PUBLICIDADE
Topo

Educação

Enem


6 resoluções de Ano Novo para quem vai prestar vestibular em 2020

É essencial não deixar os amigos nesse período -
É essencial não deixar os amigos nesse período

Jéssica Maes

Colaboração para o UOL

01/01/2020 04h00

Se rever em um ano o conteúdo de todo o ensino médio parece muita coisa, é porque realmente é. Mas é exatamente isso que os vestibulandos precisam fazer, enfrentando o vilão implacável da falta de tempo desde o começo dos estudos até a execução das provas.

Por isso, o UOL ajuda a agilizar esse início de 2020 selecionando seis resoluções de Ano Novo para quem vai prestar vestibular.

1. Fazer exercício físico

Começamos por um clássico que está na lista de muita gente - vestibulandos ou não. Em um ano que vai exigir tanto do cérebro dos estudantes, é fácil esquecer de cuidar do resto do corpo. Porém, a prática de exercícios físicos faz bem para a saúde física e mental de quem está estudando.

"Fazendo uma atividade física, o vestibulando sai da rotina. E isso é necessário porque a rotina é desgastante", afirma o coordenador e professor do Curso Poliedro, Márcio Guedes, acrescentando que a prática ainda ajuda no sono e a aliviar o estresse.

"Muitos alunos usam a desculpa da falta de tempo para não fazer atividade física ou para estudar sem parar. Eles estão em um ano de extrema dedicação, mas não significa exclusividade [para os estudos]. Tem que encaixar a atividade física como um momento de lazer", diz.

2. Cuidar da alimentação

Na mesma categoria "mente sã, corpo são" dos exercícios físicos, dar a devida atenção à alimentação também é importante. "Por causa da rotina muito pesada de aulas e estudo, às vezes o estudante acaba só consumindo salgadinhos e café", conta Guedes.

No entanto, uma má alimentação prejudica os estudos e pode fazer com que o rendimento caia - além de ser ruim para a saúde. "Se ele come bem, na hora certa, a qualidade de vida e de estudo melhoram", afirma o professor.

Vale a pena até consultar o colégio ou o cursinho e checar se a própria instituição tem um profissional nutricionista para orientar na hora de montar uma dieta nutritiva para os músculos e para o cérebro.

3. Fazer uma autoavaliação

Essa dica é para quem está se preparando para tentar as provas novamente - seja porque fez apenas apenas na modalidade treineiro e não teve o desempenho que esperava ou porque não foi aprovado no processo que queria. Nesse momento difícil, não adianta repetir o mesmo roteiro que já não deu certo.

A princípio, é importante tirar algumas semanas para descansar, deixando um intervalo entre um ano de estudos e o outro. "O estudante deve analisar prova por prova e ver que tipo de erro ele teve. Não quantos, mas que tipo de erro", explica o coordenador do Poliedro.

Com este raio-x, é possível ver onde estão os problemas e como resolvê-los. Se o erro foi por algo que o estudante não sabia, basta aprender o conteúdo que faltou. Já se o erro tiver acontecido em alguma continha menor, apesar do raciocínio da resolução estar certo, o motivo pode ser ansiedade ou falta de matemática básica. E se o erro foi fruto de chute por falta de tempo, o que está faltando é organização com o tempo de prova.

4. Construir uma base de conhecimento sólida

Justamente por precisar fazer três anos caberem em um, o ritmo de aulas dos cursinhos é tão puxado que não há tempo para ver o mesmo assunto por mais do que uma semana. Por isso é importante se organizar para garantir que não faltem os conteúdos básicos e essenciais para o restante dos estudos.

"Se o vestibulando não é bom em interpretação de texto ou não teve tantas oportunidades de estudar química orgânica na escola, por exemplo, ele pode direcionar o estudo para esses pontos para criar uma base melhor", aconselha Guedes. "Falta matemática básica para muitos alunos - potenciação, exponenciação, fração. São conteúdos usados em todas as matérias de exatas e ele tem que ter habilidade nessas continhas para resolver o exercício sem perder tempo".

5. Investir no diálogo com família, amigos e namorado

O ano de vestibular não é apenas desgastante fisicamente. A incerteza sobre o futuro e a pressão para ser bem-sucedido - seja auto infligida ou não - pesam sobre o estudante, que precisa de todo apoio possível. "As relações precisam ser muito tranquilas. Com qualquer abalo no namoro ou briga em casa o aluno fica muito abalado em sala de aula", afirma o professor.

Nessa época, os vestibulandos podem precisar ficar mais sozinhos, com mais tempo para si mesmos e para dedicarem aos estudos. Por isso, é essencial que eles não deixem de lado o diálogo com familiares, amigos e namorado e expliquem como está sendo a sua rotina e porque podem estar mais "sumidos". Essa conversa é o que vai garantir que o estresse e a ansiedade não acabem criando mágoas nas relações.

6. Encaixar o lazer na rotina

Para o bem da saúde mental e física, o ano de vestibular não pode ser apenas de estudos. Assim como no caso do exercício físico, a agenda do estudante tem que incluir momentos de lazer e relaxamento. "É importante ele ter diária e semanalmente um momento dele - e não comendo ou dormindo, não para satisfazer necessidades básicas. Esse momento deve estar livre para fazer nada, meditar ou uma fazer alguma atividade coletiva ou individual, à escolha dele", diz Guedes.

Pode ser difícil encontrar tempo para novos projetos que exijam muita dedicação, mas é perfeitamente possível realizar atividades que não demandem tanto comprometimento. "É algo super válido se trouxer prazer, descolar da rotina do cursinho, fizer esquecer dos estudos e não for desgastante". As possibilidades de escolha de hobbies são inúmeras e o importante é que a atividade seja prazerosa e desconecte o corpo e a mente das apostilas.

Enem