Enem

Reprovação de PL que dá R$ 1 bi ao MEC pode inviabilizar correção do Enem

Caso termine reprovado o projeto de lei que abre R$ 1 bilhão de créditos suplementares para gastos do Ministério da Educação (MEC), a divulgação dos resultados do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem), que será aplicado em menos de 20 dias, pode ficar comprometida. Parte dessa verba - R$ 400,9 milhões - é fundamental para cumprir débitos ainda pendentes da aplicação da prova, como a remuneração dos corretores da Redação. O projeto está na pauta desta terça-feira, 18, no Congresso Nacional.

"Depende de quantos alunos forem fazer a prova. Por exemplo, se todos comparecerem e não for aprovada a suplementação, fica inviabilizada a correção da prova", disse ao Estado uma fonte do MEC. Nesta edição, 9,2 milhões de candidatos se inscreveram - quase 800 mil a mais que em 2015.

Essa discussão tem passado despercebida frente à polêmica do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). O projeto prevê suplementação de R$ 702,4 milhões para atender despesas com a administração de contratos do programa, que financia os estudos de universitários matriculados em instituições privadas de ensino superior. Sugestão do presidente do Congresso, Renan Calheiros (PMDB-AL), chegou a ser considerada a edição de uma medida provisória para garantir os recursos.

"O orçamento previsto para o Enem neste ano estava abaixo do que ele realmente custou. Não era suficiente para pagar tudo", disse à reportagem a secretária-executiva do MEC, Maria Helena Guimarães de Castro. Pela Lei Orçamentária Anual, seriam destinados ao Enem 2016 aproximadamente R$ 460 milhões. O custo acabou estimado em R$ 788 milhões, segundo o próprio ministério.

Segundo ela, a gestão anterior, chefiada pelo ex-ministro Aloizio Mercadante, havia previsto um repasse de R$ 457 milhões a uma organização social que ficaria encarregada de aplicar o Enem no lugar do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). O petista afirma que a medida "daria mais autonomia administrativa e mais poder de decisão" à autarquia, "inclusive com a previsão de retenção de pagamentos em caso de não cumprimento das determinações do Inep na realização das provas". Ao assumir a pasta, porém, o ministro Mendonça Filho suspendeu as tratativas.

"Esse recurso não podia, por lei, ser transferido ao Inep. Realocamos outros recursos (R$ 57 milhões, por meio de portaria), mas vimos que ainda faltavam R$ 400 milhões para acabar de pagar as empresas contratadas para a aplicação da prova", diz Maria Helena. Segundo ela, alguns contratos são "parcelados", ou seja, paga-se uma parte do custo antes - cerca de 60% a 70% - e outra depois de realizado o exame.

Oficialmente, o Inep afirmou, em nota, que "todos os contratos para a plena execução do Enem, no que diz respeito à logística, distribuição, impressão, segurança, correção, etc. foram celebrados e se encontram em execução". O crédito solicitado no projeto de lei, segundo a autarquia, "não se trata de recurso novo, mas sim de ajuste orçamentário para garantir a correta execução contábil".

Sobre a possibilidade de a matéria não ser aprovada no Congresso, Maria Helena foi categórica: "Não levante esta hipótese. Os parlamentares têm colaborado com o governo e com o MEC, pois têm consciência clara de que este projeto de lei é absolutamente essencial. Estou confiante."

Há duas semanas, a sessão do Congresso convocada para votar o p

rojeto acabou suspensa por falta de quórum. Segundo fontes ligadas ao presidente Michel Temer, o Palácio do Planalto não está "gastando suas fichas" em negociar este tema com os parlamentares, já que a prioridade absoluta do governo é articular a aprovação da PEC do Teto em segundo turno. A medida provisória para garantir recursos ao Fies está praticamente descartada dos planos do presidente. (Colaborou Carla Araújo)

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos