PUBLICIDADE
Topo

Dia de São Bento: santo foi alvo de envenenamento e criou nova ordem

Dia de São Bento: conheça a história do santo - Getty Images/iStockphoto
Dia de São Bento: conheça a história do santo Imagem: Getty Images/iStockphoto

Matheus Adami

Colaboração para UOL

11/07/2021 04h00

O Dia de São Bento é comemorado neste domingo, no dia 11 de julho. O santo, que é considerado o padroeiro da Alemanha e de toda a Europa, é muito mais do que apenas o "homenageado" por diversos mosteiros no Brasil.

Basta caminhar pelo centro de cidades importantes do país como São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Olinda (PE) para se deparar com os mosteiros de São Bento.

Por que, então, ele tem tanta importância para a Igreja Católica e por que os mosteiros de São Bento são tão presentes no Brasil?

São Bento, de Núrsia

São Bento nasceu na cidade de Nórcia, na Itália, no ano de 480. A data de nascimento é atribuída a 24 de março. Conhecido como Bento de Núrsia, o futuro santo era um nobre que resolveu estudar filosofia e retórica. Mas, no meio do caminho, decidiu se tornar um eremita.

"Como eremita, ele tem um chamado espiritual e se torna conselheiro espiritual. Daí ele é chamado a ser abade de um mosteiro e a gente vê esse florescimento vocacional da vida de Bento", diz Felipe Cosme Damião Sobrinho, padre e professor na faculdade de teologia da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo).

São Bento nos ajuda a compreender a vida como dom. Não é à toa que o lema é 'ora e trabalha'. São Bento nos ajuda a aprofundar o sentido da vida cristã.
Felipe Cosme Damião Sobrinho, padre e professor na faculdade de teologia da PUC-SP

Há, também, uma curiosidade. São Bento é irmão gêmeo de Santa Escolástica, que morreu em 10 de fevereiro de 542.

Mosteiros de São Bento

A partir do início da vida vocacional, o futuro São Bento começou a fundar mosteiros e abadias, entre elas a abadia de Monte Cassino, também na Itália, local onde ele morreu em 11 de julho de 547.

Pouco tempo antes, em 529, surgiu na abadia a Ordem Beneditina. Entre os fundamentos da ordem, está a chamada Regra de São Bento, que tem três pontos principais: pobreza, obediência e castidade —posteriormente, foram adotadas por quase todas as ordens religiosas.

"A grande marca de São Bento foi instituir a vida monástica, que tem por base algumas coisas que fizeram parte da vida religiosa: a vida de oração, reclusa, homens a serviço de Deus. São Bento normatizou a regra. Ele construiu um código de preceitos que todo o clero regular, que segue a vida monástica, vai seguir,", diz Valéria Rocha Torres, doutora em ciências da religião pela PUC-SP, mestre em história pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e professora da Unipinhal (Centro Regional Universitário de Espírito Santo do Pinhal).

Vale lembrar que, inicialmente, os mosteiros ficavam em lugares afastados. As cidades foram surgindo ao redor dessas edificações religiosas.

"As abadias, mosteiros e conventos já existiam, mas ganham novo impulso com Bento e se tornam forma de vida para as pessoas que residiam nas cidades. Os mosteiros ficavam em lugares altos, inspirando as pessoas", explica Sobrinho.

Com o crescimento da Ordem de São Bento na Europa e com a era das colonizações, a ordem chegou ao Brasil, juntamente a outras famílias religiosas, como os jesuítas, carmelitas e franciscanos. Hoje, os mosteiros de São Bento estão presentes em São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Olinda, João Pessoa e Sorocaba (SP).

Cálice e pão envenenados

Por conta do seu meio de vida, o futuro santo arranjou inimigos. Por duas vezes, foi alvo de tentativas de envenenamento.

"Ele sofreu perseguição pela santidade de vida. Nas lendas, há o cálice envenenado, do qual saiu uma serpente. Na segunda vez, ele recebeu um pão envenenado, que foi consumido por um corvo. Tudo isso pela perseguição pelo modelo de vida. Mas isso não o abalou para viver com radicalidade a vida em Cristo", pontua o padre.

Medalha de São Bento

Um dos símbolos da fé em São Bento é uma medalha, aprovada pelo papa Bento 14, em 1742. No objeto, estão a imagem de São Bento segurando uma cruz na parte da frente. No verso, normalmente, está a imagem da cruz vazia e uma série de letras. O simbolismo dela está em espantar demônios.

As letras simbolizam trechos em latim de uma oração:

  • C S P B: Crux Sancti Patris Benedicti (Cruz do Santo Padre Bento)
  • C S S M L: Crux Sacra Sit Mihi Lux (A Cruz Sagrada seja minha Luz)
  • N D S M D: Non Draco Sit Mihi Dux (Não seja o dragão meu guia)
  • V R S: Vade retro, satana! (Para trás, Satanás!)
  • N S M V: Nunquam Suade Mihi Vana (Nunca me aconselhe coisas vãs)
  • S M Q L: Sunt Mala Quae Libas (São coisas más as que brindas)
  • I V B: Ipse Venena Bibas (Bebas do mesmo veneno)

Oração a São Bento

Confira uma oração a São Bento comum entre católicos:

"Ó glorioso Patriarca São Bento,

que vos mostrastes sempre compassivo com os necessitados,

fazei que também nós,

recorrendo à vossa poderosa intercessão,

obtenhamos auxílio em todas as nossas aflições,

que nas famílias reine a paz e a tranquilidade;

que se afastem de nós todas as desgraças tanto corporais como espirituais,

especialmente o mal do pecado.

Alcançai do Senhor a graça

que vos suplicamos, finalmente,

vos pedimos que ao término de nossa vida terrestre

possamos ir louvar a Deus convosco no Paraíso.

Amém".