Topo

Educação

Pesquisa escolar


Sapo com medo d'água - Maldade versus astúcia

No tempo em que os animais falavam, certo homem, vendo que o sapo cantava sobre uma pedra, agarrou-o e o levou para os filhos, a fim de que se divertissem. Depois de obrigarem o sapo a cantar várias músicas, as crianças começaram a maltratar o bicho. No fim, já cansadas de fazê-lo sofrer, decidiram matá-lo.

– Vamos amassar a cabeça do sapo com um pau! – gritavam.

E o sapo respondia: – Minha cabeça é dura como ferro!

– Vamos rasgar o sapo com faca!

E o sapo: – Me corpo é fechado pela proteção de São Jorge e nada me mata!

– Vamos esmagar o sapo com uma pedra!

– Isso só serve pra me fazer cócegas!

– Vamos jogar o sapo na lagoa! – concluíram os meninos.

E o sapo, que era muito esperto, começou a chorar e a implorar: – Pelo amor de Deus! Na lagoa não! Me queimem vivo, mas na lagoa não! Se me jogarem na lagoa eu morro rapidinho!

As crianças, mais do que depressa, pegaram o sapo, correram pra lagoa e, felizes pela maldade, jogaram o sapo n’água. O sapo deu um belo mergulho, voltou à tona e, rindo das crianças, gritou: – Seu bobos! Eu sou bicho d’água! Eu sou bicho d’água!

É por esse motivo que, quando os antigos viam alguém recusar algo de que gostasse muito, diziam: – Esse é sapo com medo d’água...

Mais Pesquisa escolar