PUBLICIDADE
Topo

Professores da UFMG também entram em greve; paralisação já atinge 50 universidades federais

Do UOL*, em São Paulo

19/06/2012 10h56

Os docentes da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) entraram em greve por tempo indeterminado a partir desta terça-feira (19). A paralisação faz parte do movimento nacional que já dura mais de um mês. A principal reivindicação dos professores da instituição é a reestruturação da carreira com recomposição salarial. A paralisação foi votada em assembleia no último dia 12. Hoje, uma nova reunião discute os rumos do movimento.

A greve dos professores de universidades federais completou um mês neste domingo (17). Pelo menos 55 instituições são afetadas pela paralisação, sendo 50 universidades federais e cinco institutos. A principal reivindicação dos docentes é a revisão do plano de carreira. Em acordo firmado no ano passado, o governo prometeu um reajuste de 4%, a incorporação de parte das gratificações e a revisão do plano para 2013. Os dois primeiros pontos já foram atendidos, mas não houve avanço na revisão da carreira. Uma nova rodada de negociação estava marcada para hoje, mas foi adiada pelo Ministério do Planejamento.

A greve nacional é organizada pelo Andes-SN (Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior). Entidades ligadas ao Proifes-Federação (Federação de Sindicatos de Professores de Instituições Federais de Ensino Superior) também começaram a paralisar as atividades. O Apubh (Sindicato dos Professores de Universidades Federais de Belo Horizonte e Montes Claros) não é filiado a nenhuma das duas entidades.

Em plebiscito realizado na última semana, os docentes da UFSCar (Universidade Federal de São Carlos), em São Paulo, votaram a favor da greve, a partir do dia 15 de junho. Foram 283 votos a favor, 280 votos contra e 19 abstenções - os campi de Sorocaba e Araras tiveram mais votos favoráveis à greve, enquanto em São Carlos a maioria dos docentes votou conta a paralisação.

Segundo comunicado da ADUFSCar (Associação dos Docentes da Universidade Federal de São Carlos), a posição deliberada é pela deflagração da greve, mas a entidade diz que, tendo em vista o histórico da votação, "será preciso que todos tenham tranquilidade para lidar com as contradições que porventura surjam, procurando sempre resolvê-las através do diálogo".

Saiba quais instituições aderiram à greve

Norte
Ufac (Universidade Federal do Acre)
UFRR (Universidade Federal de Roraima)
Unir (Universidade Federal de Rondônia)
UFPA (Universidade Federal do Pará), campi Central e Marabá
Ufra (Universidade Federal Rural da Amazônia)
Ufopa (Universidade Federal do Oeste do Pará)
Ufam (Universidade Federal do Amazonas)
Unifap (Universidade Federal do Amapá)
UFT (Universidade Federal do Tocantins)
Nordeste
UFC (Universidade Federal do Ceará)
Unilab (Universidade Federal da Integração Luso-Afro-Brasileira)
UFPE (Universidade Federal de Pernambuco)
Univasf (Universidade Federal do Vale do São Francisco)
UFRPE (Universidade Federal Rural de Pernambuco)
UFPI (Universidade Federal do Piauí)
Ufersa (Universidade Federal Rural do Semi-Árido)
UFPB (Universidade Federal da Paraíba)
UFCG (Universidade Federal de Campina Grande), campi central, Patos e Cajazeiras
IFPB (Instituto Federal da Paraíba) - campus João Pessoa
UFMA (Universidade Federal do Maranhão)
Ufal (Universidade Federal de Alagoas)
UFS (Universidade Federal de Sergipe)
IFPI (Instituto Federal do Piauí)
UFRB (Universidade Federal do Recôncavo Baiano)
Centro-Oeste
UnB (Universidade de Brasília)
UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados)
UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso), campi Central e Rondonópolis
UFG (Universidade Federal de Goiás), campi Catalão, Jataí, Goiânia e Cidade de Goiás
Sudeste
UFSCar (Universidade Federal de São Carlos)
UFABC (Universidade Federal do ABC)
Unifesp (Universidade Federal de São Paulo)
UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais)
UFJF (Universidade Federal de Juiz de Fora)
Unifal (Universidade Federal de Alfenas)
IF Sudeste de Minas (Instituto Federal do Sudeste de Minas)
UFTM (Universidade Federal do Triângulo Mineiro)
UFU (Universidade Federal de Uberlândia)
UFV (Universidade Federal de Viçosa)
Ufla (Universidade Federal de Lavras)
Ufop (Universidade Federal de Ouro Preto)
UFSJ (Universidade Federal de São João del Rei)
UFVJM (Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri)
Cefet-MG (Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais)
UFRRJ (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro)
Unirio (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro)
UFF (Universidade Federal Fluminense)
UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro)
Cefet-RJ (Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio de Janeiro)
Ufes (Universidade Federal do Espírito Santo)
Sul
Unipampa (Universidade Federal do Pampa)
Unila (Universidade Federal da Integração Latino-Americana)
UFPR (Universidade Federal do Paraná)
UTFPR (Universidade Tecnológica Federal do Paraná)
Furg (Universidade Federal do Rio Grande)
UFSM (Universidade Federal de Santa Maria)
  • Fonte: Andes-SN e sindicatos

Servidores também entram em greve

Os servidores técnico-administrativos das universidades federais começaram a entrar em greve na última segunda-feira (11). O movimento nacional é coordenado pela Fasubra (Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores Técnico-administrativos das Universidades Brasileiras).

Segundo a Fasubra, os 37 sindicatos ligados à entidade decidiram pela paralisação, que pode afetar todas as 59 universidades federais. Porém, a adesão ao movimento seria decidida hoje em assembleias locais.

Entre as reivindicações específicas da categoria estão o reajuste salarial, a racionalização dos cargos e a isonomia salarial e de benefícios entre os três poderes. Na pauta geral, a categoria pede o fim da terceirização, o investimento de 10% do PIB (Produto Interno Bruto) em educação e a implantação da jornada de trabalho de 30h sem redução de salário.

(Com informações da Agência Brasil)