Estudante brasileiro tem mesmos subsídios no ensino superior que os franceses

  • AFP PHOTO / ALEXANDER KLEIN

    Vista geral da Torre Eiffel, em Paris

Brasileiros (e outros estrangeiros) que se matriculam nas universidades francesas pagam a mesma taxa de matrícula que um estudante francês e, como eles, têm seu curso subsidiado pelo Estado francês.

A maioria das instituições é pública e o governo do país mantém as taxas de inscrição entre as mais baixas do mundo.

Além do subsídio, os brasileiros podem ter acesso a bolsas de estudo para os mais variados tipos de curso, do bacharelado ao pós-doutorado. Para saber quais são as oportunidades abertas, basta consultar a página do Campus France, agência do governo francês de promoção do ensino superior.

Para o ingressar na graduação francesa, o estudante brasileiro precisa ter nível intermediário de francês e a aprovação no vestibular de uma instituição de ensino superior reconhecida pelo MEC (Ministério da Educação) na mesma área de estudos que pretende cursar na França. Quem tiver concluído o ensino superior pode se candidatar a uma pós-graduação no país.

O sistema de ensino francês

O ensino superior na França tem dois sistemas paralelos. Depois de concluir o ensino médio, o estudante pode escolher ingressar em uma universidade ou em uma "Grande École".

Nas universidades são oferecidos cursos mais teóricos, com duração de três anos. Seu método de ensino é mais tradicional e o acesso, livre.

As "Grandes Écoles" são voltadas para a prática profissional. São conhecidas por submeterem os candidatos a um rigoroso processo de admissão e por fazer política de relacionamento e transferência de tecnologia com as empresas.

Seus cursos têm, em média, dois anos de aulas intensivas de conhecimento básico. Depois, há uma nova sequência de provas para que o estudante, finalmente, comece a cursar as disciplinas específicas da carreira escolhida. A nota do aluno nesses testes determinará a escola que poderá estudar por mais três anos até a formatura.

O país abriga importantes instituiçõesde ensino superior, como Sorbonne, Instituto de Estudos Políticos de Lyon, Bordeaux, Chambéry, Grenoble Universités, Aix-Marseille e Toulouse.

Cursos de idiomas em Paris saem por 2.200 euros mensais

Se a ideia for fazer um curso rápido de francês para aprimorar o idioma, é bom saber que os preços são mais altos do que os de cursos de inglês ou espanhol.

Uma temporada de quatro semanas em Paris, com 20 aulas semanais, acomodação em casa de família, quarto individual, meia pensão, taxa de matrícula e taxa de localização, sai por cerca de 2.200 euros*, 700 euros* a mais do que um curso de inglês na Irlanda e 400 euros* mais caro do que um curso de italiano em Roma ou Milão.

Esse valor sobe se o curso for mais sofisticado. "Francês com Aulas de Culinária”, em Nice: com duração de duas semanas, 20 aulas por semana de francês e oito aulas de gastronomia, estadia em casa de família com meia-pensão, sai por 1.358 euros*.

*Clique para converter o valor em real (R$)



Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos