PUBLICIDADE
Topo

Bicentenário de Anita Garibaldi reacende valores da heroína de dois mundos

Ana Maria de Jesus Ribeiro, conhecida por Anita Garibaldi, nasceu há 200 anos e deixou um legado de heroína destemida  - Reprodução/Xapuri
Ana Maria de Jesus Ribeiro, conhecida por Anita Garibaldi, nasceu há 200 anos e deixou um legado de heroína destemida Imagem: Reprodução/Xapuri

Murilo Matias

Colaboração para o UOL

30/08/2021 04h00

Nome de cidade, tema de filme, enredo de escola de samba, personagem de série televisiva, referência para as mulheres, revolucionária destemida: o legado da brasileira Anita Garibaldi completa hoje 200 anos.

Conhecida pela alcunha de "heroína de dois mundos" devido à participação em batalhas no continente americano e europeu, ela tem uma das mais admiradas trajetórias documentadas na história, apesar do pouco tempo que viveu.

Nascida em 30 de agosto de 1821, em Laguna (SC), morreu na Itália poucos dias antes de completar 28 anos.

"Aos 18 anos, conhece o guerrilheiro italiano Giuseppe Garibaldi e por ele abandona o esposo. Desta forma, podemos ver que Anita não aceitava ser submetida às normas da sociedade. Ela participaria da luta conduzindo colunas em marcha, organizando hospital para cuidar dos feridos e combatendo também nas batalhas", descreve a historiadora Juliana Bezerra, mestre em história da América Latina e União Europeia.

Em um tempo em que as mulheres praticamente não participavam das guerras na condição de oficiais, Anita notabilizou-se pela presença em embates em três diferentes países e por diferentes causas.

No Brasil, aderiu à Revolução Farroupilha, que pretendia tornar parte do território do sul independente, instituindo a república e o abolicionismo. Em terras uruguaias, lutou contra exércitos invasores estrangeiros que tentavam tomar o poder. Na Itália, dedicou-se à unificação do país, onde teve a vida tomada por uma febre tifoide, grávida do quinto filho, segundo os registros.

"Ela e o marido eram perseguidos pelos Exércitos francês e austríaco, que haviam retomado Roma. Na nossa memória, as mortes de Anita e do filho que carregava vêm sendo cada vez mais sentidas. Pelas circunstâncias, pela solidão, pelo limite ultrapassado. É com essa efervescência que deve ser contada sua história. Tem mistério, tem vontade, tem a sabedoria feminina de encontrar seu lugar no mundo, que ainda hoje nos encanta", comenta a escritora Marô Silva.

A jornalista está reeditando um livro sobre Anita inicialmente publicado em 1985. "O distanciamento aumentou um pouco e o carinho que tenho pela personagem também. Precisamos dela e da sua visão de mundo. Sua caminhada é um exemplo sobre os desafios que aceitamos ultrapassar. Nestes 200 anos, o mito foi sendo construído e a ele fomos acrescentando qualidades, características, supondo atitudes, conversas, reações e nos apaixonamos. Anita não pode morrer", complementa.

O Instituto Cultural Anita Garibaldi (CulturAnita) junto ao Museu Aberto são dois espaços que atuam na preservação dessa memória, especialmente acesa pela data do bicentenário —ambos estão sediados em sua cidade natal. O estado de Santa Catarina tem um município nomeado em homenagem à guerrilheira, local por onde ela passou quando buscava um ponto de descanso para as tropas.

No vizinho Rio Grande do Sul, um decreto institui o Ano de Anita, dedicando 2021 a comemorações por suas lutas.

"Estamos há 29 anos realizando este trabalho", relata a pesquisadora Elma Sant'Ana, fundadora do instituto e também autora de livros sobre o assunto.

"É importante ver historiadoras escrevendo sobre mulheres como Anita tanto para a ampliação de conteúdos sobre mulheres no campo de conhecimento quanto para as demandas sociais da atualidade. Hoje, a história, enquanto ciência, se abre para a possibilidade de contemplar várias experiências e contextos que envolvem raça, classe e gênero, porque as sociedades mudaram e a história acompanhou essas transformações", destaca a historiadora Iasmin Gomes.

Cursando mestrado, a acadêmica criou a página Nosotras Latinoamericanas no Instagram, projeto cujo objetivo é divulgar e aprender sobre trajetórias de mulheres da região.

"Escrever sobre mulheres como a própria Anita, a Dandara, a Juana Azurduy e tantas outras é romper com a 'história oficial' que privilegia o homem cis, branco e hétero e subalterniza sujeitos que não se enquadram nesse padrão. É mostrar que a história vai para além de grandes feitos realizados por imperadores e outros detentores de poder. Ela se torna plural e democrática. Afinal, todos nós somos agentes históricos", define.

Em homenagem a essa notável mulher, conheça livros sobre sua vida de Anita, os conflitos em que esteve presente e títulos sobre o protagonismo feminino na história.

Confira as sugestões:

Uma Guerreira Chamada Anita Garibaldi - Regina Dummond

Preço: R$ 19,90*

Comprar

Uma guerreira chamada Anita Garibaldi - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

O livro conta fatos relevantes da biografada desde a infância, em linguagem acessível, sendo complementado por ilustrações de Salmo Dansa. O título integra a coleção Personalidades Brasileiras, uma série de biografias de pessoas que influenciaram a história nacional e mundial. Editora Bicho Esperto.

Anita Garibaldi, a Estrela da Tempestade - Heloisa Prieto

Preço: R$ 17,24*

Comprar

Anita Garibaldi, a Estrela da Tempestade - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

A autora narra a trajetória de Anita a partir das cartas da revolucionária, muitas das quais são reproduzidas ao longo do livro. O conteúdo retrata a audácia e o idealismo como traços da biografada, que protagonizou episódios marcantes da história, entre os quais o conflito Farroupilha. Editora Rocco Jovens Leitores.

História Regional da Infâmia - Juremir M. da Silva

Preço: R$ 39,99*

Comprar

História Regional da Infâmia - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Expondo as contradições da Revolução Farroupilha, o livro questiona o papel de líderes do levante baseando-se em documentação da época. Tem ênfase no episódio do Massacre de Porongos, no qual negros escravizados foram vítimas de uma emboscada, apesar do discurso abolicionista dos revolucionários. A obra contesta mitos do conflito. Editora L&PM.

Mulheres na História da América Latina - Marinete Ap. Zacharias Rodrigues

Preço: R$ 58,87*

Comprar

Mulheres na história da América Latina - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

O protagonismo de mulheres em diferentes momentos da história na região latino-americana é descrito durante as 330 páginas da edição. As reflexões apresentadas pela autora proporcionam ainda o contato com diferentes fontes e trabalhos de pesquisa sobre o tema. Editora CRV.

A Guerrilheira: O Romance da Vida de Anita - Garibaldi João F. dos Santos

Preço: R$ 9,90*

Comprar

Anita Garibaldi, A Guerrilheira - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

O título aborda passagens pouco conhecidas da vida da revolucionária. O autor se concentra também na relação de Anita com seu marido, Giuseppe Garibaldi, com quem viveu por uma década, dividindo a casa e campos de batalha, até sua morte na Itália, quando esperava o quinto filho do matrimônio. Editora José Olympio.

Mulheres na Luta Armada - Maria Cláudia Badan

Preço: R$ 88*

Comprar

Mulheres na Luta Armada - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

A obra descreve momentos e atos de resistência à ditadura de 1964 frequentemente ignorados pela história oficial, destacando ações empreendidas pela guerrilha urbana que atuava à época. As páginas destacam as mulheres que lutaram contra a ditadura, rompendo muitas vezes com a sociedade e com suas famílias para enfrentar o regime autoritário. Editora Alameda Editorial.

Extraordinárias - Duda Porto de Souza e Aryane Cararo

Preço: R$ 44,89*

Comprar

Extraordinárias mulheres que revolucionaram o Brasil - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Elas mudaram e estão mudando a nossa história e precisam ser conhecidas e reconhecidas por suas inspiradoras trajetórias. A partir dessa perspectiva, as autoras apresentam retratos feitos por artistas brasileiras e perfis de mulheres de etnias, épocas, regiões variadas, como Dandara, Niéde Guidon e Indianara Siqueira. Editora Seguinte.

Cinzas do Sul - José Antonio Severo

Preço: R$ 19,90*

Comprar

Cinzas do Sul - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

O autor recria batalhas míticas, as incontáveis guerras, revoluções, revoltas, insurreições, quarteladas e rebeliões que sacudiram o Cone Sul entre os séculos 18 e 19, incluindo os conflitos de que participaram Anita e Giuseppe Garibaldi. A obra tem um total de 1.089 páginas e é dividida em dois volumes: "Rios de Sangue" e "Cinzas do Sul". Editora Record.

O Ressurgimento e a Unificação da Itália - Antonio Gramsci

Preço: R$ 27,54*

Comprar

O ressurgimento e a unificação da Itália - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

A obra reúne textos escritos pelo autor entre os anos de 1929 e 1935 e presentes nas páginas de "Cadernos do Cárcere". O conteúdo é referência para a compreensão da cultura italiana e do funcionamento daquela sociedade a partir da unificação. Este livro se dirige, de fato, a um hipotético "primeiro leitor" que até agora não teve a oportunidade de se aproximar dos escritos de Gramsci e que queira ter uma primeira ideia direta a respeito, adentrando em sua complexidade. Editora Martins Fontes.

Giuseppe Garibaldi, Memórias Autobiográficas - G. Garibaldi

Preço: R$ 166,80*

Comprar

Giuseppe Garibaldi, memórias - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

As páginas relatam as campanhas empreendidas em diferentes territórios e contextos políticos da Itália à América do Sul pelo autor, a maioria junto a Anita. Sobre ela, Giuseppe escreveu: "A companheira da minha vida, nos bons e nos maus momentos! A mulher cuja coragem tantas vezes ambiciono". Editora Sílabo.

Uma dica: quer ter acesso a mais de um milhão de ebooks por um preço único? Seja assinante do Kindle Unlimited e leia onde e quando quiser, por R$ 19,90 ao mês.

* Os preços e a lista foram checados no dia 26 de agosto de 2021 para atualizar esta matéria. Pode ser que eles variem com o tempo.

O UOL pode receber uma parcela das vendas pelos links recomendados neste conteúdo. Preços e ofertas da loja não influenciam os critérios de escolha editorial.