PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

SP: Escola estadual reabre com salas vazias e duas horas de aula presencial

Sala com poucos alunos na Escola Estadual Eliza Raquel Macedo de Souza; governo autorizou o retorno presencial das escolas estaduais de São Paulo - Ana Paula Bimbati/UOL
Sala com poucos alunos na Escola Estadual Eliza Raquel Macedo de Souza; governo autorizou o retorno presencial das escolas estaduais de São Paulo Imagem: Ana Paula Bimbati/UOL

Ana Paula Bimbati

Do UOL, em São Paulo

12/04/2021 12h52Atualizada em 12/04/2021 19h38

Poucos alunos apareceram nas primeiras horas da aula presencial, hoje, na Escola Estadual Eliza Raquel Macedo de Souza, no Lajeado, zona leste da capital paulista. O secretário estadual de Educação, Rossieli Soares, esteve na escola para vacinar 40 profissionais.

O governo estadual autorizou na semana passada o retorno presencial das escolas estaduais de São Paulo, quando o estado passou da fase emergencial para a vermelha (com menos restrições). "A nossa pergunta não deve ser mais se devemos ou não voltar e, sim, o que a precisa fazer para dar mais segurança no retorno", disse Rossieli.

As escolas podem usar hoje e amanhã para organização e comunicação com os pais. No caso da escola Eliza Raquel, a direção disse que conseguiu comunicar os pais e fazer a organização para receber os alunos hoje. A escola dividiu os alunos em grupos por horário, o primeiro começa às 7h e o último às 19h. Na parte da manhã, o primeiro grupo teve apenas oito alunos e o segundo, dez. Cada turma deve ter duas horas de aulas presenciais.

Segundo o diretor Aldo Florentino, a comunidade tem muito interesse nas aulas presenciais. "Se abrir para 40, 50 ou 60%, eles virão. Eles preferem a aula presencial", disse. Na fase vermelha, as escolas têm um limite de atender 35% dos alunos. Algumas fazem rodízio de estudantes por dia da semana; outras, por horário.

O secretário defendeu a importância do retorno presencial e citou pesquisas que apontam que as escolas têm menor índice de contaminação do novo coronavírus.

A escola não deve ser culpada pela contaminação que acontece em casa, no mercado, no restaurante ou em outros ambientes.
Rossieli Soares, secretário estadual de Educação

Ele reformou que, nas atividades presenciais, é necessário dar prioridade para alunos:

  • com severa defasagem de aprendizagem;
  • com dificuldade de acesso à tecnologia;
  • com necessidades de alimentação escolar;
  • alunos cujos responsáveis trabalham em serviços essenciais;
  • estudantes com a saúde mental em risco.

As aulas na rede municipal da capital e da privada também retornaram hoje.

SP deve encerrar primeira fase de vacina nesta semana

Hoje foi o segundo dia de vacinação contra covid-19 nos profissionais de Educação. O governo estadual liberou 350 mil doses, que começaram a ser aplicadas no sábado (10). Nesta fase, os imunizantes são destinados para pessoas com mais de 47 anos.

"Em uma semana devemos encerrar e terei diversas reuniões com a secretaria de Saúde para discutirmos as próximas etapas, que obviamente está condicionada à chegada de novas vacinas", explicou Rossieli.