Topo

Unicef: 3,5 milhões de alunos reprovaram ou abandonaram estudos no Brasil

Filipe Redondo/Folhapress
Imagem: Filipe Redondo/Folhapress

Ana Carla Bermúdez

Do UOL, em São Paulo

31/10/2019 14h30

Resumo da notícia

  • 3,5 milhões de alunos reprovaram ou abandonaram estudos no Brasil em 2018
  • Número corresponde a cerca de 7% das matrículas na educação básica
  • Entre os reprovados (2,6 milhões), mais de 1,2 milhão eram pretos e pardos

Só em 2018, 3,5 milhões de alunos de escolas públicas municipais e estaduais no Brasil foram reprovados ou abandonaram os estudos —número que representa cerca de 7% das matrículas no país. É o que mostra um estudo divulgado hoje pela Unicef e pelo Instituto Claro, que tem como base os dados do Censo Escolar 2018.

No ano passado, foram registradas 48,5 milhões de matrículas na educação básica (educação infantil, ensino fundamental e médio) no Brasil.

Entre os reprovados (2,6 milhões), mais de 1,2 milhão eram pretos e pardos.

O estudo aponta, ainda, que 1 em cada 5 estudantes brasileiros de escolas públicas tem dois ou mais anos de atraso escolar —a chamada distorção idade-série. No ano passado, mais de 6,4 milhões de crianças e adolescentes estavam nessa situação.

"Os estudantes brasileiros ainda enfrentam uma cultura de fracasso escolar, que naturaliza a reprovação, levando a quadros de distorção idade-série e ao abandono escolar", afirma Ítalo Dutra, chefe de educação da Unicef no Brasil.

Junto ao relatório, as instituições lançam um curso online para auxiliar gestores e professores a enfrentar a reprovação e o abandono escolar.

A população indígena é a mais afetada pela distorção idade-série, que atinge 41% das crianças e adolescentes indígenas matriculados. Só no ano passado, mais de 15 mil estudantes indígenas abandonaram a escola.

O atraso escolar também afeta mais de 383 mil crianças e adolescentes com deficiência, o que corresponde a mais de 48,9% das matrículas. Quase 30 mil deixaram as escolas estaduais e municipais em 2018. A taxa de reprovação dos estudantes com deficiência é de 13,8%, enquanto que para o grupo sem deficiência a taxa é de 8,7%.

A etapa que mais reprova e mais perde alunos no país, segundo o relatório, é o ensino médio. No ano passado, mais de 460 mil estudantes abandonaram os estudos nesse nível, número que representa 7% do total de matriculados para essa etapa.

Educação