PUBLICIDADE
Topo

Weintraub é convocado para explicar "plantações de maconha em federais"

Folhapress
Imagem: Folhapress

Do UOL, em São Paulo

04/12/2019 14h48

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, foi convocado pela Comissão de Educação da Câmara para dar explicações sobre a fala, em novembro, de que universidades federais "têm plantações extensivas de maconha".

A convocação foi feita por PSOL, PT e Podemos. Os partidos apresentaram cinco requerimentos para convocar o ministro na comissão.

Aprovados em bloco, os pedidos tiveram 24 votos a favor e 8 contra.

O caso

Sem apresentar provas, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, disse em entrevista ao Jornal da Cidade Online que há "plantações extensivas de maconha" nas universidades federais, "a ponto de precisar de borrifador de agrotóxico".

"Você tem plantações de maconha, mas não são três pés de maconha, são plantações extensivas de algumas universidades, a ponto de ter borrifador de agrotóxico. Por que orgânico é bom contra a soja para não ter agroindústria no Brasil, mas na maconha deles eles querem toda tecnologia a disposição", disse.

Em sua fala, Weintraub ainda acusou laboratórios de química de produzirem metanfetamina. O ministro, no entanto, também não apresentou provas e nem disse suspeitar em quais universidades isso aconteceria.

"Você pega laboratórios de química - uma faculdade de química não era um centro de doutrinação - desenvolvendo drogas sintéticas, metanfetamina, e a polícia não pode entrar nos campi", declarou.

Segundo ele, a culpa seria da "soberania" das universidades. "Foi criada uma falácia que as universidades federais precisam ter autonomia. Justo, autonomia de pesquisa, ensino... Só que essa autonomia acabou se transfigurando em soberania", afirmou.

Ele classificou as universidades de "madraças [escola muçulmana] de doutrinação" e disse defender a diminuição do "poder absoluto e hegemônico" delas.

Em nota, a Andifes (Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior) afirmou que as universidades públicas são o berço da produção de ciência e de tecnologia do país e que, por serem um "verdadeiro patrimônio do povo brasileiro", devem ser valorizadas, cuidadas e incentivadas.

A associação repudiou as declarações do ministro e disse que irá tomar as providências jurídicas cabíveis para apurar eventual cometimento de crime de responsabilidade, improbidade, difamação ou prevaricação por parte de Weintraub.

A Andifes destacou, ainda, que as universidades são alvo constante da "retórica agressiva" de Weintraub, mas que, desta vez, o ministro "ultrapassa todas as fronteiras que devem limitar, sobretudo, os atos de um gestor público do alto escalão da República".

"Se o Sr. Ministro da Educação busca, mais uma vez, fazer tais acusações para detratar e ofender as universidades federais perante a opinião pública, mimetizando-as com organizações criminosas, ele ultrapassa todos os limites da ética pública, indo aliás muito além até de limites que já não respeitava. Nesse caso, o absurdo não tem precedentes", diz o texto.

"De outro lado, se o Sr. Ministro, enquanto autoridade pública, efetivamente sabe de fatos concretos, sem todavia apontar e denunciar às autoridades competentes de modo específico onde e como ocorrem, preferindo antes usá-los como instrumento de difamação genérica contra todas as universidades federais brasileiras, poderá estar cometendo crime de prevaricação", diz ainda a nota.