Topo

Educação

Enem


Enem terá prova piloto por computador em 2020 e será 100% digital até 2026

Ana Carla Bermúdez

Do UOL, em São Paulo

2019-07-03T09:40:34

2019-07-03T12:50:31

03/07/2019 09h40Atualizada em 03/07/2019 12h50

O MEC (Ministério da Educação) anunciou hoje que começará a aplicar a prova do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) por meio digital em 2020. A aplicação, segundo o ministério, acontecerá em modelo piloto: a prova será oferecida de forma opcional a 50 mil alunos de 15 capitais brasileiras no ano que vem e atingirá 100% das provas em 2026.

"Este ano, a aplicação do Enem é normal, em papel, mas vamos começar o preparativo para o piloto digital em 2020", disse o presidente do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), Alexandre Lopes.

O Enem digital será aplicado nos dias 11 e 18 de outubro de 2020. Já a prova tradicional, em papel, será realizada nos dias 1º e 8 de novembro do ano que vem.

Principais mudanças anunciadas:

  • Em 2020, o Enem terá três aplicações: a digital, a regular e a reaplicação. A última é voltada para candidatos prejudicados por algum problema logístico ou de infraestrutura na realização da prova digital;
  • A transição para o Enem digital ocorrerá de forma gradual. Em 2020 haverá uma aplicação digital, em 2021 haverá duas e dali em diante serão quatro datas digitais por ano. Em 2026, o Enem será 100% digital;
  • Tanto as provas objetivas como a redação serão aplicadas no formato digital;
  • O valor da inscrição não será diferente para candidatos que optarem pelo Enem digital;
  • A empresa contratada para realizar a aplicação do Enem será responsável por oferecer computadores e demais equipamentos necessários para a prova.

O custo estimado para o modelo piloto é de R$ 20 milhões. Já a realização do Enem tradicional, segundo o Inep, custa em torno de R$ 500 milhões para todos os participantes (cerca de 5 milhões de pessoas).

Segundo Lopes, a transformação da aplicação do Enem em papel para o meio digital será progressiva até 2026. A empresa que for contratada para realizar a aplicação do Enem no ano que vem será responsável por toda a infraestrutura do exame, incluindo os locais de prova, os fiscais de sala e os computadores.

"O MEC não irá comprar computadores para fazer o Enem digital. A gente vai usar as bases já instaladas nas unidades de ensino", disse o presidente do Inep.

O objetivo, segundo ele, é fazer várias aplicações do Enem ao longo do ano, "por agendamento, como se fosse para tirar o passaporte". "O aluno vai escolher a cidade, o dia e vai marcar a prova", afirmou.

"Aquele aluno que optar pelo Enem digital não será prejudicado, porque se tiver algum problema de logística, de computador, por exemplo, ele será direcionado para uma reaplicação do Enem", afirmou Lopes. A prova de 2019 já está na gráfica para impressão, segundo divulgado ontem pelo Inep.

A mensagem importante que a gente quer passar é: até 2026, a prova vai ser muito parecida com o que é hoje, só que toda ela vai ser feita no computador, como foi [com] as transformações lá fora. Até 2026, todo mundo vai fazer o seu Enem no computador e vai poder fazer isso em várias provas ao longo do ano. Vai perder o trauma de perder a prova Abraham Weintraub, ministro da Educação

A expectativa do Inep, para o futuro, é trabalhar com provas que tenham questões interativas, com vídeos, infográficos e lógica dos games.

No ano que vem, o Enem digital terá o mesmo formato da prova aplicada em papel: serão 180 questões divididas em quatro áreas de conhecimento (humanas, linguagens, ciências da natureza e matemática), mais a prova de redação. Todas elas serão realizadas no computador para quem optar pelo exame no formato digital.

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, disse que o formato digital facilitará a adequação do Enem ao novo ensino médio, que prevê que os alunos escolham parte da grade curricular ao final da etapa de ensino --os chamados itinerários formativos.

"As provas vão ser customizadas de acordo com a carreira que o aluno escolher", disse o ministro. Segundo ele, um dos objetivos da prova é "selecionar as pessoas corretas para os ofícios corretos".

O presidente do Inep minimizou possíveis problemas de segurança na aplicação da prova por computadores e disse que "os ataques à segurança do Enem já existem hoje". Ele ressaltou que a Polícia Federal tem um acordo com o Inep para prezar pela segurança do exame.

Bolsonaro não leu a prova do Enem

Segundo Weintraub, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) não leu a prova do Enem que será aplicada em novembro deste ano.

No ano passado, ao criticar uma questão da prova que tratava de um dialeto usado entre gays e travestis, Bolsonaro afirmou que iria "tomar conhecimento da prova antes" da sua aplicação. Ele também afirmou que, na sua gestão, o MEC não trataria assuntos "dessa forma".

"Eu não li, o presidente não leu, ninguém que está aqui nessa mesa leu", disse Weintraub. Segundo o ministro, foi passada uma orientação para que qualquer conduta "ideológica" na elaboração das provas seja eliminada. "As pessoas que não performarem adequadamente a gente vai desligar [da pasta]", completou.

Veja as cidades que terão o Enem digital em 2020:

  • Belém
  • Belo Horizonte
  • Brasília
  • Campo Grande
  • Cuiabá
  • Curitiba
  • Florianópolis
  • Goiânia
  • João Pessoa
  • Manaus
  • Porto Alegre
  • Recife
  • Rio de Janeiro
  • Salvador
  • São Paulo

Mais Enem