PUBLICIDADE
Topo

Enem

Unesp 2021: 1ª fase mantém tradição com prova criativa e interdisciplinar

30.jan.2021 - Entrada do Campus de Bauru (SP) da Unesp (Universidade Estadual Paulista) - DENISE GUIMARÃES/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
30.jan.2021 - Entrada do Campus de Bauru (SP) da Unesp (Universidade Estadual Paulista) Imagem: DENISE GUIMARÃES/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Guilherme Botacini

Colaboração para o UOL, em São Paulo

31/01/2021 20h02

Os dois dias da primeira fase do vestibular da Unesp de 2021 apresentaram aos candidatos provas bastante atuais e interdisciplinares. O UOL corrige a prova em parceria com o Objetivo.

Todas as disciplinas tiveram questões com conceitos de outra área do conhecimento. As provas foram classificadas como "criativas" e "muito adequadas" por professores de cursinho ouvidos pela reportagem.

"Foram questões criativas e muito claras, que não geraram dúvidas nem na interpretação do enunciado, nem com relação às possibilidades de resposta", diz Sérgio Nunes, professor de geografia do Colégio e Curso Objetivo.

A interdisciplinaridade da prova não se restringiu a disciplinas correlatas: uma questão sobre terremotos, por exemplo, exigiu conhecimentos concomitantes de matemática e geografia. Outra, de filosofia, estava em inglês.

"A Unesp manteve suas características: foi uma prova justa, bem escrita, sem pegadinhas e equilibrada. O aluno bem preparado não teve dificuldades", diz Daniel Cecílio, diretor pedagógico da Oficina do Estudante.

A Vunesp, fundação responsável pelo vestibular da Unesp, adotou a estrutura de dois dias de provas como parte das ações para evitar a disseminação do novo coronavírus entre os candidatos.

O primeiro dia foi dedicado aos candidatos a cursos da área de biológicas, e o segundo, aos candidatos das demais áreas.

São 7.630 vagas oferecidas pela Unesp em 23 cidades do estado de São Paulo e para cursos em todas as grandes áreas do conhecimento.

A segunda fase, marcada para o dia 28 de fevereiro, acontecerá apenas nesse dia e será composta por 60 questões objetivas e uma redação. Serão cinco horas de duração.

Humanas

A prova de história foi bem equilibrada entre história geral e história do Brasil e trouxe conteúdos bastante tradicionais. Houve questões do Brasil Colônia e período regencial à ditadura militar e, em história geral, da Antiguidade à Primeira Guerra Mundial.

A interdisciplinaridade também apareceu relacionando conhecimentos da história com geografia e língua portuguesa. Exemplo disso foi um excerto de Os Sertões, clássico de Euclides da Cunha, que serviu de base para sete questões que abarcaram essas três disciplinas.

"Foi uma prova extraordinariamente bem feita, em que todas as matérias comunicavam-se entre si", diz Daily Oliveira, coordenador de história do Objetivo.

As questões relativas a filosofia, sociologia e arte seguiram o padrão consistente da Unesp ao longo dos anos.

Como sempre muito bem elaborada, a prova foi rica em texto, mas que não pede só interpretação.
José Maurício Mazzucco, professor de filosofia do Objetivo

A discussão sobre a bioética, ou seja, os desdobramentos éticos dos avanços da ciência, também apareceu nos dois dias de prova.

As questões de geografia foram bastante atuais. Na prova de domingo, por exemplo, uma questão trouxe um mapa com a disseminação da covid-19 pelo estado de São Paulo. Também apareceu o avanço do desmatamento e acordos internacionais sobre o meio ambiente.

"A prova estava em um nível de médio para difícil e exigiu leitura muito atenta dos enunciados. Mas foi uma prova muito honesta, porque trabalha exatamente o que se trabalha na sala de aula", diz Dario Feltrin, professor de geografia da Oficina do Estudante.

Exatas

Em uma questão sobre coordenadas geográficas do primeiro dia de prova, um modelo matemático era necessário para responder a pergunta. Outra questão pedia a resolução de cálculos geométricos da matemática para usar no conceito de velocidade escalar média, da física.

São questões que exigem dos alunos correlacionar os conteúdos, e isso é excelente. A Unesp deixa claro que tipo de aluno quer: bem preparado que consiga relacionar os conteúdos ao cotidiano.
Rogério Polako, professor de física do Objetivo

A covid-19 também apareceu na prova de matemática, numa questão sobre a propagação da doença. Outra questão, que não citou o coronavírus, usou os conceitos de probabilidade para falar sobre resultados falsos positivos de testes.

A prova de modo geral, mas principalmente as questões de exatas, pediram boa análise e interpretação de gráficos e figuras.

As questões de física também seguiram a tendência da prova. Conteúdos pedidos abrangeram todo o ensino médio, como cinemática, energia e ótica.

"A Unesp não deu fórmulas, mas eram conhecidas e foram trabalhadas durante o ano todo. O aluno que estudou de verdade fez essa prova sem muitos problemas", afirmou Wander Azanha, professor de física da Oficina do Estudante.

Unesp - DENISE GUIMARÃES/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO - DENISE GUIMARÃES/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
30.jan.2021 - Movimentação na Unesp para fazer a primeira fase do vestibular
Imagem: DENISE GUIMARÃES/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Biológicas

As questões que envolviam biologia e química foram bem equilibradas e interdisciplinares. Como era de se esperar nesse cenário, algumas questões envolveram conteúdos das duas disciplinas. Exemplo disso foi uma questão de química que trouxe aspectos do metabolismo celular.

A matemática também apareceu com destaque como parte da proposta interdisciplinar da prova, com uma questão de genética que envolvia arranjos combinatórios e algumas questões de química que exigiram cálculos.

Outro exemplo claro de interdisciplinaridade foi uma questão que trouxe a letra da música "Tenho Sede", de Anastácia e Dominguinhos e pedia, na resposta, conceitos da biologia e a figura de linguagem utilizada.

Apesar de ter sido considerada bastante atual em relação aos temas ao longo de toda a prova, as questões da área de biológicas não trouxe nada relacionado à covid em nenhum dos dois dias.

"Foi uma prova que exigiu bastante dos alunos, de nível médio para difícil", diz Guilherme Francisco, professor de biologia do Objetivo.

Também abrangente, a prova de química exigiu assuntos bastante trabalhados no ensino médio, como equilíbrio químico, densidade, estequiometria, oxirredução e química orgânica.

Linguagens

As questões de língua portuguesa, literatura e inglês também foram elogiadas por professores de cursinho. Ainda que tenha trazido bastante texto e exigido interpretação, a prova também pediu conceitos.

"Apesar de bastante interpretativa, a prova cobrou voz passiva, classes gramaticais, elementos coesivos e tipos de discurso", exemplifica Fábio Blanc, professor de gramática da Oficina do Estudante.

Além das questões baseadas no trecho de Os Sertões já mencionado, a prova trouxe questões sobre Guimarães Rosa e o futurismo da poesia de Álvaro de Campos, um dos heterônimos de Fernando Pessoa. Por outro lado, trouxe também textos mais acessíveis, como uma crônica de Millôr Fernandes.

"Questões interpretativas exigiam leitura atenta e cuidadosa. Contudo, como a prova estava bem elaborada e com questões bem formuladas, o candidato conseguiria, com atenção, responder aos testes", diz Caroline Lopes, professora de português do Objetivo.

A prova de inglês trouxe vários gêneros textuais e fontes diversificadas. Foram cartuns, textos jornalísticos e de instituições internacionais, como a Unesco, e até gráficos.

Outro ponto interessante é que, nas questões que envolviam a língua inglesa, havia questões que ora tinham alternativas de resposta em inglês, ora em português.

"Foi uma prova excelente, de bom nível e muito adequada para estudantes do ensino médio. Atingiu o que o exame se propõe", diz Wellington Pimentel, professor de inglês do Objetivo.

Enem