PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
5 meses

Faltas não justificadas de professores serão descontadas, diz governo de SP

"Em caso de eventuais faltas [de professores], o superior imediato irá analisar a justificativa apresentada", disse a Secretaria de Educação - Werther Santana/Estadão Conteúdo
'Em caso de eventuais faltas [de professores], o superior imediato irá analisar a justificativa apresentada', disse a Secretaria de Educação Imagem: Werther Santana/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

08/02/2021 12h04Atualizada em 08/02/2021 14h37

A Secretaria de Educação de São Paulo criticou hoje a deflagração de uma greve de professores contra a volta das aulas presenciais no estado e disse que "tomará as medidas judiciais cabíveis".

Em nota, a pasta reiterou que professores que se ausentarem do retorno sem uma justificativa adequada poderão sofrer descontos em seus salários.

"Em caso de eventuais faltas [de professores], o superior imediato irá analisar a justificativa apresentada, de acordo com a legislação. Faltas não justificadas pelos profissionais serão descontadas", declarou a pasta.

Subindo o tom contra a Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo), a secretaria disse que o sindicato se pauta "por uma agenda político-partidária completamente desvinculada do compromisso com o aprendizado dos alunos".

"O sindicato ainda esquece de contabilizar os riscos diversos atrelados ao atraso educacional e à saúde emocional e mental das milhares crianças e adolescentes", completou.

O secretário estadual de Educação, Rossieli Soares, afirmou que o movimento grevista não teve êxito. "Apesar da tentativa do sindicato de proibir educação, nitidamente o sindicato fracassou nessa missão, porque professores mostraram compromisso", disse em entrevista coletiva do governo de São Paulo, realizada na tarde de hoje.

Ele explicou que foi mantido a abertura de 35%, como determina a fase laranja, apesar de seis regiões do estado (incluindo a capital) estarem na fase amarela, o que permitiria abertura de 70% das escolas. "Passamos duas semanas fazendo planejamento, não daria pra ligar pra escolas e mudar todo planejamento", justificou.

A greve dos professores foi anunciada na última sexta-feira (5) pelo sindicato, que alegou que a medida visava "preservar vidas, tanto de professores quanto de estudantes, funcionários e familiares".

Antes de, por fim, retornarem hoje, a volta às aulas presenciais em SP foi parar no TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo). Primeiro, em 28 de janeiro, o retorno foi vetado em caráter liminar. Um dia depois, após o governo estadual recorrer, a decisão foi suspensa.

Sete escolas fechadas

Rossieli também confirmou a informação que sete escolas estaduais foram fechadas em virtude de casos confirmados ou suspeitos de funcionários infectados com covid-19. "Essas sete escolas, tem escola com um caso confirmado, então preventivamente estão sendo testadas. A gente sempre vai fazer orientação médica", disse o secretário, que afirmou que as aulas virtuais serão mantidas por essas escolas.

"Tem escola com dois casos confirmados e já fizeram testes em 16 professores que são negativo e outros 21 serão testados. Até sair o resultado, escolas estão funcionando remotamente", complementou.