Português

Pré-Modernismo: Conheça os precursores da Semana de Arte Moderna

Da Página 3 Pedagogia & Comunicação

(Atualizado em 16/12/2013, às 10h51)

A expressão Pré-Modernismo foi elaborada pelo crítico literário Tristão de Ataíde (pseudônimo de Alceu Amoroso Lima) para dar nome ao período literário brasileiro que vai do início do século 20 à Semana de Arte Moderna.

Como todas as periodizações, essa também, por ser arbitrária, pretende reunir, no espaço de duas décadas, os autores que, pela forma e/ou conteúdo de seus textos anteciparam-se às mudanças que seriam propostas pelos modernistas.

No mesmo período, contudo, existiam outras correntes literárias no país, sendo que ainda exerciam notável influência os parnasianos Olavo Bilac, Alberto de Oliveira, Raimundo Correia e Francisca Júlia. Dessa forma, os primeiros anos do século 20 conhecerão outros poetas, mais jovens, que também defendiam o rigor formal e a teoria da arte pela arte, como Amadeu Amaral e Martins Fontes, entre outros.

Ainda nesse período de duas décadas encontramos alguns sucessores dos simbolistas Cruz e Souza e Alphonsus de Guimaraens, como Emiliano Perneta e Pedro Kilkerry, além de vozes poéticas que poderiam ser classificadas como independentes. Nesse último grupo merecem atenção Raul de Leoni e Augusto dos Anjos, "dois valores artísticos", segundo Alfredo Bosi, "que transcendem as características literárias da época, tendo, por isso, resistido à demolição modernista".

No que se refere à prosa, Coelho Neto e Afrânio Peixoto ainda escreviam, mas seguindo antigas escolas literárias, como a parnasiana ou a realista.

Ficcionistas precursores de 22

Ao mesmo, no entanto, começam a surgir ficcionistas que manifestam visível tendência nacionalista - ou, melhor dizendo, regionalista - e que são os primeiros e verdadeiros pré-modernistas:

  • Simões Lopes Neto (1865-1916) - gaúcho, é a principal figura do regionalismo rio-grandense, com Contos gauchescos (1912) e Lendas do Sul (1913).
  • Afonso Arinos (1868-1916) - mineiro, seu principal livro é a coletânea de contos Pelo sertão (1898).
  • Valdomiro Silveira (1873-1941) - seus contos retratam o caboclo do interior paulista. Disputa com Afonso Arinos o título de introdutor do regionalismo na literatura brasileira. Publicou sua obra em jornais e revistas, de maneira que grande parte dela encontra-se inédita em livro. Teve apenas quatro livros editados, dentre eles: Mixuangos (1937) e Lereias (1945).
  • Monteiro Lobato (1882-1948) - três livros de contos (Urupês, 1918, Cidades mortas, 1919, e Negrinha, 1920) centralizam sua narrativa em parte regionalista, cuja visão pessimista do interior de São Paulo se concentra no caipira ignorante, o famoso Jeca Tatu.
  • Graça Aranha, cujo romance Canaã (1912) é sua melhor produção, ainda que irregular; e
  • Lima Barreto, que se notabilizará por retratar os dramas humildes, as tragédias da baixa classe média e dos pequenos funcionários públicos, tendo como cenário os subúrbios cariocas. Sua obra principal é O triste fim de Policarpo Quaresma (1915).

Ensaísmo com raízes nacionais

Mas há um terceiro grupo de escritores que foi crucial para introduzir no país uma visão cultural moderna. Ele é formado por ensaístas, cronistas e críticos que se voltaram às questões internas do país, em diferentes aspectos, tentando encontrar soluções que não fossem meras cópias das experiências europeias. São eles:

  • Euclides da Cunha - seu Os sertões (1902) é obra dramática, realmente portentosa, verdadeiro libelo social. Em suas coletâneas de ensaios, Euclides revela-se um pensador liberal, democrático e progressista.
  • Alberto Torres - pensador da área jurídica, juiz do Supremo Tribunal, propôs uma reforma política que limitasse os poderes do presidencialismo. Foi um reformista preocupado com a realidade social do país. Merece atenção a sua obra O problema nacional brasileiro (1914).
  • Oliveira Viana - foi o primeiro estudioso a aplicar à história brasileira cânones sociológicos. Compôs estudos notáveis sobre a formação da etnia brasileira. Seu Populações meridionais do Brasil (1920) é obra clássica no gênero.
  • Monteiro Lobato - nacionalista polêmico, renovador da indústria editorial brasileira, fundador da nossa literatura infantil, seu nome está ligado a grandes campanhas nacionais, na quais batalhou pela saúde pública e pela exploração das reservas ferríferas e petrolíferas em solo nacional.
  • João Ribeiro - filólogo de grande cultura (clássica e moderna), formulou, pela primeira vez na linguística brasileira, o conceito de "língua nacional".
  • Farias Brito - filósofo de linha espiritualista, sofreu influência de Spinoza. Coloca ênfase na moralidade como "função prática" de toda filosofia e base de todo direito.
  • Antônio dos Santos Torres - colaborou ativamente na imprensa carioca. Polemista, grande prosador, perseguia nos fatos cotidianos as contradições e fragilidades da sociedade. Antilusitano sistemático.
  • Carlos de Laet - polemista de intensa colaboração na imprensa. Monarquista e católico fervoroso. Combateu o protestantismo e a república. Em uma de suas famosas polêmicas, manteve acesa discussão com Camilo Castelo Branco a propósito do "dialeto brasileiro".
  • Jackson de Figueiredo - convertido ao catolicismo em 1919, torna-se polemista na imprensa, além de fundar a revista A Ordem (1921) e o Centro Dom Vital (1922). Humanista, é dos grandes prosadores brasileiros do início do século 20.
  • Nestor Vítor - editor, poeta, ficcionista e ensaísta, também escreveu literatura de viagens e produziu crítica literária. Estudioso do Simbolismo brasileiro, preparou as obras completas de Cruz e Souza.


É nesse complexo quadro de relações culturais que surgirá, em 1922, o Modernismo brasileiro.

Clique e conheça a história da literatura no Brasil e em Portugal

Bibliografia

  • O Pré-Modernismo, Alfredo Bosi, Editora Cultrix, 5ª edição, s/d.
  • História da Literatura Brasileira, Luciana Stegagno-Picchio, Editora Nova Aguilar, 1997.
  • A literatura brasileira, 2 v., José Aderaldo Castello, Edusp, 1999.
  • Pequeno Dicionário de Literatura Brasileira, org. de José Paulo Paes e Massaud Moisés, Editora Cultrix, 1967.

UOL Cursos Online

Todos os cursos