Topo

Universitários reagem na internet contra cortes e acusação de "balbúrdia"

Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
Imagem: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

Ana Carla Bermúdez

Do UOL, em São Paulo

10/05/2019 18h13

Estudantes de graduação, mestrandos e doutorandos foram às redes sociais para protestar contra os bloqueios impostos pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) para a área da educação.

Usando a hashtag #MinhaPesquisaMinhaBalbúrdia, os alunos estão descrevendo seus projetos de pesquisa. Os relatos são de trabalhos que vão desde o estudo de células tumorais em pacientes com sarcomas até a classificação de moluscos de água doce em fase larval.

A hashtag #MinhaPesquisaMinhaBalbúrdia é uma resposta a uma afirmação do ministro da Educação, Abraham Weintraub. Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, Weintraub afirmou que iria cortar a verba de universidades que não apresentassem o desempenho acadêmico esperado e estivessem promovendo "balbúrdia".

Os estudantes também protestam contra o congelamento de bolsas ociosas da Capes, agência de fomento ligada ao MEC (Ministério da Educação) que oferece bolsas de pós-graduação.

Educação