PUBLICIDADE
Topo

Pelo menos 13,58 milhões estão com aulas suspensas por causa da gripe suína

Da Redação*<br>Em São Paulo

30/07/2009 19h22

Atualizada às 20h11

Até esta quinta-feira (30), pelo menos 13,58 milhões de alunos tiveram a volta às aulas adiadas no segundo semestre, como medida de prevenir o contágio pela gripe suína (influenza A H1N1).

No último levantamento feito pelo UOL Educação na noite de ontem, o número de alunos que ficariam em casa totalizava 11,8 milhões. Veja a lista atualizada de redes e instituições que adiaram o início das aulas

O grupo educacional Unip-Objetivo divulgou no final da tarde desta quinta-feira (30) que irá adiar o início das aulas como forma de reduzir a possibilidade de transmissão da gripe suína (influenza A H1N1). Cada uma das etapas de ensino tem seu próprio calendário. Segundo a assessoria de imprensa, a medida alcança todos os alunos de ensino superior (180 mil).

Quem está sem aulas
(30/07/2009)
Grupo Unip-Objetivo180 mil
UFPR*21.400
PR - rede estadual1,4 milhão
UFPR*21.400
UTFPR18 mil
UEL*12.600
Unicentro (PR)8.300
Unicid12 mil
Unoeste (SP)12 mil
Unitau (SP)*11.600
Unifei (MG)*2.100
USTJ (SP)18 mil
Univ. São Francisco (SP)12.341
Centro Univ. Mauá (SP)4.000
Medicina do ABC (SP)1.100
Rede municipal de Santo André (SP)30.352
*Fonte: Censo da Educação Superior 2007
Na tarde de hoje, o governador Roberto Requião anunciou a suspensão temporária das aulas em toda a rede estadual de ensino, como medida de prevenção à gripe A (H1N1). O Estado já registrou quatro mortes atribuídas à gripe, segundo o levantamento mais recente.

Cerca de 1,4 milhão de alunos das escolas paranaenses de ensino fundamental e médio e 90 mil estudantes de faculdades e universidades mantidas pelo Estado vão ficar sem aula até 10 de agosto.

Saiba tudo sobre a gripe suína

A sua escola ou faculdade está sem aulas? Deixe seu comentário

Você concorda com o adiamento das aulas como medida preventiva contra a gripe suína?

Em nota oficial, o governo afirmou que "o Paraná tem resistido aos apelos de suspender as aulas por considerar a medida inócua", uma vez que "o vírus não tem preferência por qualquer ambiente". Porém, diz a nota, os pais dos alunos estão apreensivos. "Por isso, mesmo considerando a medida pouco eficaz, tomamos a decisão de suspender as aulas na rede pública estadual de ensino fundamental, médio e universitário".

A UFPR (Universidade Federal do Paraná) também acatou a recomendação e suspendeu as atividades até 10 de agosto. Por isso, o período de inscrições para o vestibular 2010 da UFPR - que iria de 16 de agosto a 14 de setembro - também será alterado. A instituição reúne cerca de 21.400 estudantes, segundo o Censo da Educação Superior de 2007.

Em Curitiba, as secretarias municipais de Educação e da Saúde decidiram adiar para o dia 10 de agosto o retorno das aulas de escolas municipais, que começariam no dia 4. As creches também terão suas atividades suspensas até a data. A medida atinge cerca de 110 mil alunos de 175 escolas municipais e 30 mil crianças de 168 creches.

Professoras grávidas no Rio

Após anunciar o adiamento do início das aulas do segundo semestre para o dia 10 de agosto, a Educação municipal do Rio de Janeiro decidiu que as professoras grávidas só voltarão ao trabalho no dia 10 de agosto. Seus colegas retomam as atividades no próximo dia 5, mas as grávidas não.

Mulheres grávidas que são contaminadas com o vírus da gripe suína - a chamada gripe A (H1N1)- têm risco maior de desenvolver sintomas graves e de morrer, sugere estudo realizado por pesquisadores do CDC (Centro de Prevenção e Controle de Doenças) dos EUA e publicado na revista "Lancet".

Segundo a secretaria, os 711 mil alunos do ensino fundamental (1° ao 9° ano) voltarão às aulas no dia 10 de agosto, enquanto que as 30 mil crianças matriculadas nas creches municipais terão as aulas adiadas por duas semanas, retornando no dia 17 de agosto. No próximo dia 6, haverá uma nova reunião para reavaliar a situação.

A onda de prorrogação de férias começou na sexta-feira (24), quando a rede de educação do DF (Distrito Federal) decidiu dispensar os estudantes para capacitar os professores para lidarem com a doença.

Um dia depois de o governo e a Prefeitura de São Paulo anunciarem o adiamento da volta às aulas para tentar reduzir a transmissão da gripe suína, muitas escolas particulares de São Paulo decidiram seguir a medida. Os colégios admitem, porém, que a mudança pode prejudicar a preparação dos alunos para vestibulares e o Enem.

A reportagem da Folha de S. Paulo consultou 50 colégios ontem e 38 deles afirmaram que adiarão a volta às aulas (alguns para o dia 10 e outros, para o dia 17) --posição defendida pelo sindicato da categoria. Seis manterão o calendário, e seis ainda não decidiram.

*Com informações da Agência de Notícias do Estado do Paraná, UOL Notícias, UOL Educação e Folha de S. Paulo