PUBLICIDADE
Topo

O que foi a Rebelião de Stonewall Inn, que deu origem ao Dia do Orgulho Gay

O Dia do Orgulho Gay comemora-se em 28 de junho, data de violenta abordagem policial no bar Stonewall Inn em 1969 - Ben Hider/Getty Images
O Dia do Orgulho Gay comemora-se em 28 de junho, data de violenta abordagem policial no bar Stonewall Inn em 1969 Imagem: Ben Hider/Getty Images

Murilo Matias

Colaboração para o UOL

28/06/2021 04h00

Até 1966, em Nova York, era proibido para gays se reunirem em locais públicos na cidade, sob o pretexto de que causariam desordem —fora do espaço público, as relações privadas entre pessoas do mesmo sexo eram criminalizadas na mesma época. Com a legislação como respaldo, era comum a violência de policiais contra membros da comunidade LGBTQIA+.

Mesmo com a revogação da lei, uma violenta abordagem policial no bar Stonewall Inn, um espaço que recebia o público LGBTQIA+, despertou a revolta das pessoas presentes, quando agentes tentaram prender 13 pessoas, em 28 de junho de 1969. O levante popular, há 52 anos, fez com que o efetivo tivesse de pedir reforço em virtude também do início de um incêndio no local.

Nos dias seguintes, uma série de mobilizações reuniu milhares de pessoas em diferentes pontos da cidade. Uma ano depois, em memória ao episódio, uma multidão marchou do bar até o Central Park, na que é considerada a primeira Parada Gay dos Estados Unidos, consagrando assim o Dia do Orgulho LGBTQIA+.

Desde 2016, durante o governo de Barack Obama, o local passou a ser monumento nacional em reconhecimento à importância na luta pelos direitos da comunidade.

Da rebelião para a luta política

Símbolo para os norte-americanos e referência para outros países, a repercussão do episódio incentivou a formação de coletivos, organizações e frentes de luta contra a discriminação. Celio Golin, militante pelos direitos humanos da população LGBTQIA+, lembra o início dessa trajetória, na década de 1990, e as conquistas consolidadas em anos seguintes no Brasil.

"Um momento marcante é a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) de reconhecer e equiparar as relações entre pessoas de mesmo sexo e as heterossexuais, conferindo status equivalente ao de família, em 2011", relembra.

Por outro lado, segundo o ativista, os últimos anos sob o governo Bolsonaro representam entraves para o avanço de políticas inclusivas. "Vivemos uma fase de total obscurantismo em relação aos direitos humanos e um retrocesso total nas pautas LGBTQIA+", afirma.

A representatividade e a ocupação de espaços políticos têm sido um desafio para membros da comunidade nas últimas décadas, sem falar nos inúmeros países onde continua havendo criminalização.

Ainda são raros os casos de gays, lésbicas, travestis e trans eleitas para cargos públicos, razão pela qual há uma defasagem na articulação e na promoção de programas que realmente levem em conta as necessidades e diversidades desse público.

O ex-deputado federal Jean Wyllys e o atual titular David Miranda, a deputada estadual por São Paulo Erika Malunguinho, todos do PSOL, e a vereadora de São Borja (RS) Lins Robalo são alguns dos nomes que conseguiram romper a heteronormatividade tradicional do poder.

Nessa lista também encontram-se a prefeita de Bogotá, capital da Colômbia, Cláudia López, e o congressista guatemalteco Aldo Dávila, o primeiro homem gay a estar no Parlamento do mais populoso país centro-americano.

Tenho 43 anos, vivo com HIV e sou ativista desde os 17 anos. Comecei como voluntário de diferentes organizações em prol dos direitos da pessoas de diversidade sexual, soropositivas e vulneráveis socialmente. Em 2012, fui membro da Comissão Interamericana de Direitos Humanos, oportunidade na qual denunciei o Estado por estigma e discriminação. Em virtude disso, a Organização dos Estados Americanos (OEA) recomendou a implementação de políticas públicas que nunca foram desenvolvidas em razão da homofobia, transfobia e lesbofobia dos dirigentes nacionais.
Aldo Dávila, parlamentar na Guatemala

Apesar da dificuldades e das ameaças —Aldo sofreu um atentado neste ano e há registro de assassinato de ativistas na região—, o parlamentar articula a construção de redes e novas plataformas para ampliação de visibilidade e direitos.

