro da educação, Mendonça Filho (DEM), afirmou nesta segunda-feira (7) que o governo vai apresentar ações de ressarcimento à AGU (Advocacia Geral da União) contra "entidades" que teriam fomentado as ocupações escolares e, com isso, causado o adiamento do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2016 a 271 mil estudantes pelo país.

O ministro se referiu aos gastos adicionais que o governo deve ter com a realização da nova rodada de provas, marcada para os próximos dias 3 e 4. As declarações foram dadas em entrevista ao "Jornal Hoje", da TV Globo. "O governo já identificou as entidades que atuaram de forma a incentivar as ocupações para inviabilizar o Enem", disse o ministro, na entrevista, sem entrar em detalhes.

"Apresentaremos à AGU os elementos que comprovam a atuação dessas entidades, e essa característica tem que ser demonstrada juridicamente. Temos a obrigação legal e moral de buscar e demonstrar essa caracterização --porque a atuação foi inclusive clara, do ponto de vista de manifestações públicas, em defesa desta tese de ocupar para inviabilizar inclusive as provas do Enem", afirmou o ministro.

O MEC deve divulgar nos próximos dias o custo com o adiamento de parte das provas –a grande maioria dos candidatos, mais de 8 milhões, fez o exame no último fim de semana. Os locais em que houve adiamento atingem principalmente os Estados de Minas e Paraná, onde está a maior parte das escolas e universidades ocupadas.

Argumento "político"

Não é a primeira vez que o ministro sugere que ações político-partidárias estariam por trás do movimento de ocupação nas escolas --que protesta contra a MP (Medida Provisória) 746, de reforma do ensino médio, e a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 241, que congela investimentos da Uniçao por 20 anos. Ao UOL, dias atrás, por exemplo, Mendonça Filho se disse convencido de que o movimento de ocupação de escolas por estudantes tem contornos partidários. "É evidente que setores ligados ao PT, ao PCdoB e ao PSOL estão instrumentalizando essa mobilização junto com os sindicatos", disse Mendonça Filh, para quem "politizar o Enem foi desrespeitoso com milhões de jovens.

Em resposta ao atual chefe da pasta, o ex, na gestão de Dilma Rousseff, Aloizio Mercadante, destacou que Mendonça Filho foi eleito deputado por um partido "que sempre foi contra o Enem e tudo que o exame representa como política pública e republicana de acesso ao ensino superior". O petista lembrou que a atual equipe do MEC já era crítica do modelo do Enem mesmo em audiências públicas na Câmara dos Deputados. "Está tudo registrado nos arquivos de legislativo", salientou.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos