Topo

Ministro diz que corte em universidades equivale a 3,5 bombons em 100

Bruno Aragaki e Luciana Quierati

Do UOL, em São Paulo

09/05/2019 20h16Atualizada em 10/05/2019 14h26

Hoje, ao lado do presidente Jair Bolsonaro (PSL), o ministro da Educação, Abraham Weintraub, usou bombons para explicar o congelamento do orçamento das universidades públicas do país, anunciado pelo próprio ministro no fim de abril.

Inicialmente, o ministro havia dito ao jornal o Estado de S.Paulo que cortaria recursos de universidades que não tiverem bom desempenho acadêmico e promoverem balbúrdia. Depois, a pasta afirmou que o corte se estenderia a todas as universidades.

Weintraub levou 4 caixas com 25 chocolates cada para representar o orçamento das universidades brasileiras. E disse:

"A gente está pedindo simplesmente que, 3 chocolatinhos, desses 100 chocolates, 3 chocolatinhos e meio... Deixa eu só cortar aqui, presidente. 3 chocolatinhos e meio. Esses 3 chocolatinhos e meio a gente não está falando para a pessoa que vai cortar. Não está cortado. Deixa para comer depois de setembro. É só isso que a gente tá pedindo. Isso é segurar um pouco".

Ministro leva bombons para a transmissão semanal do presidente Bolsonaro - Reprodução
Ministro leva bombons para a transmissão semanal do presidente Bolsonaro
Imagem: Reprodução
Após a publicação deste texto, a assessoria do MEC enviou nota ao UOL explicando o raciocínio:

  • Inicialmente, a pasta falou em congelamento de 30% da verba das universidades. Esse valor se refere ao orçamento que pode ser congelado ou cortado - verbas chamadas "não discricionárias", usadas, por exemplo, para gastos com água e luz. Essas despesas são 13,8% do orçamento total das universidades - e é 30% desse valor que está bloqueado.
  • Gastos com pagamento de salários de funcionários são "obrigatórios" e não há margem de bloqueio sobre eles.Não são alterados.
  • O valor bloqueado, portanto, equivale a 3,4% do orçamento total das universidades neste ano - que totaliza R$ 49,6 bilhões.

A pasta discorda também do uso do termo "corte" em relação ao orçamento das universidades. Fala em "contingenciamento".

Elogio a pesquisas

Em meio ao anúncio de cortes, Bolsonaro dedicou a maior parte de sua transmissão semanal para destacar pesquisas e citou o nome de diversas universidades, incluindo a UFC, Mackenzie e Instituto de Pesquisa Militar.

Destacou a pesquisa sobre o uso da pele de tilápia para o tratamento de queimados, desenvolvida pelo médico pernambucano Marcelo Borges, que poderá ser incorporada pelo SUS no tratamento de pacientes. O estudo é financiado com dinheiro privado.

O presidente também voltou a falar do grafeno. Disse ter tido contato com pesquisador brasileiro que se especializou em separar grafeno de grafite e que será um salto se o país conseguir a patente da separação do material. "O grafeno é uma realidade", disse.

Ministro disse que 30% eram 'contingenciamento', não corte

UOL Notícias
Errata: o texto foi atualizado
Após a publicação da reportagem, o MEC respondeu ao pedido do UOL e afirmou que o ministro não errou ao afirmar que o bloqueio orçamentário equivalia a 3,5 chocolates em 100, já que o congelamento corresponde a 3,4% do orçamento total das universidades - incluindo salários. O bloqueio de 30% anunciado no início do mês se refere ao orçamento das verbas chamadas "não discricionárias".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Educação