Topo

Educação

Ensino a Distância


Sete meses após formar o primeiro deficiente visual, UAB continua sem acessibilidade

Camila Rodrigues

Do UOL, em São Paulo

22/06/2012 06h00

A plataforma de aprendizagem virtual e o material didático da UAB (Universidade Aberta do Brasil) ainda não foram adaptados a deficientes visuais e auditivos, sete meses após a formatura do primeiro deficiente visual, Deividi Prussiano de Freitas, 28, em novembro do ano passado.

O estudante se formou no curso superior de tecnologia em gestão pública, oferecido pelo IF-SC (Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Santa Catarina) no pólo de Cachoeira do Sul (RS), a 290 km de Porto Alegre.

Atualmente, há outros dois deficientes visuais matriculados no curso de gestão pública do IF-SC: uma estudante do pólo de Nova Londrina (PR), que enxerga muito pouco e iniciou o curso no segundo semestre de 2011; e um estudante cego no pólo de Cachoeira do Sul, que deve iniciar as aulas na próxima turma do curso.

Paulo Roberto Weigmann, chefe do Departamento de Ensino a Distância do IF-SC, admitiu que, atualmente, “todo o material é feito para os alunos que não têm deficiência”.

Acessibilidade para deficientes visuais na universidade

Bibliografia básica adaptada

A adaptação varia segundo a necessidade, afirma a gerente geral de operações da Fundação Dorina Nowill, Susi Maluf. “Pode ser em braile, em livro digital acessível, pode oferecer o material escaneado e o aluno ler com leitores de tela”, diz. O mais usado é o livro digital acessível Daisy (um padrão internacional para livros digitais acessíveis), que tem sistema de busca por palavras, soletrar palavras desconhecidas, fazer anotações e outros recursos. É o mais recomendado para uso universitário.

Audiodescrição

Se for usada apresentação em slides, ela tem de ser lida. Em caso de filmes, é importante que haja audiodescrição.

Sinalização na biblioteca

A biblioteca deve facilitar a locomoção do deficiente visual, com sinalização do chão, e ser adaptada com leitores em braile ou em áudio.

Site da universidade

O site precisa ser acessível, caso contrário o estudante com deficiência visual não consegue usar todos os recursos nem baixar arquivos.

Provas e exercícios

Atividades e avaliações precisam estar adaptadas.

Fonte: Fundação Dorina Nowil

No entanto, diz que, no final de 2010, foi enviado um projeto para o departamento jurídico da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), que é responsável pela UAB.

“A gente solicitou uma equipe especializada para trabalhar com educação especial e a produção de material adaptado para deficiente visual e outras ferramentas adaptadas para acessar o conteúdo”, descreve Weigmann. “Mas demorou tanto que deu tempo de Deivid se formar”.

Questionada sobre o andamento desse projeto e de outras medidas de acessibilidade da UAB, a Capes respondeu o seguinte:

"Vários cursos utilizam a plataforma interativa Moodle e adaptam suas ferramentas e estratégias para atender alunos especiais. A Capes é responsável por avaliar o projeto pedagógico no geral, sendo que a análise das ferramentas específicas extrapolam a competência desta coordenação. A avaliação do curso e sua possível adequação às necessidades de seus estudantes é realizada pelo INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais) assim como de todos os cursos de graduação no país." O Inep informa que ainda não avalia cursos a distância.

O que é a Universidade Aberta do Brasil

A UAB é um sistema integrado por universidades públicas de todo o país que oferecem ensino superior a distância. Lançada no segundo semestre de 2007, ela oferece cursos de licenciatura, formação pedagógica, bacharelado, tecnólogo e sequenciais.

Há também formação continuada nas modalidades de especialização, aperfeiçoamento e extensão, e o Profmat (Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional). O programa tem cerca de 11 mil concluintes em licenciaturas e 16 mil em bacharelados.

Mais Ensino a Distância