Topo

Uerj adia início do ano letivo pela 4ª vez por falta de repasses estaduais

Jose Lucena/Futurapress/Estadão Conteúdo
No fim de janeiro, professores e alunos protestaram em frente à universidade por conta da crise Imagem: Jose Lucena/Futurapress/Estadão Conteúdo

No Rio de Janeiro

03/02/2017 07h55

A Reitoria da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) anunciou hoje novo adiamento do início do ano letivo, em função da falta de condições de funcionamento da universidade. Em grave crise financeira, desde o ano passado, o Estado não tem repassado dinheiro à instituição. Agora, as aulas estão previstas para começar em 13 de fevereiro.

Foi o quarto adiamento deste ano. Inicialmente as aulas deveriam começar em 17 de janeiro, mas foram adiadas para 23 de janeiro, 30 do mesmo mês, 6 de fevereiro e agora para o dia 13.

A decisão foi divulgada em nota assinada pela reitora em exercício, Maria Georgina Muniz Washington, por sub-reitores e diretores de centros setoriais, após reunião da qual participaram 43 responsáveis pela administração da universidade.

"Tendo em vista o agravamento do estado crítico no qual se encontra a UERJ, com o aprofundamento do quadro descrito nas notas anteriormente emitidas, se vê, mais uma vez, obrigada a tomar a decisão de transferir o início das aulas para a data de 13 de fevereiro de 2017, sem prejuízo das demais atividades acadêmico-administrativas previstas no Calendário Acadêmico".

A nota informa também que acontecerá uma nova reunião com o Fórum de Diretores na próxima sexta-feira, 10, para uma reavaliação da situação geral.

"Muito embora a Comunidade Acadêmica, de um modo geral, venha expressando com vigor o desejo de retorno às aulas, reafirmamos que o senso de responsabilidade que continua a nortear as decisões até aqui tomadas pelos signatários é o que impede, até o presente momento, a retomada das aulas, tendo em vista o compromisso do cumprimento integral da missão desta Universidade perante a comunidade universitária e a população do Estado do Rio de Janeiro", conclui o texto.

Devido a uma greve realizada em 2016, as aulas deste semestre vão corresponder ao segundo semestre de 2016. A antecipação do início das aulas foi prevista justamente para tentar compensar o semestre atrasado. (Fábio Grellet)

Mais Educação