Neocolonialismo e quadrinhos: O Fantasma: primeiro herói mascarado dos quadrinhos

Túlio Vilela

A tira diária do Fantasma estreou nos jornais norte-americanos em 17 de fevereiro de 1936. Tratava-se de mais uma criação do roteirista Lee Falk, o criador de Mandrake. Caso raro na história dos quadrinhos: Falk conseguiu criar dois personagens de grande sucesso, sendo que sua segunda criação, o Fantasma, conseguiu superar em popularidade sue personagem anterior, Mandrake.

O Fantasma não foi o primeiro herói dos quadrinhos a ter a maior parte de suas aventuras ambientadas na selva, mas em termos de originalidade superava antecessores como Jim das Selvas. A tira do Fantasma podia não ser tão bem desenhada quanto a de Tarzan ou de Jim das Selvas, mas a qualidade dos roteiros de Falk superava de longe o trabalho de seus contemporâneos. As primeiras tiras do Fantasma foram desenhadas pelo próprio Falk, antes que ele se dedicasse exclusivamente aos roteiros e passasse logo a tarefa para o desenhista Ray Moore (1905-1984), o primeiro de uma série de artistas a desenhar o herói (sem contar os inúmeros assistentes que trabalharam anonimamente nas tiras).

Colonialista ou anticolonialista?

Do ponto de vista político, o Fantasma é um herói bastante ambíguo. As tiras do herói já foram acusadas por seus críticos de reproduzirem o discurso neocolonialista. Afinal, o Fantasma era um homem branco, descendente de britânicos e que reinava sobre uma tribo de pigmeus. Seus antepassados se empenharam para lutar contra piratas chineses, mas nenhuma nação lucrou mais com a pirataria  no passado que a Grã-Bretanha. Por outro lado, algumas aventuras mostram o herói como um defensor da soberania dos povos africanos e asiáticos. O Fantasma é colonialista ou anti-colonialista? A julgar por várias de suas histórias, ele consegue ser ambos ao mesmo tempo. Talvez, essa ambiguidade seja um das características que tornam o Fantasma um personagem mais “humano”, pois com todo mero mortal, o herói também tem suas contradições.

Em parte, a ambiguidade política do Fantasma se deve ao fato do roteirista Lee Falk ter sido sensível às mudanças de opinião do público e às transformações políticas e sociais no decorrer das décadas. Inicialmente, nos primeiros anos da série, prevalecia o caráter neocolonialista e os estereótipos racistas em relação a africanos (quase sempre mostrados como selvagens, imaturos, ignorantes e supersticiosos) e asiáticos (mostrados quase sempre como sádicos e maquiavélicos, mesmo quando na forma de sensuais vilãs). Após o término da Segunda Guerra e com a desintegração dos impérios coloniais europeus na África e na Ásia, passou a prevalecer uma caracterização mais favorável dos povos africanos e asiáticos.

A origem do Fantasma

Apesar do nome, o Fantasma nada tem de sobrenatural.  O que diferencia o Fantasma da maioria dos heróis dos quadrinhos é que, apesar de sua força e astúcia, ele nada tem de invulnerável. Embora seja conhecido como o “espírito que anda” ou  o “homem que não morre”, ele nada tem de imortal: na verdade, trata-se de uma dinastia de justiceiros mascarados, quando um Fantasma morre, ele deve ser sucedido pelo seu filho.

Essa dinastia surgiu na época das Grandes Navegações, quando o sobrevivente de um ataque de piratas chineses a um navio inglês naufragou em Bengala e foi socorrido pela tribo dos pigmeus Bandar. Após encontrar na praia o corpo do pirata que assassinou seu pai, o náufrago britânico jura sobre a caveira do assassino do pai combater a “pirataria sob todas as formas”. Nesse mesmo juramento, o náufrago também diz que seus descendentes seguiriam seus passos.

O nome desse náufrago era Sir Christopher Standish, mas em versões posteriores da história, todos os Fantasmas passaram a ter o mesmo nome: Kit Walker. Essa história foi contada pelo 21º Fantasma à Diana Palmer, uma jovem da alta sociedade americana.  Cada Fantasma deve revelar essa história à mulher com quem pretende se casar e como os Fantasmas jamais são rejeitados, Diana aceitou se tornar noiva do misterioso mascarado. Aliás, Diana, com quem o Fantasma de fato se casou numa história publicada em 1978 (o noivado foi longo, ainda bem que os heróis dos quadrinhos envelhecem devagar) era a mulher ideal para se casar com o herói: diferentemente das “mocinhas” de outros quadrinhos, Diana além de bonita era inteligente, corajosa, conhecia defesa pessoal e estava sempre envolvida em causas humanitárias.

O Fantasma vive na África ou na Ásia?

A localização geográfica do país onde o Fantasma vive sempre intrigou muitos de seus leitores. Afinal, o Fantasma vive num país da África ou da Ásia? Inicialmente, Falk  ambientou as aventuras do Fantasma no golfo de Bengala, uma região da Índia, então sob domínio britânico. Na segunda aventura do Fantasma, Falk escreveu que o Fantasma vivia na “costa de Bengala” (Bengal no original em inglês), na Birmânia, então uma possessão britânica no sudeste asiático. Apesar da ambientação asiática, as aventuras apresentavam elementos que remetiam mais ao continente africano, tais como a tribo dos pigmeus Bandar, que protegem o esconderijo do Fantasma de quaisquer intrusos com suas zarabatanas envenenadas.

Na clássica história O fantasma vai à guerra, publicada durante a Segunda Guerra Mundial, o herói lidera um movimento de resistência contra a invasão japonesa em “Bengali” (repare na mudança de grafia). Esse fato reforça a localização geográfica do país do Fantasma em algum lugar da Ásia ou mesmo da Oceania, pois o expansionismo japonês ocorreu em territórios desses dois continentes. Segundo alguns estudiosos, Falk sempre foi ambíguo em relação à localização geográfica do país do Fantasma, que estaria situado em alguma região imaginária entre a África e a Ásia. Isso ajuda a explicar certas incoerências como animais selvagens que vivem apenas em um ou outro continente vivendo na mesma região.

A partir da década de 1960, Falk decidiu alterar a localização geográfica do país do Fantasma que desde então passou a ser identificado como um país africano. Numa história publicada em 1964, o endereço para correspondência do Fantasma aparece como:

Senhor Walker

Caixa postal 7, Morristown, Bengali, África...

Mais tarde, o país do Fantasma foi rebatizado de “Bangalla” (nas histórias publicadas no Brasil, aparece grafado como ‘Bangala”, com um “l” a menos). Na mesma época, Falk criou também um país vizinho para Bengalla:  Ivory-Lana, cujo nome foi certamente inspirado na Costa do Marfim pois ivory significa ‘marfim’ em inglês.

Outro detalhe importante da “africanização” das histórias do Fantasma foi o aumento do número de personagens negros relevantes, dentre os quais o próprio presidente de Bangala, o doutor Lamanda Luaga, ex-chefe de uma equipe médica da ONU, da qual Diana Palmer fazia parte. A Patrulha da Selva, fundada por um dos antepassados do atual Fantasma, nas primeiras histórias era mostrada como uma espécie de “polícia colonial” formada apenas por patrulheiros brancos.

Em histórias mais recentes, a Patrulha da Selva passou a ser formada em sua maioria por patrulheiros negros, que combatem contrabandistas e outros tipos de criminosos. Tais mudanças nas histórias do Fantasma refletem as mudanças no contexto geopolítico após os movimentos de independência dos paises africanos e asiáticos que ganharam força após o fim da Segunda Guerra Mundial.

Crítica aos ditadores

Nas histórias do Fantasma, já apareceram vilões de todas as etnias e de ambos os sexos. A maioria é formada por estrangeiros brancos que pretendem explorar ou enganar as tribos locais.  Entre os vilões asiáticos, os mais famosos foram os Singh, uma dinastia de piratas chineses. Entre os vilões negros, um dos mais recorrentes é o general Bababu, que apareceu pela primeira vez numa história publicada nos jornais em 1963. Nessa história Bababu, chega ao poder num golpe de Estado contra o governo democraticamente eleito de Luaga. É claro que o Fantasma consegue derrotar Bababu e devolver Luaga ao poder. Depois dessa história, o general Bababu retornnou várias vezes, sempre tentando tomar o poder em Bangala e em Ivory-Lana.

O general Babau é um personagem que reflete uma triste realidade de muitos paises africanos: a instabilidade política e econômica dos recém-independentes paises africanos favoreceu a eclosão de guerras civis e o surgimento de ditaduras. Daí, a semelhança em histórias publicadas nas décadas de 1970 e de 1980, entre o general Bababu e ditadores africanos da vida real como Idi Amin, que governou Uganda de 1971 a 1979, e Robert Mugabe, que governa o Zimbábue (antiga Rodésia) desde 1980. Em 1998, quando participava de um salão internacional de quadrinhos nas Astúrias, Falk, afirmou que uma das histórias em que aparecia o general Bababu foi censurada na Argentina durante a ditadura militar que vigorou nesse pais de 1976 a 1982. O motivo da censura foi a crítica que a história mencionada fazia aos regimes ditatoriais.

Em fins da década de 1970, as histórias do Fantasma passaram a abordar cada vez mais temas como ditaduras e desrespeito aos direitos humanos. A própria Diana havia se tornado uma funcionária da ONU e investigava governos acusados de praticar crimes contra os direitos humanos. Mais um exemplo de como Lee Falk era um roteirista "antenado" no que acontecia no momento: na mesma época, o presidente dos Estados Unidos era Jimmy Carter, do Partido Democrata, político conhecido pelo discurso em "defesa dos direitos humanos". 

Túlio Vilela formado em História pela USP, é professor da rede pública do Estado de São Paulo e um dos autores de Como Usar as Histórias em Quadrinhos na Sala de Aula (Editora Contexto).

Bibliografia

  • SHEPHERD, Jim & STUBBERSFIELD, Barry. The Phantom Encyclopedia. Frew Publications: Austrália, 2008, 2a edição, 1a edição 2007.
  • ROVIN, Jeff. The Encyclopedia of Superheroes. Nova York: Facts on File, 1985.
  • LUCCHETI, Marco Aurélio & ROSA, Franco de (org.). Fantasma: A biografia oficial do primeiro herói fantasiado dos quadrinhos. São Paulo: Opera Graphica Editora, 2009.
  • GOULART, Ron (ed.). The Encyclopedia of American Comics: From 1897 to the Present. Nova York: Facts on File, 1990.
  • CONROY, Mike. 500 Great Comic Book Action Heroes. Hauppauge, NY: Barron?s Educational Series, 2003.


Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos