Mobilizações em SP 'racham' e causam revolta entre os estudantes

Em São Paulo

As ocupações surpresas feitas por um pequeno grupo de estudantes em protesto contra a falta de merenda nas Etecs (Escolas Técnicas Estaduais) de São Paulo causaram revolta entre os alunos que ficaram sem aula na segunda-feira, 2, e minaram a estratégia dos secundaristas de expandir o movimento como aconteceu no fim ao ano passado.

Na Escola Estadual Fernão Dias, de ensino fundamental e médio, a maioria dos alunos da manhã votou contra a continuidade da ocupação em assembleia feita no colégio, que fica em Pinheiros, zona oeste da capital. As aulas seriam retomadas nesta terça-feira, 3. A escola foi símbolo das ocupações do ano passado que atingiram 196 unidades contra a reorganização escolar anunciada pelo governo.

Os próprios jovens que invadiram a Fernão Dias na madrugada de sábado em solidariedade à ocupação do Centro Paula Souza feita na quinta-feira por causa da falta de merenda admitiram que a ação foi "precipitada" e que a maioria dos alunos da escola parecia ser contra a ocupação. A escola tem cerca de 1.600 alunos nos três períodos.

"Acho que a gente ocupou de forma precipitada. Mas por isso abrimos espaço para os alunos se manifestarem. Houve muito conflito verbal, quase agressão física, e eles (alunos contrários à ocupação) não quiseram ouvir a gente, saber o problema da escola. Votaram e foram embora", disse o estudante Marcelo Eduardo, de 16 anos, aluno do 2º ano do colégio.

Após a votação da manhã, a Secretaria Estadual da Educação divulgou que a escola havia sido desocupada. À tarde, porém, os estudantes ainda controlavam o portão principal da unidade, mas já haviam perdido domínio sobre as dependências do colégio.

"Ocuparam a nossa ocupação", disse um dos alunos inconformado com a presença de funcionários, professores e assessores da secretaria na escola desde às 7 horas. O promotor Antônio Ozório, que atua como assessor de Educação no Ministério Público Estadual (MPE), foi ao local e disse que professores e pais de alunos estavam revoltados com a ocupação. "É um movimento fora de hora."

Na noite de segunda-feira, os alunos fizeram nova assembleia para decidir o futuro da ação, mas a baixa presença de estudantes (cerca de 30) demonstrava a falta de apoio. "Eles forçaram essa ocupação e não deu certo. Amanhã (hoje) haverá aula normal", disse a supervisora de ensino do colégio, Maria Cecília Sarno.

Técnico

Na Escola Técnica de São Paulo (Etesp), que fica na Avenida Tiradentes, região central da capital, a ocupação feita na manhã de ontem por estudantes que estudam em período integral (sete horas) gerou críticas de alunos e professores dos cursos técnicos noturnos, com carga horária de apenas três horas.

"Concordo com a causa deles, mas não podem bloquear a nossa entrada à noite. Não faz sentido brigarmos por merenda se ficamos três horas aqui", disse Simone Santos, de 43 anos. Após a assembleia, alguns alunos tiveram aulas em outro prédio e a ocupação foi mantida no local. Ontem, foi o primeiro dia em que o Centro Paula Souza forneceu merenda seca para os alunos da unidade.

As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos