PUBLICIDADE
Topo

Quatro cidades do Grande ABC descartam volta às aulas em 2020

Salas de aula seguirão sem alunos no Grande ABC até 2021  - iStock
Salas de aula seguirão sem alunos no Grande ABC até 2021 Imagem: iStock

Do UOL, em São Paulo

11/08/2020 12h50

As sete cidades que compõem a região conhecida como Grande ABC paulista se reuniram hoje para debater a retomada das aulas nas redes particulares e públicas.

O debate do Consórcio Intermunicipal do Grande ABC, presidido pelo prefeito de Rio Grande da Serra, Gabriel Maranhão (Cidadania-SP), estabeleceu que as escolas particulares só retomarão suas atividades junto com as instituições de ensino públicas.

"Acabamos agora a assembleia com os sete prefeitos do ABC, e a determinação é que as escolas particulares só retornam quando as municipais também retornarem", disse Maranhão em entrevista à Globonews.

Santo André, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra já determinaram que o retorno das aulas só ocorrerá em 2021. São Bernardo, São Caetano e Diadema seguirão avaliando a evolução dos seus índices epidemiológicos e as determinações do governo de São Paulo para uma nova comunicação até 30 de setembro.

A decisão vai de encontro com o plano do governador João Doria (PSDB-SP), que pretende reabrir as escolas em 7 de outubro.

"Os dois grandes fatores (para a decisão) foram o grande índice de pais que não querem retornar às aulas esse ano e também o índice de evolução da pandemia", explicou Maranhão, anunciando também que os professores devem contar com as salas de aulas para ajudar na produção de conteúdo das aulas remotas.

"É muito prazeroso ver nossos professores se reinventando, dando aulas via internet, e vai ter um rodízio dos professores para que essas aulas sejam dadas pela internet e nas salas de aulas, para que tenham uma melhor estrutura de ensino", afirmou o prefeito de Rio Grande da Serra.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do informado no texto, apenas quatro cidades, e não todas as sete, decidiram que as aulas serão retomadas apenas em 2021: Santo André, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra. São Bernardo, São Caetano e Diadema seguirão avaliando a evolução dos seus índices epidemiológicos até 30 de setembro. A informação foi corrigida.