PUBLICIDADE
Topo

11 estados já reabriram escolas ou têm previsão de retomar aula presencial

Levantamento realizado pelo UOL mostra que 11 redes estaduais já retornaram ou têm previsão de volta às aulas presenciais - Getty Images
Levantamento realizado pelo UOL mostra que 11 redes estaduais já retornaram ou têm previsão de volta às aulas presenciais Imagem: Getty Images

Ana Carla Bermúdez

Do UOL, em São Paulo

12/10/2020 04h00

Quase sete meses após o fechamento das escolas devido à pandemia do novo coronavírus, em março deste ano, apenas 11 redes de ensino públicas estaduais já retomaram as atividades presenciais ou têm uma previsão para a volta às salas de aula ainda em 2020. O levantamento foi realizado pelo UOL junto às secretarias estaduais de educação.

Os dados foram obtidos entre os dias 6 e 9 de outubro. No Amazonas, em Pernambuco e em São Paulo, já houve retorno de pelo menos parte dos alunos para as escolas das redes públicas estaduais. Outros oito estados planejam a retomada para o mês de outubro: Espírito Santo, Minas Gerais, Pará, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Os demais 15 estados e o Distrito Federal continuam sem previsão para a volta das atividades presenciais nas redes estaduais em 2020.

Em alguns dos estados, as decisões valem também para as escolas particulares. Em outros, fica a cargo de cada município definir se há condições para a reabertura dos colégios privados.

No gráfico abaixo, é possível verificar a situação nas diferentes localidades. Para o levantamento da situação de reabertura das escolas particulares pelos estados do país, o UOL utilizou dados disponibilizados pela Fenep (Federação Nacional de Escolas Particulares).

Em São Paulo, as escolas foram abertas, em princípio, apenas para atividades extracurriculares, de acolhimento e reforço. Nos demais estados, os alunos já voltaram a ter aulas letivas.

Tanto na rede particular como nas redes públicas de todos os estados, o retorno deve acontecer de forma gradual e obedecendo a uma série de critérios sanitários: entre eles, o estabelecimento de turmas menores, mantendo o distanciamento social, e a obrigatoriedade do uso de máscara por alunos, funcionários e professores.

Brigas na Justiça

O estado em que a reabertura das escolas aconteceu há mais tempo é o Amazonas, onde a rede privada foi autorizada a retomar as atividades presenciais no mês de julho. Já na rede pública estadual, os alunos do ensino médio retornaram às salas de aula em agosto.

A retomada foi marcada por controvérsias e brigas na Justiça. Em um mês de aulas presenciais, 5,4% dos funcionários de escolas de Manaus foram infectados pela covid-19.

Até o momento, apenas escolas públicas localizadas na capital do estado retomaram as atividades, que acontecem de forma híbrida —ou seja, ainda há aulas online. A Secretaria de Educação do Amazonas informou que ainda estuda a volta das atividades presenciais no interior do estado e que uma data deve ser anunciada "em breve".

Em Pernambuco, alunos do ensino médio da rede estadual voltaram às salas de aula no dia 6 de outubro. A retomada das atividades na rede privada estava programada para a mesma data, mas acabou parando na Justiça por causa de uma liminar concedida ao Sinpro-PE (Sindicato dos Professores de Pernambuco), contrário à reabertura.

O governo de Pernambuco recorreu e a Justiça do Trabalho atendeu ao pedido do estado, no último dia 9, derrubando a liminar anterior e permitindo a retomada das atividades presenciais na rede particular.

No Rio, volta terá foco no preparo para o Enem

O estado do Rio de Janeiro anunciou na sexta-feira (9) que irá retomar as atividades presenciais nas escolas da rede pública estadual em 19 de outubro. A volta, no entanto, acontecerá somente para as turmas do 3º ano do ensino médio —tanto da modalidade regular como do EJA (Educação de Jovens e Adultos).

A reabertura, segundo o governador em exercício, Cláudio Castro, terá foco na preparação desses alunos para o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). "A educação irá voltar. Isso é uma decisão política. Não pode voltar shopping, voltar cinema e não voltar educação. Vamos fazer um grande laboratório para voltar de maneira segura", afirmou Castro.

Em nota, a Secretaria de Educação do Rio informou que os colégios localizados em municípios que não autorizaram a flexibilização das regras do isolamento social ou estiverem na classificação laranja de contágio deverão continuar com atividades exclusivamente remotas.

Decisões a cargo dos prefeitos

No estado de São Paulo, o governador João Doria (PSDB) adiou a retomada das aulas curriculares para 7 de outubro, mas autorizou a abertura das escolas públicas e particulares a partir de 8 de setembro para a realização de atividades extracurriculares.

A reabertura das escolas em cada cidade, no entanto, fica a cargo dos prefeitos. Na capital paulista, por exemplo, o prefeito Bruno Covas (PSDB) decidiu não autorizar a abertura de nenhuma escola no mês de setembro. Os colégios públicos e particulares só puderam voltar a abrir as portas em outubro e para o oferecimento de atividades não curriculares.

Na rede pública municipal da capital, a adesão à abertura em outubro foi baixíssima: apenas um CEI (Centro de Educação Infantil), conveniado com a prefeitura, decidiu voltar a receber os alunos. Ainda não há data definida para o retorno das atividades letivas na capital paulista, mas a previsão é de que isso aconteça em 3 de novembro.

Em 8 estados, públicas e particulares permanecem fechadas

Nos estados de Goiás, Rondônia, Roraima, Sergipe, Acre, Bahia, Alagoas e Amapá, não há previsão de retomada das atividades presenciais tanto para as escolas públicas estaduais como para as escolas da rede privada.

Segundo a Secretaria de Educação de Goiás, o retorno das aulas presenciais na rede estadual está condicionado à análise de dois indicadores: queda sustentada de 15% no registro de óbitos, mantendo essa tendência de redução por no mínimo quatro semanas consecutivas; e manutenção de uma taxa de ocupação hospitalar em UTI (Unidade de Terapia Intensiva) inferior ou igual a 75% pelo mesmo período de tempo.

Em Rondônia, um decreto do governo estadual determina que as atividades presenciais nas redes estadual, municipal e privada devem permanecer suspensas até o dia 3 de novembro. Ainda não há, no entanto, uma previsão de retomada após essa data.