"No Fórum Social Mundial em 2015, estive na mesa de diversidade sexual na Tunísia, onde os homossexuais são criminalizados com a pena de morte. Fui porta-voz da causa na América Central e hoje a Guatemala conta com uma Defensoria para atender as diversidades sexuais a partir de nosso trabalho. Temos muito ainda a conquistar", diz.

Conheça alguns livros sobre o tema:

Reconhecimento dos Direitos Humanos LGBT. De Stonewall à ONU - Patrícia Gorisch - Divulgação/Amazon - Divulgação/Amazon
Reconhecimento dos Direitos Humanos LGBT. De Stonewall à ONU - Patrícia Gorisch
Imagem: Divulgação/Amazon

Reconhecimento dos Direitos Humanos LGBT. De Stonewall à ONU - Patrícia Gorisch

Preço: R$ 39,00*

A autora examina a Resolução do Conselho de Direitos Humanos da ONU (Organização das Nações Unidas), de junho de 2011, que, pela primeira vez na história, declarou que os direitos LGBT são direitos humanos.

No Brasil, no mesmo ano, o Supremo Tribunal Federal reconheceu a união homoafetiva como união estável, com os mesmos direitos e obrigações da união heteroafetiva. Há 52 anos, a luta da comunidade por direitos e reconhecimento era mundialmente visualizada a partir do episódio de Stonewall.

Devassos no Paraíso - A homossexualidade no Brasil, da colônia à atualidade - João Silvério Trevisan - Divulgação/Amazon - Divulgação/Amazon
Devassos no Paraíso - A Homossexualidade no Brasil, da Colônia à Atualidade - João Silvério Trevisan
Imagem: Divulgação/Amazon

Devassos no Paraíso - A Homossexualidade no Brasil, da Colônia à Atualidade - João Silvério Trevisan

Preço: R$ 47,93*

O autor estuda a homoafetividade no Brasil a partir de diversos campos de conhecimento e expressões de nossa cultura —cinema, teatro, política, história, medicina, psicologia, direito, literatura e artes plásticas. Referência bibliográfica para pesquisas sobre gênero e sexualidade a obra, em sua quarta edição, traz ainda atualizações sobre as lutas e conquistas dos direitos LGBT ocorridas no século 21.

Transfeminismo - Letícia Nascimento - Divulgação/Amazon - Divulgação/Amazon
Transfeminismo - Letícia Nascimento
Imagem: Divulgação/Amazon

Transfeminismo - Letícia Nascimento

Preço: R$ 24,90*

A autora aborda e explica conceitos de gênero, transgeneridade, mulheridade, feminilidade e feminismo a partir da escrita de uma mulher travesti negra. A obra incorpora diversos relatos de Letícia e situa o transfeminismo dentro dos demais feminismos, além de inspirar outras mulheres transexuais e travestis, dentro e fora do ambiente acadêmico.

História do movimento LGBT no Brasil - James N. Green , Marcio Caetano, Marisa Fernandes e Renan Quinalha - Divulgação/Amazon - Divulgação/Amazon
História do Movimento LGBT no Brasil - James N. Green, Marcio Caetano, Marisa Fernandes e Renan Quinalha
Imagem: Divulgação/Amazon

História do Movimento LGBT no Brasil - James N. Green, Marcio Caetano, Marisa Fernandes e Renan Quinalha

Preço: R$ 89,39*

O livro narra momentos especiais da história de quatro décadas de organizações da sociedade civil e movimentos sociais LGBT na luta por liberdades públicas, participação política, justiça econômica e reconhecimento de suas identidades no Brasil. A versatilidade de atuação, as perspectivas dentro dos coletivos, assim como a participação em eventos de relevância nacional, fazem parte dessa ampla reconstituição.

Políticas públicas LGBT e construção democrática no Brasil - Cleyton Feitosa - Divulgação/Amazon - Divulgação/Amazon
Políticas Públicas LGBT e Construção Democrática no Brasil - Cleyton Feitosa
Imagem: Divulgação/Amazon

Políticas Públicas LGBT e Construção Democrática no Brasil - Cleyton Feitosa

Preço: R$ 51,00*

O material apresenta o resultado de políticas públicas de direitos humanos voltadas para lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais analisadas a partir da experiência do Centro de Referência LGBT de Pernambuco. A obra proporciona reflexões em torno da cidadania, da democracia, da participação social e das lutas pela igualdade e justiça protagonizadas pelo Movimento LGBT brasileiro a partir dos diferentes relatos selecionados.

