Topo

MEC diz que universidades empenharam 28% do orçamento disponível até agora

Divulgação/TCM-SP
Vogel diz que universidades podem cortar até 70% das verbas Imagem: Divulgação/TCM-SP

Ana Carla Bermúdez

Do UOL, em Brasília

2019-05-16T12:07:20

16/05/2019 12h07

O secretário-executivo do MEC (Ministério da Educação), Antônio Paulo Vogel, disse hoje que universidades e institutos federais empenharam 28,9% da verba disponível para recursos discricionários (que envolvem despesas como luz e água, mas não com salários) até o momento. Empenho é o compromisso do governo com determinado pagamento.

O secretário afirmou que o número está dentro do esperado - - segundo ele, as universidades podem empenhar 40% até junho. "Isso é normal. Acontece todos os anos", disse.

"Das universidades e institutos, eles chegaram, na média, a 28,9% [dos recursos discricionários]. Eles podem ir até 70%", afirmou, em referência ao bloqueio de verbas imposto pelo MEC. O empenho das verbas significa que os valores estão reservados, mas não são oficialmente gastos. O ministro da Educação, Abraham Weintraub, explicou na última semana que a liberação da verba no segundo semestre dependerá da aprovação da reforma da Previdência e da melhora da situação econômica no país.

O secretário falou com jornalistas após uma reunião do ministério com a Andifes, associação dos reitores das universidades federais. As instituições dizem temer que, com o bloqueio, o funcionamento no segundo semestre possa ficar em xeque.

"Nós reconhecemos o problema das universidades e entendemos, mas o problema não é só deles", disse o secretário.

Reinaldo Centoducatte, presidente da Andifes, explicou que o ministro da Educação, Abraham Weintraub, ouviu as reivindicações dos reitores, mas manteve a indicação de que o bloqueio é necessário devido à situação fiscal do país.

Manifestações pela educação reúnem avôs, universitários e estreantes

UOL Notícias

Mais Educação