PUBLICIDADE
Topo

Sem experiência e contra Lei da Palmada, olavista ganha cargo no MEC

Leandro Prazeres

Do UOL, em Brasília

03/04/2019 13h01Atualizada em 03/04/2019 23h13

Um filósofo sem formação em educação, ligado a Olavo de Carvalho e contra a Lei da Palmada foi nomeado para ocupar um cargo no Ministério da Educação. Fábio Salgado de Carvalho, 33, que até novembro do ano passado, estava desempregado e pedia doações em seu blog pessoal, foi nomeado hoje para o cargo de assessor técnico da Secretaria de Alfabetização do ministério.

A nomeação de Fábio foi publicada na edição de hoje do DOU (Diário Oficial da União). Com salário de R$ 5.685,55, ele vai trabalhar no órgão comandado por Carlos Nadalim, escolhido por Vélez para implementar mudanças nos programas de alfabetização utilizados no Brasil.

Como acadêmico, Fábio Salgado teve uma carreira oscilante.

Em 2005, iniciou o curso de física na UnB (Universidade de Brasília), mas não concluiu. Em 2008, começou outro curso, o de Matemática, mas também não o finalizou. Em 2012, concluiu a graduação em filosofia, também pela UnB.

Em 2015, concluiu o mestrado em Filosofia com a dissertação: "A antessala da argumentação: por uma abordagem negativa". Em sua dissertação disponível na internet não há nenhuma menção aos termos "educação", "alfabetização" ou "pedagogia".

Na plataforma Lattes, que reúne informações acadêmicas e profissionais, não há nenhuma menção a experiências prévias de Fábio Salgado em educação ou alfabetização.

Lei da Palmada, educação domiciliar e Paulo Freire "picareta"

Mesmo sem nenhuma formação acadêmica ou profissional em educação, Fábio Salgado demonstra interesse no assunto.

Em setembro do ano passado, Salgado usou seu blog pessoal para explicar os motivos que o levariam a votar no então candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL).

Entre os motivos elencados por ele estavam a posição favorável de Bolsonaro em relação à educação domiciliar e a promessa de que ele revogaria a Lei da Palmada. Nessa postagem, ele chama o educador Paulo Freire, referência mundial em alfabetização, de "picareta".

"Bolsonaro é favorável ao 'homeschooling (educação domiciliar) [...], o Bolsonaro, inclusive, já disse que pretende até revogar a lei da palmada, sancionada pela Dilma [Rousseff], que se pudesse, deixaria os nossos filhos nas escolas por 24 horas sofrendo verdadeiras lavagens cerebrais sob a égide do nosso 'patrono da educação' picareta Paulo Freire", escreveu.

A Lei da Palmada, aprovada em 2014, determina que crianças e adolescentes tenham o direito à educação sem castigos físicos ou tratamento cruel. Durante sua campanha, Bolsonaro disse que revogaria essa lei.

A nomeação de mais um discípulo de Olavo de Carvalho para um cargo no MEC é mais uma amostra da influência dele no governo.

Fábio classifica Olavo como o maior pensador vivo que conhece.

"Eu não afirmo que o professor Olavo de Carvalho é o maior filósofo vivo que eu conheço apenas porque ele conseguiu influenciar o cenário cultural brasileiro, mas porque ele é o único pensador vivo que conheço que tem contribuições em praticamente todos os campos da Filosofia em que você possa pensar", disse em uma postagem feita em um site mantido por alunos e simpatizantes de Olavo de Carvalho.

A admiração parece ser recíproca. Em setembro do ano passado, Olavo classificou Fábio como um dos seus melhores alunos e um dos que poderia dar prosseguimento em seu legado.

A influência de Olavo no governo, porém, vem causando ruídos. Ele é um crítico constante da atuação dos militares no governo de Bolsonaro. O MEC, um dos ministérios onde ele exerce maior influência, há uma disputa de poder entre grupos militares e técnicos e ideólogos alinhados a Olavo.

Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro nomeou um militar para ocupar a secretaria-executiva do ministério, o tenente-brigadeiro Ricardo Machado Vieira. O posto é considerado o "número 2" da hierarquia do MEC.

Há pouco mais de três meses no cargo, Vélez tem sido alvo de desgaste no governo.

Outro lado

O UOL enviou e-mails para Fábio Salgado com questões sobre sua atuação no MEC e telefonou para a Secretaria de Alfabetização do ministério para localizá-lo. A reportagem foi informada de que Fábio estava em uma reunião naquele momento e repassou seus contatos para que ele retornasse a ligação. Até a última atualização desta matéria, Fábio não havia entrado em contato.

A reportagem do UOL também enviou um e-mail à assessoria de imprensa do MEC com perguntas sobre a nomeação de Fábio Salgado e a influência de Olavo de Carvalho na escolha do seu nome. O recebimento do e-mail foi confirmado por telefone, mas até a última atualização desta matéria, nenhuma resposta havia sido enviada.

Bolsonaro admite desgaste de Velez Rodriguez no MEC

Band Notí­cias
Errata: o texto foi atualizado
O nome da UnB (Universidade de Brasília) foi grafado de forma errada na reportagem. O texto foi corrigido.