Tem saída? Perspectivas LGBTI+ sobre o Brasil - Taynah Ignacio e Andressa Mourão Duarte - Divulgação/Amazon - Divulgação/Amazon
Tem Saída? Perspectivas LGBTI+ sobre o Brasil - Taynah Ignacio e Andressa Mourão Duarte
Imagem: Divulgação/Amazon

Tem Saída? Perspectivas LGBTI+ sobre o Brasil - Taynah Ignacio e Andressa Mourão Duarte

Preço: R$ 40,00*

O livro reúne experiências, relatos, análises de gays, lésbicas, travestis, transexuais, bissexuais, intersexos e não binários e suas visões sobre o Brasil na perspectiva de um país onde a violência, a supressão e os sistemas de controle desses corpos sejam superados por novos futuros e perspectivas. O livro é também uma celebração aos 50 anos de Stonewall.

Stonewall 40 + o que no Brasil? Leandro Colling - Divulgação/Amazon - Divulgação/Amazon
Stonewall 40 + o que no Brasil? Leandro Colling
Imagem: Divulgação/Amazon

Stonewall 40 + o que no Brasil? - Leandro Colling

Preço: R$ 40*

Publicada pela Editora da Universidade Federal da Bahia, a obra reúne a transcrição de mesas-redondas e os artigos apresentados por autores que avaliam o movimento LGBT no Brasil, promovendo diálogo entre os estudos acadêmicos sobre o tema e a comunidade, além de abordar políticas públicas e identitárias desenvolvidas após a rebelião de Stonewall.

O Brasil Fora do Armário: Diversidade Sexual, Gênero e Lutas Sociais - Leonardo Nogueira Maysa Pereira e Rafael Toitio - Divulgação/Amazon - Divulgação/Amazon
O Brasil Fora do Armário: Diversidade Sexual, Gênero e Lutas Sociais - Leonardo Nogueira, Maysa Pereira e Rafael Toitio
Imagem: Divulgação/Amazon

O Brasil Fora do Armário: Diversidade Sexual, Gênero e Lutas Sociais - Leonardo Nogueira, Maysa Pereira e Rafael Toitio

Preço: R$ 20,00*

Os autores recuperam o conceito ao longo da história de sexualidade e gênero e os relacionam com a luta e trajetória de movimentos sociais e ativistas pela ampliação de marcos legais de reconhecimento e proteção social das mulheres e LGBT+, apontando ainda para suas demandas e projetos futuros na construção e efetivação da igualdade de direitos.

Ditadura e Homossexualidades: Repressão, Resistência e a Busca da Verdade - James N. Green e Renan Quinalha - Divulgação/Amazon - Divulgação/Amazon
Ditadura e Homossexualidades: Repressão, Resistência e a Busca da Verdade - James N. Green e Renan Quinalha
Imagem: Divulgação/Amazon

Ditadura e Homossexualidades: Repressão, Resistência e a Busca da Verdade - James N. Green e Renan Quinalha

Preço: R$ 37,10*

O título analisa as relações da ditadura brasileira (1964-1985) e os movimentos LGBTQIA+ à época. A violências dirigidas contra esses grupos, alvo das políticas de repressão e de controle foram respondidas com a resistência empreendida por esses segmentos sociais, atores fundamentais da redemocratização brasileira. É um importante documento histórico inclusive para a busca por reparo e justiça, visibilizando a atuação da comunidade durante o período.

Uma dica: costuma fazer compras online? Assinar o Amazon Prime pode ser uma boa alternativa. Com primeiro mês de teste gratuito e depois por apenas R$ 9,90, você tem entrega grátis e rápida para diversas compras em qualquer lugar do Brasil.

* Os preços e a lista foram checados no dia 25/6/201 para atualizar este texto. Pode ser que eles variem com o tempo.

O UOL pode receber uma parcela das vendas pelos links recomendados neste conteúdo. Preços e ofertas da loja não influenciam os critérios de escolha editorial.