Topo

Garantimos o funcionamento da rede de institutos federais, diz MEC

Foto: Acervo/JC Imagem
Ministério quer manter "pleno funcionamento da rede" Imagem: Foto: Acervo/JC Imagem

Isabela Palhares

18/10/2017 10h29Atualizada em 18/10/2017 10h30

O Ministério da Educação disse atuar para manter o orçamento previsto para os institutos federais - contingenciado em 15% para o custeio e 40% para investimentos - e manter o "pleno funcionamento da rede".

A pasta também afirmou que as unidades são "imprescindíveis" e "parceiros" na implementação do novo ensino médio, mas que a reforma será feita pelas redes estaduais.

"A expansão do ensino técnico profissionalizante ocorrerá por meio de parceria que as redes estaduais de ensino de educação básica farão", acrescentou o ministério, em nota.

Além da mudança na etapa de ensino, o Plano Nacional de Educação também prevê a expansão de vagas na educação profissionalizante, com a meta de alcançar 5,2 milhões de matrículas, sendo a metade na rede pública, até 2024. No ano passado, eram 1,7 milhões de estudantes na educação técnica em todo o País.

Estrutura

Romualdo Portela, professor da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP), diz que usar a estrutura dos institutos federais seria a melhor opção para expandir o ensino técnico. "É uma rede com uma capilaridade enorme, que chegou em regiões em que Estados não conseguem atuar. O mais sensato seria aproveitar a estrutura e a boa experiência já existente", defende.

"O governo (federal) coloca em risco um modelo que funciona. Enquanto isso, diz que vai criar outra linha de financiamento para a reforma do ensino médio. Não seria melhor ampliar o que já tem qualidade?", critica Celso de Carvalho, especialista em educação profissional pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

 

Mais Educação