PUBLICIDADE
Topo

Esse conteúdo é antigo

16,1% dos alunos da rede pública de SP já foram infectados por covid-19

Dos que foram infectados pela doença, 64,4% são assintomáticos - Rodolfo Santos/Getty Images/iStockphoto
Dos que foram infectados pela doença, 64,4% são assintomáticos Imagem: Rodolfo Santos/Getty Images/iStockphoto

Ana Carla Bermúdez, Felipe Pereira e Patrick Mesquita

Do UOL, em São Paulo

18/08/2020 12h45Atualizada em 18/08/2020 17h08

A prefeitura de São Paulo apresentou hoje os dados da primeira etapa 1 do inquérito sorológico feito com alunos da rede pública municipal entre 4 e 14 anos. De acordo com os dados, 16,1% dos estudantes já contraíram a covid-19. Dos que foram infectados, 64,4% foram assintomáticos e 25,9% vivem com idosos que têm mais de 60 anos de idade —um dos grupos de risco para a doença.

A pesquisa embasou a decisão do prefeito Bruno Covas (PSDB) em não permitir o retorno às aulas de reforço e uso de laboratórios e bibliotecas das unidades de ensino no município em setembro. A possibilidade de reabertura parcial foi anunciada pela gestão João Doria (PSDB) para cidades que cumpram o critério de estar 28 dias na fase amarela do Plano São Paulo, o plano de retomada das atividades no estado.

"Retomada das aulas nesse momento significaria a ampliação do número de casos, a ampliação em consequência do número de internações e de óbitos na cidade de São Paulo. Razão pelo qual não teremos o retorno em setembro como o estado autorizou, com apenas 35% das salas funcionando. Isso não ocorrerá", disse o prefeito.

O inquérito apresentado pela prefeitura mostra que a prevalência da doença é maior entre os alunos pretos e partos (17,8%) em relação aos brancos (13,7%).

Também há uma diferença considerável quando é avaliada a incidência da covid-19 por classe social. Considerando a renda familiar mensal dos alunos testados, as classes D e E têm 15,2% de infectados, enquanto a classe C tem 13,9%. Por outro lado, as classes A e B têm 9,3% de infectados.

Esta foi a primeira etapa do inquérito com estudantes, quando foram aplicados 6 mil testes - 2 mil em alunos do ensino Infantil (4 a 6 anos); 2 mil em alunos do Fundamental I (1º ao 5º ano); e 2 mil em alunos do Fundamental II (6º ao 9º ano).

Retomada em outubro será avaliada

O prefeito afirmou ainda que, para a retomada das aulas presenciais, o mês de outubro permanece como um "horizonte". Ainda não há, no entanto, uma data marcada para a reabertura das escolas. A avaliação sobre as condições para a volta das aulas terá como base outros inquéritos sorológicos que serão realizados com alunos da rede estadual, da rede privada e com suas famílias.

"Ainda temos o horizonte de outubro. Teremos outro inquérito sorológico, com crianças da rede estadual e da rede privada. E também para toda a família. Queremos entender se as crianças já imunizadas são de famílias também imunizadas", disse Covas.