Topo

Pesquisa escolar

História geral


Expansão marítima - Inglaterra, França e Holanda contestam Tordesilhas

Newton Nazaro

Quando as Coroas portuguesa e espanhola dividiram o mundo, em junho de 1494, através do Tratado de Tordesilhas, era de se esperar que os governos da Inglaterra, França e Holanda tivessem se recusado a reconhecer a partilha.

Mesmo tendo sido referendado pelo papa (espanhol) Alexandre 6º, o tratado não deixava terras para mais ninguém. A linha divisória do Tratado de Tordesilhas passaria a 370 léguas marítimas (aproximadamente 2.442 quilômetros) a oeste do arquipélago de Cabo Verde, na região mais ocidental da costa africana.

Nos livros, a linha de Tordesilhas geralmente é mostrada cortando apenas o território da América do Sul, quando, na verdade era um meridiano e circundava o globo terrestre passando pelos dois pólos. A leste, "todas as terras descobertas, ou por descobrir", pertenceriam a Portugal e, a oeste, o mesmo valia para a Espanha.

Inglaterra, França e Holanda rejeitam Tratado de Tordesilhas

Até 1456, ingleses e franceses travaram a Guerra dos Cem Anos (iniciada em 1337), que consumiu uma enorme quantidade de dinheiro e homens por mais de um século.

Ao final do conflito, a França, que suportou praticamente toda a guerra dentro de seu território, teve urgência na recomposição de sua agricultura e de suas finanças, o que levou algum tempo. Na Inglaterra, a disputa pelo trono levou à Guerra das Duas Rosas, um conflito interno que envolveu as famílias Lancaster (rosa vermelha no brasão) e York (rosa branca no brasão).

A paz só foi alcançada em 1485, com a coroação de um membro da família Tudor, Henrique 7º, que tinha laços de parentesco com as duas casas de nobres que vinham se digladiando até então.

Os Países Baixos também estiveram envolvidos numa série de disputas entre nobres e o rei. A região da Flandres, desde o século 12, se destacou por seu desenvolvimento manufatureiro e seu próspero comércio, tendo chegado a ser alvo da disputa entre a França e a Inglaterra na Guerra dos Cem Anos.

Em 1556, os Países Baixos caíram sob o domínio de Filipe 2º de Habsburgo, rei da Espanha, país cuja principal fonte de riqueza eram as minas de ouro e prata da América. Desdobramentos da Reforma Protestante e da Contra-Reforma, no século 16, os conflitos entre católicos e protestantes contribuíram para a demora na busca da expansão das rotas comerciais flamengas para fora da Europa.

Novas rotas para o Oriente

Sem ter como competir, num primeiro momento, com os países ibéricos nas rotas meridionais que contornavam a África e a América, os navegadores dos demais países, ao longo do século 16, buscaram caminhos para o Oriente pelo hemisfério norte.

O francês Cartier (1536), a serviço do rei Francisco 1º, e os ingleses Davis e Hudson (1576/1578) já haviam tentado encontrar uma ligação entre o Atlântico e o Pacífico através da América do Norte, mas foi William Baffin quem concluiu, em sua expedição, entre 1615 e 1616 que, por ali, "não havia passagem, nem esperança de passagem".

Pelo nordeste da Europa, Sir Richard Chancellor chegou a Arcangel, na Rússia, em 1553. Em 1584, expedições inglesas e holandesas (os dois grandes rivais da Espanha, naquele momento) concluíram ser impossível transpor a barreira de gelo do arquipélago russo de Nova Zembla em busca de uma passagem para o sul, que pudesse cortar ou contornar toda a Ásia e levá-los ao Índico e às especiarias de sua costa.

Companhia das Índias

Os holandeses, através de sua Companhia das Índias Orientais, fundada em 1602, resolveram desafiar o já decadente poderio português e passaram a frequentar a rota das Índias através do contorno da África. Em seu rastro, vieram, a partir de 1532, também os franceses e os ingleses.

Daí por diante, a febre das descobertas foi seguida pelo início da colonização de territórios. Os franceses se estabeleceram ao longo do rio São Lourenço, no Canadá, desde aproximadamente 1608, e expandiram sua área de atuação comercial, ao longo do rio Mississipi, até o golfo do México, onde fundaram a colônia da Louisiana, em 1682. A Companhia da Baía de Massachussets foi responsável pelo primeiro foco de colonização inglesa na América do Norte, em 1629.

Pirataria, corsários e invasões

A grande dificuldade em se encontrar caminhos marítimos distantes dos controlados pelos portugueses e espanhóis levou os reis da França e da Inglaterra a se associarem a piratas que atacavam embarcações ibéricas na rota do Atlântico.

Protegidos pelos reis de seus países, esses salteadores dos mares passaram a ser conhecidos por corsários. Em troca da proteção oficial, parte do que pilhavam era dividida com a própria Coroa. Deve-se à absorção desses salteadores pela política de Estado a incorporação de ilhas antilhanas à Inglaterra e à França.

Agraciados com patentes militares e títulos de nobreza, ex-corsários foram incumbidos de dar início ao processo de colonização e plantio de cana, nos séculos 16 e 17, nas ilhas que haviam sido tomadas de nativos e, até então, foram usadas como refúgios.

Já a presença holandesa na região se deve aos investimentos de duas empresas privadas que funcionavam como sociedades anônimas, a Companhia das Índias Orientais (VOC) e a Companhia das Índias Ocidentais (WIC).

Nova York e Recife

Na América do Sul, a Guiana Holandesa (atual Suriname) foi oficializada pelo Tratado de Breda, de 1667, com a Inglaterra. Na América do Norte, uma fortificação holandesa datada de 1625, passou para o controle da mesma Companhia das Índias Ocidentais que, cinco anos mais tarde, invadiu Pernambuco. A fortificação flamenga deu origem à atual cidade de Nova York, batizada originalmente com o nome de Nova Amsterdã.

Newton Nazaro é graduado em História pela PUC-SP, professor do Curso Intergraus, em São Paulo, e co-autor da coleção "Panoramas da História", a ser lançada pela Editora Positivo.

Mais História geral