PUBLICIDADE
Topo

História geral

Império português - origens - A formação de Portugal e da língua portuguesa

Érica Turci

Conhecer a história do Império Português significa conhecer também a história de diversos povos, pois, a partir do século 15, os portugueses iniciaram um processo expansionista em busca de mercadorias para serem comercializadas na Europa.

Por isso estabeleceram rotas de comércio, fundaram feitorias e colônias na Ásia, na África e na América, expandindo não só a economia europeia, mas também levando a cultura portuguesa para o restante do mundo.

No ano de 1415, com a conquista de Ceuta (Marrocos), se iniciou a formação do Império Português e somente em 1999, com a incorporação de Macau pela China, é que esse vasto império terminou.

O Império Português deixou muitas heranças, entre elas o fato de que hoje em dia mais de 200 milhões de pessoas falam a língua portuguesa em todo o mundo.

Lusitanos

A Península Ibérica, onde se localiza Portugal, era habitada, em tempos pré-históricos, pelos iberos, tribos originárias da região.

A partir do século 10 a.C., povos celtas chegaram à península e se miscigenaram com a população local, dando origem aos chamados celtiberos. Dentre os grupos celtiberos se destacavam os lusitanos, que habitavam a região ocidental da península (o que seria mais ou menos o atual Portugal), e são considerados como a primeira identidade cultural dos portugueses.

Enquanto se organizavam as comunidades celtiberas, gregos, fenícios e cartagineses fundavam entrepostos comerciais em vários pontos do litoral mediterrânico da Ibéria (nome dado à península pelos gregos), mas não interferiram nas organizações socioculturais locais, pois não tinham interesse no domínio do território e nem da população, garantindo aos celtiberos grande autonomia.

Mas essa situação se transformou drasticamente a partir do final do século 3 a.C., quando (durante a Segunda Guerra Púnica) a península foi dominada por Roma e incorporada ao Império Romano, recebendo o nome latino de província da Hispania (latim era a língua de Roma).

Domínio romano

A dominação romana não se deu de forma fácil. Os celtiberos reagiram violentamente à dominação romana e foram os lusitanos, sob a liderança de Viriato (século 2 a.C.), os que mais deram trabalho a Roma. Somente no império de Otavio Augusto a região foi realmente controlada, sendo fundada a província Lusitânia.

A partir de então, a presença dos legionários e dos comerciantes romanos, a imposição da legislação e da língua latina modificaram profundamente a população local e sua cultura. Além disso, não podemos esquecer da expansão da religião cristã pelo império nos primeiros séculos de nossa era: a língua e a religião cristã são as maiores heranças romanas em Portugal.

Dessa forma, a língua portuguesa se originou basicamente da mistura da língua lusitana com o latim vulgar, quer dizer, o latim falado em todo Império Romano, com suas variações de território para território, sofrendo influências das línguas dos diversos povos que compunham o império e dos povos que chegariam depois.

Influências germânicas e árabes

Com o final do Império Romano, no século 4 e 5, a província Lusitânia foi invadida pelos suevos, alamanos, vândalos e visigodos (povos germanos). Os suevos se fixaram na região formando o Reino Suevo, o que alterou a organização política e econômica local, mas não sua cultura, pois os invasores optaram por adotar o latim vulgar e a religião cristã.

Em todas as partes do antigo Império Romano do Ocidente os germanos (Francos, Ostrogodos, Visigodos, Saxões, etc.) fundaram seus reinos e, com o fim da unidade política romana, o latim vulgar foi se desenvolvendo e os povos foram construindo seus dialetos. Assim, foram surgindo as inúmeras línguas europeias originárias do latim.

No século 8 aconteceu a invasão árabe e a incorporação de grande parte da Península Ibérica ao Império Muçulmano. E mais uma vez, apesar das novas mudanças políticas e econômicas, e das inovações culturais e científicas introduzidas pelos novos conquistadores, a população continuou falando a língua local, apenas utilizando algumas palavras de origem árabe (moçárabe).

A língua escrita

Enquanto o latim vulgar era falado por todo território com suas variações locais, o latim culto ainda era utilizado em documentos oficiais (tanto do Estado quando da Igreja), pela literatura e pela ciência.

Somente no século 13, quando Portugal já era um reino independente, é que a língua falada foi utilizada pela primeira vez na redação de dois documentos: Notícia do Torto (por volta de 1211) e o Testamento de D. Afonso 2º. (1214). Surgia a língua portuguesa, formando assim a identidade nacional do reino de Portugal.

Dois séculos depois, com o início da expansão marítima e a formação do império de Portugal, a língua portuguesa se tornaria uma língua franca entre a Ásia, África, América e Europa, quer dizer, a língua usada por todos os povos (inclusive por outros reinos europeus) para manter as relações comerciais e a administração de rotas, colônias e feitorias. Foi isso que fez do português a quinta língua mais falada no mundo hoje em dia.

Érica Turci é historiadora e professora de história formada pela USP.

História geral