PUBLICIDADE
Topo

Lula: militar no MEC mostra que Bolsonaro transforma 'governo em quartel'

19.jun.2020 - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante transmissão nas redes sociais - Reprodução/YouTube
19.jun.2020 - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante transmissão nas redes sociais Imagem: Reprodução/YouTube

Do UOL, em São Paulo

25/06/2020 21h23

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) criticou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) por escolher mais um militar para integrar o governo federal.

Hoje à tarde, o chefe do Executivo chamou o militar da reserva da Marinha e especialista em finanças, Carlos Alberto Decotelli, para ser o novo ministro da Educação.

Para Lula, Bolsonaro está transformando "o governo em um quartel" e não é militarizando o Estado que o país vai conseguir melhorar.

"O Bolsonaro está transformando o governo em um quartel. Hoje entrou mais um. Não é militarizando o Estado brasileiro que ele vai melhorar o Brasil. E sim democratizando as instituições", escreveu Lula no Twitter.

O petista também criticou a forma como Bolsonaro vem lidando com a pandemia do coronavírus e disse que o atual presidente ainda será culpado pelo "genocídio" que está promovendo.

"Bolsonaro ainda vai ser criminalizado pelo genocídio que está promovendo. O papel do presidente da República era orientar diariamente a população de como se cuidar e dar força aos profissionais de saúde. Eu nunca vi ele fazendo isso", disse.

Na condição de oficial da Marinha, Decotelli é tido como uma nomeação de confiança do núcleo militar do governo. Ao mesmo tempo, é alinhado com o presidente da República em questões ideológicas e se mostra "fiel aos conceitos de guerra cultural", o que pode agradar aos "olavistas" (ala de adeptos do ideólogo Olavo de Carvalho).

Decotelli, primeiro negro a assumir cargo de ministro no governo Bolsonaro, será o responsável por fazer "a conexão da academia" com a gestão que os militares constataram que faltava na gestão Weintraub.

Apesar de estar alinhado com as perspectivas ideológicas do governo, Decotelli não é vinculado diretamente aos olavistas.

O financista é bacharel em Ciências Econômicas pela Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro), mestre pela FGV (Fundação Getúlio Vargas), doutor pela Universidade de Rosário (Argentina) e tem pós-doutorado pela Universidade de Wuppertal (Alemanha).

Entre fevereiro e agosto de 2019, ele atuou como presidente do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação). Antes disso, trabalhou junto à equipe de transição do governo, formada após a vitória de Bolsonaro na eleição de 2018.