Relator da reforma do ensino médio considera mudar Enem para um único dia

No texto do projeto da reforma do ensino médio, o deputado Mendonça Filho (União-PE) vai apresentar uma proposta para o novo modelo do Enem. Existe a possibilidade de o exame ser realizado num único dia.

O que vai acontecer

O Enem precisará mudar porque haverá uma remodelação na grade curricular do ensino médio. O projeto do novo modelo será relatado por Mendonça Filho.

O deputado afirmou que não bateu o martelo sobre o modelo que vai sugerir, mas está definido que vai apresentar uma alternativa para o Enem.

A ideia em que ele trabalha é haver uma prova para avaliar o aprendizado em português e matemática, as chamadas disciplinas tradicionais. Não foi revelado quantas questões o exame teria.

Em outra prova, seriam feitas perguntas sobre as disciplinas do ramo do conhecimento que o estudante escolheu se aprofundar.

Existem quatro opções:

Linguagens, Matemática e Ciências da Natureza;

Linguagens, Matemática e Ciências Humanas e Sociais;

Linguagens, Ciências Humanas e Sociais e Ciências da Natureza;

Continua após a publicidade

Matemática, Ciências Humanas e Sociais e Ciências da Natureza;

A proposta precisa ser aprovada na Câmara. A expectativa é que a versão final do projeto seja apresentada na próxima semana.

O Enem é a principal porta de entrada para o ensino superior e enfrenta uma diminuição no número de inscritos desde o governo Jair Bolsonaro (PL). A gestão Lula (PT) promete medidas para reverter a situação.

Tem um vazio muito grande para as escolas e para a orientação dos alunos sobre o que é que vai ser do Enem. Então, eu estou prevendo na lei, o que ele deve focar.
Mendonça Filho, relator do projeto de reforma do ensino médio

Mendonça Filho é relator do projeto do ensino médio e vai apresentar proposta para o novo Enem
Mendonça Filho é relator do projeto do ensino médio e vai apresentar proposta para o novo Enem Imagem: Alan Marques/Folhapress

Enem casado com faculdade

Pela proposta de Mendonça Filho, as perguntas também vão refletir o curso que o estudante quer fazer na faculdade —além de avaliar as matérias específicas que o aluno escolheu.

Continua após a publicidade

Se o estudante optar por engenharia, fará o Enem com mais questões de exatas. Caso a opção seja jornalismo, haverá mais perguntas de humanas. O modelo segue a diretriz do novo ensino médio de flexibilizar a educação de cada estudante.

A proposta foi apresentada para o MEC (Ministério da Educação) ontem. A reportagem procurou o ministério e aguarda um posicionamento.

De acordo com apuração do UOL, o MEC informou que vai avaliar a proposta e não apresentou uma alternativa.

Enem de Bolsonaro

O modelo de Enem oferecido agora é o mesmo que foi aprovado pelo MEC quando o presidente era Bolsonaro. A proposta foi acatada em 2021, mas nunca saiu do papel.

O texto foi elaborado pelo Conselho Nacional de Educação, que está apoiando o modelo mais uma vez.

Continua após a publicidade

Os estados também concordaram com a sugestão do novo Enem. Mendonça Filho se reuniu com representantes das Secretarias Estaduais de Educação ontem e recebeu apoio.

O novo Enem deveria estar em implementação. Mas o MEC, sob gestão Lula, suspendeu o processo.

Novo ensino médio

A mudança no Enem é consequência de alterações no ensino médio. Como o UOL antecipou, a proposta do MEC de Lula não deve prosperar na Câmara dos Deputados —a ideia era ter 2.400 aulas de disciplinas tradicionais.

Os parlamentares preveem 2.100 horas para português e matemática. Outras 900 horas serão de matérias optativas - a carga horária total de 3.000 horas estaria dividida na 1ª, 2ª e 3ª séries.

A medida seria uma forma de não inviabilizar os cursos técnicos. Estados como Paraná, dono dos melhores índices de educação do Brasil, apostaram neste modelo.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes