PUBLICIDADE
Topo

Fecha o MEC, diz Pondé sobre proposta de Bolsonaro para curso de filosofia

O filósofo Luiz Felipe Pondé - Arquivo pessoal
O filósofo Luiz Felipe Pondé Imagem: Arquivo pessoal

Ana Carla Bermúdez

Do UOL, em São Paulo

26/04/2019 18h02Atualizada em 29/04/2019 16h56

A proposta de descentralizar o investimento em faculdades de filosofia e sociologia, anunciada hoje pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) e pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub, não condiz com a realidade brasileira --e não passa de uma "modinha" liberal. A avaliação é do filósofo Luiz Felipe Pondé, autor de "Guia Politicamente Incorreto da Filosofia".

"Deveria fechar o MEC [Ministério da Educação], não as faculdades de filosofia e sociologia", afirmou Pondé em entrevista ao UOL. "Acho que o MEC só atrapalha, e aí está mais uma prova disso."

Para Pondé, o Brasil não pode se inspirar no exemplo do Japão, citado pelo ministro Weintraub. Isso porque, segundo ele, além de o Brasil ser um país "pobre em letras e reflexão", sua elite econômica é "mesquinha" e não investe em pesquisa nas universidades, deixando a responsabilidade integralmente nas mãos do estado.

Formado em filosofia pela USP (Universidade de São Paulo), Pondé diz não ter "uma queixa sequer" da graduação e dos seus professores. "Foi um excelente curso", diz o escritor, que hoje dá aulas na FAAP (Fundação Armando Álvares Penteado), além de ser diretor do laboratório de política, comportamento e mídia da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo).

"O respeito ao dinheiro do contribuinte seria muito maior --porque, afinal de contas, o gasto com cursos de humanas é quase irrisório, são cursos extremamente baratos-- se a gente conseguisse, por exemplo, diminuir as jogadas de grana para aprovar emendas do governo", diz Pondé, em referência às negociações do Executivo para a aprovação da reforma da Previdência.

Veja, abaixo, os principais trechos da entrevista.

Qual a sua avaliação, como filósofo, sobre a proposta defendida pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub, e pelo presidente Jair Bolsonaro de "descentralizar" o investimento em faculdades de filosofia e sociologia?

Eu acho que, primeiro, deveria fechar o MEC, não as faculdades de filosofia e sociologia. Porque o MEC só atrapalha, porque centraliza decisões como essa. Troca burocrata de plantão, ele vem com uma ideia nova. Acho que, no geral, o MEC gera uma nomenclatura que vive graças à burocracia, à visitação de escolas. Todo mundo que trabalha em universidade sabe disso. Acho que o MEC só atrapalha --e aí está mais uma prova disso.

Eu sei que, inclusive, o ministro citou o caso do Japão, que "desinvestiu" os cursos de humanas. E que, portanto, a obrigação do estado seria dar formação técnica e não investir em cursos de humanas. Eu concordo que o estado deve investir em educação básica, deve investir em curso técnico. Infelizmente, no Brasil, os empresários e o setor privado não acreditam em investir dinheiro em pesquisa. A elite econômica brasileira é bastante mesquinha. Ela é gananciosa, mesquinha, e raramente investe em alguma coisa que não seja seu lucro imediato, diferente de outras, como a americana, ou mesmo alemã e israelense.

Então, sobra para o estado ser o único investidor em pesquisa na universidade. Todo mundo sabe que o estado não sustenta pesquisa no mundo inteiro, que precisa de parceria com o mercado. Aqui não acontece. Por que eu estou dizendo isso? Acho que o problema é complexo. Não é simplesmente dizer que não existe nenhuma validade na ideia de que o estado precisa alocar melhor seus recursos. Acho que essa ideia não é absurda.

Agora, uma vez que você tem universidade pública e as universidades públicas ainda são as principais a investir em cursos que não dão retorno, me parece, dado o fato que o país é pobre em letras, em reflexão, em ideias, está errado se comparar com o Japão, está errado "desinvestir" cursos de humanas porque antes de tudo eles não dão lucro em geral. É função do estado oferecer uma educação e uma formação para pessoas em cursos que não dão lucro imediatamente.

O que eu penso é que o ideal seria que no Brasil tivessem universidades, mesmo que públicas, que tivessem parceria com o mercado. (...) Retirar o investimento dos cursos de humanas inspirado no Japão me parece um absurdo, porque o Brasil é um país pobre, sem cultura, sem tradição de reflexão e sem tradição de ideias. Acho que é uma espécie de modinha, uma espécie, assim, de ser um "liberalzinho" de bolso, que saca uma ideia como essa.

Uma proposta como essa, na sua opinião, respeita o dinheiro do contribuinte, como defenderam Bolsonaro e Weintraub?

O respeito ao dinheiro do contribuinte seria muito maior --porque, afinal de contas, o gasto com cursos de humanas é quase irrisório, são cursos extremamente baratos-- se a gente conseguisse, por exemplo, diminuir as jogadas de grana para aprovar emendas do governo, se ele conseguisse diminuir gastos e luxos dentro do Congresso. E isso só para falar desse âmbito da máquina do estado. Seria muito mais respeitar o dinheiro do contribuinte se eles demitissem 90% de todo mundo que trabalha em Brasília. E fechasse o MEC, por exemplo. Humanas não gasta o dinheiro do contribuinte, quase nada.

Mas de que maneira a educação continuaria sem um ministério da Educação?

Em muitos países você não tem ministério da educação, basta você colocar a educação sob tutela por exemplo dos estados ou das prefeituras. O problema é que o MEC é burocrático, centralizado, lento, ideologizado seja para que lado for, porque não interessa. E cada vez que entra um novo vem com alguma novidade? Um queria o hino nacional, agora esse "liberalzinho" quer acabar com a filosofia e a sociologia. Não precisa de uma burocracia gigantesca em Brasília para fazer educação.

Por que o senhor cursou filosofia na USP? O que achou do curso?

Eu cursei filosofia na USP porque, depois da faculdade de medicina, resolvi ser filósofo [Pondé chegou a estudar medicina, mas não concluiu a graduação]. Prestei PUC [Pontifícia Universidade Católica] e USP em filosofia, passei e fiquei na USP porque era de graça, e porque era um excelente curso. Tinha professores superimportantes. Fui aluno de Marilena Chauí, Paulo Arantes, Ricardo Terra, Bento Prado Júnior. (...) Foi um excelente curso. Não tenho uma queixa sequer do curso, nem dos professores.